TV / Séries

‘O Outro Lado do Paraíso’: Renato sequestra Tomaz e decide cortar um ‘pedaço do menino’

por Pedro Hosken
há 22 dias

Jesus Coroaaaado! A penúltima semana de “O Outro Lado do Paraíso” promete fortes emoções! Segundo o site “Notícias da TV”, após perder a batalha judicial pela fortuna de Clara (Bianca Bin), Renato (Rafael Cardoso) sequestrará o garoto Tomaz (Vitor Figueiredo), exigindo o pagamento de US$ 100 milhões pelo resgate. O rapto acontecerá no dia 4 de maio, a apenas 6 capítulos do desfecho da trama de Walcyr Carrasco.

Tomaz entrará no carro de Renato por livre e espontânea vontade, afinal foi criado pelo médico durante dez anos e até o chamava de pai. O menino só descobrirá as verdadeiras intenções do vilão quando este o levar até a casa de Juvenal (Anderson Di Rizzi), junto à comparsa Fabiana (Fernanda Rodrigues). “Pode levar todas as esmeraldas. Mas não atira. Me deixa aqui com o moleque“, pedirá o lapidador ao ver o médico armado. “Não tou interessado em esmeralda. Os dois pro quarto. Pra dentro, pra dentro. Para de chorar. Ou te quebro“, esbravejará Renato. Tomaz chorará bastante até ser amarrado e amordaçado, e acabará trancado com Juvenal no quarto. “Cês ficam aí, bem quietos. Qualquer tentativa de barulho, de chamar alguém, já sabem. É bala“, ameaçará o vilão, deixando Fabiana com a arma apontada pra eles.

A prima de Patrick aceitará ser comparsa de Renato no crime, pensando em desfrutar da fortuna, vivendo com o vilão na Europa.

Ao mesmo tempo, a trama mostrará o desespero de Clara; Lívia (Grazi Massafera); Gael (Sergio Guizé) e Patrick (Thiago Fragoso) atrás do menino. Durante a busca, uma vizinha dirá que viu Tomaz entrar no carro de Renato, o que será suficiente pra eles suspeitarem de um sequestro. Na casa da mocinha, os quatro já ficarão à espera da ligação, que será feita no celular de Clara. “Eu sei que está com meu filho. Devolva!“, berrará ela, ao atender. “Tou com teu filho, sim. Bem escondido. Tá amarrado e amordaçado. Vou devolver o moleque. Mas antes preciso dizer o que eu quero. Se quer o teu filho inteiro, tem que pagar US$ 100 milhões“, afirmará o mau-caráter.

Não vai me entregar em cédulas. Mas em barras de ouro. Lingotes de ouro com marca de autenticidade, como se vende em fontes confiáveis“, especificará Renato, dando um prazo de 24 horas. “Tem mais. Não mete a polícia no meio da história. É só entre nós. Sei que tem o dinheiro no banco. Se vira. Eu espero tua ligação nesse número que tou ligando. Não inventa história. Só atendo você, mais ninguém“, orientará o criminoso. Patrick então dirá que Clara não conseguirá sacar todo o dinheiro exigido, visto que boa parte da fortuna se encontra aplicada em investimentos. Gael, Lívia e o advogado mais que depressa se comprometerão em sacar de suas respectivas contas para chegar no montante. O criminalista ainda acionará Bruno (Caio Paduan) para uma investigação discreta.

Lívia e Clara se unirão na reta final para salvar a vida do garoto.

No final do capítulo do dia 5, o prazo dado por Renato estourará. Clara ainda não terá conseguido pagar o resgate e demorará para telefonar para o bandido. Será aí que o doutor revelará a intenção de mandar “um pedaço do menino” para apavorar a mocinha e agilizar o processo. Ele abrirá sua maleta de médico e deixará até mesmo a vigarista Fabiana, assustada. “Pra que esse bisturi? Que cê vai fazer?“, questionará a loira. “Vou mandar uma coisa pra Clara que vai fazer ela se decidir mais depressa. Vou cortar a orelha do moleque“, anunciará o vilão, na cena que encerrará a última semana da novela.

Como os jornalistas Daniel Castro e Flávio Ricco bem notaram, a ameaça lembra muito uma história real, a do sequestro do cantor Wellington Camargo, irmão da dupla Zezé Di Camargo e Luciano, ocorrido há 20 anos. Na época, o rapaz teve um pedaço de sua orelha cortado pelos sequestradores e enviado a uma emissora de TV de Goiânia. Exames de DNA confirmaram que a orelha era mesmo do músico, libertado três meses depois mediante o pagamento de 1 milhão de reais. Sete dos dez homens acusados pelo crime foram detidos quatro dias após a soltura de Wellington.