Premiações

#MaratonaOscar: Her (Ela)

por Diogo Alcantara
há 4 anos

oscar

Hoje em dia a gente vive no meio de tantos gadgets e eletrônicos que ninguém se espanta mais de ver outra pessoa conversando com a “Siri” do iPhone, ou com os sistemas telefônicos de suporte “tipo NET”. O mote de “Her” (“Ela”, no Brasil) é justamente esse: o futuro dos relacionamentos em uma era virtual.
No filme, Joaquim Phoenix (que permanece magya) tem um telefone babadeiro com um sistema operacional que é quase uma pessoa. Com o nome de Samantha, o sistema é rápido, eficiente e tem personalidade própria. Sim, ele (ou ela?) ri, faz elogios, conversa, etc. É um sistema mais legal e mais simpático que muita gente de verdade.
her3
O tempo vai passando e a convivência com a Samantha faz o cara se apaixonar pelo sistema! Simmmm… Um amor virtual. Mas ele tem plena consciência de que ela não existe… mas em tempos de solidão qualquer coisa serve, né? Só precisamos de atenção. E assim nasce um relacionamento muito doido, mas ao mesmo tempo muito incrível e compreensível, já que é meio impossível não gostar muito de quem faz tudo por você. Depois de assistir esse filme eu dei valor num grau pro meu iPhone, to achando que sou apaixonado por ele, inclusive.
3023517-inline-i-5-what-we-can-learn-about-the-future-of-ai-mobile-design-love-and-pants-from-spike-jonzes-her
HER é um filme inovador, um roteiro fofo que faz a gente refletir sobre o quanto a gente se deixa envolver nesse universo virtual e o quanto ele faz parte da nossa vida real. Em tempos de Whatsapp ligação virou amor, o que irá significar um contato real no futuro? Medo!!!
Vale a pena assistir o filme e pensar nisso.. mas, por favor, com o celular desligado!!
Veja o trailer:

Classificação:
[semborda]4 Estrelinhas Glossificadas[/semborda]