Sp

Araçatuba: Quadrilha faz noite do terror com tiros, explosivos, reféns em ‘escudo humano’ e três mortes; assista

Desesperador! No início da madrugada desta segunda-feira (30), moradores de Araçatuba, região noroeste do estado de São Paulo, viveram momentos de terror após criminosos altamente armados atacarem três agências bancárias do centro da cidade. Segundo a Polícia Civil, três pessoas morreram, sendo dois moradores e um criminoso, e mais quatro pessoas ficaram feridas. Dois suspeitos foram apreendidos.

A cidade, de cerca de 200 mil habitantes, conta com uma maior concentração de bancos no centro. Entre ataque às agências, tiroteio e fuga, a ação dos assaltantes durou duas horas. Após o roubo, o grupo de cerca de 20 bandidos saiu pelas ruas em dez carros efetuando disparos, abordando pedestres e motoristas e os fazendo de reféns. Eles ainda cercaram bases da Polícia Militar e viaturas.

Imagens que estão circulando pelas redes sociais mostram que algumas vítimas foram feitas de “escudo humano” para proteger os criminosos e seus veículos. De acordo com as autoridades, o grupo se utilizou de drones para monitorar a resposta dos policiais à ação. Eles também fecharam entradas da cidade com veículos em chamas para dificultar a chegada de equipes ao local, e ainda espalharam explosivos por Araçatuba.

Alguns dos criminosos fugiram em direção ao bairro Taveira, região rural, momento em que aconteceu um confronto com a polícia. Um assaltante morreu e outro ficou baleado, sendo levado para a Santa Casa.

Continua depois da Publicidade

Entre os civis feridos, todos homens, estão um de 28 anos que foi baleado no abdome e se encontra em estado estável; outro de 31 anos, baleado no rosto e nos braços que precisou ser intubado; outro rapaz de 31 anos, que foi atingido nas pernas, braços e de raspão na cabeça, tendo que passar por uma cirurgia. Outra vítima de 25 anos foi atingida por um dos explosivos e sofreu amputações nos dois pés.

Durante a fuga, a quadrilha abandonou veículos que foram usados no crime e roubou outros de moradores. Em um dos vídeos, é possível ver reféns pendurados em carros, no teto e no capo. Lojas da cidade também ficaram danificadas. A rua Luiz Pereira Barreto foi uma das interditadas. Nela, policiais encontraram mais de dez explosivos. A prefeitura decidiu suspender as aulas das escolas municipais, e recomendou que o mesmo fosse feito na rede estadual. O transporte público na área central da cidade também foi suspenso.

Continua depois da Publicidade

É uma sensação horrível, um horror. Moro a poucas quadras do Centro. Ouvi todos os tiros, acompanhando através de vídeos. Não saí de casa e peço à população que fique em casa. Quando iniciou tudo isso, sentimos o drama que seria nossa noite, entrei em contato com o governador João Doria, que através do secretário de Segurança disse que viria reforço de Rio Preto, Bauru e Prudente“, disse o prefeito Dilador Borges, ao jornal “Bom Dia São Paulo”, da TV Globo.

Oficiais do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foram chamados para desativar os explosivos, que podem ser acionados por calor ou movimento. Pela gravidade do caso, o Batalhão de Ações Especiais da Polícia (Baep) de São José do Rio Preto (SP) também foi envolvido na ocorrência. Ainda não foi confirmado o valor roubado das agências, mas os assaltantes teriam conseguido acessar um cofre subterrâneo de um dos bancos. Segundo o tenente da PM Capitão Luiz, porta-voz da SSP (Secretaria de Segurança Pública), entre 20 e 30 pessoas participaram dos ataques e todos os reféns já foram liberados.

Vítima dá detalhes

Um dos reféns contou que voltava de uma festa quando foi abordado pelos criminosos. “A gente achou que era uma blitz. Eles pararam o carro, eu tive que mostrar a minha barriga, me jogaram no chão… Sequestraram a gente. Apontaram a arma na minha cara várias vezes, eu tive que implorar pela minha vida. Consegui escapar, porque senão eles iam me matar“, descreveu o rapaz à GloboNews.

Sobre sua fuga, ele explicou: “Eu implorei pela minha vida, mostrei minha cintura e eles viram que eu não tinha nada. Consegui sair correndo e entrei em um hotel… Eles estavam muito armados“. Veja mais registros de moradores:

Continua depois da Publicidade