Fotojet (30)

Cozinheiro de hotel é preso após reclamar que precisaria cozinhar para Jair Bolsonaro; saiba detalhes

Ué?! De acordo com o jornalista Ricardo Noblat, do Metrópoles, nesta sexta-feira (9), um cozinheiro, identificado como Eduardo Lazzari, foi preso após reclamar que precisaria cozinhar para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Funcionário do hotel Spa do Vinho, em Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, ele teria que participar dos preparativos para um evento com o chefe de Estado, mas usou seu perfil nas redes sociais para manifestar o descontentamento com a situação.

“Vou ter que cozinhar para este diabo ainda, que raiva”, teria escrito Eduardo, segundo a publicação. A frase levou agentes federais a prenderem o cozinheiro na manhã de ontem, e consequentemente cancelarem o evento no local, alegando questões de segurança.

E5415qgxeaiwwrc
Eduardo usou seu perfil pessoal para reagir a uma notícia sobre o evento que Bolsonaro participaria. Foto: Reprodução/Facebook

Posteriormente, Eduardo foi liberado após prestar depoimento para as autoridades. Ele também publicou um pedido de desculpas na web, que já não está disponível pelo fato dele ter desativado suas redes sociais. Noblat relatou ainda que a dona do hotel, que mora em Santa Catarina, dirigiu-se ao local para acompanhar o caso de perto. Lazzari foi suspenso por três dias.

Continua depois da Publicidade

Jair Bolsonaro está no Rio Grande do Sul para participar, amanhã (10), de mais uma passeata de motociclistas que defendem sua reeleição, entre outros compromissos — a exemplo de uma visita na vinícola. Com esta primeira ocorrência, os agentes federais têm investigado autores de comentários nas redes sociais.

A repercussão do caso chegou ao conhecimento do deputado federal Bibo Nunes (PSL – RS), que declarou na Câmara que o presidente do país tinha sofrido “uma grave ameaça de morte”. Segundo Noblat, ele chegou a citar “um numeroso grupo de pessoas”.

A reação dos internautas, no entanto, foi de indignação com o caso. “Total abuso de poder. O cozinheiro simplesmente não queria cozinhar pra um genocida. Agora o Bolsonaro é tão covarde que foi dormir num alojamento militar”, sugeriu Verônica Cristina. “Teremos abusos constantes enquanto o miliciano continuar na presidência”, lamentou Rita Machado. “Vivemos ou não vivemos uma ditadura?”, indagou Clodomir Fronza. “C*ralho, ele [Eduardo] mesmo não disse nada demais”, destacou outro usuário do Twitter. “Cozinhar é um ato de amor, também jamais cozinharia para Satanás nem para seu enviado”, debochou outra mulher. “Isso é crime? Por que ser preso?”, questionou Denis Ferraz.