Fotojet (5)

Grávida de 24 anos morre após ser baleada durante operação policial; Avó faz relato emocionado: “Perdi minha neta num tiroteio bárbaro”

Até quando, meu Deus?! A modelo e designer de interiores Kathlen Romeu, de 24 anos, morreu nesta terça-feira (8), após ser atingida por um tiro durante uma operação policial na comunidade do Lins, Zona Norte do Rio. Grávida de apenas 14 semanas, momentos antes da fatalidade, ela havia feito uma publicação nas redes sociais celebrando a gestação. O caso revoltante mobilizou os internautas nas redes sociais.

Segundo relatos de moradores ao portal G1, Kathlen foi atingida por uma “bala perdida” durante um confronto dos policiais com bandidos. Além da morte da designer, a operação resultou na apreensão de um carregador de fuzil, munições de calibre 9mm e drogas. A Polícia Militar do Rio de Janeiro afirmou que Romeu foi encontrada ferida na rua e levada para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, mas não resistiu. Posteriormente, a instituição também confirmou a morte do bebê.

A Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) ficou responsável por investigar o caso e descobrir de onde partiu o tiro. Em nota, a Polícia Militar informou que os agentes foram atacados a tiros por criminosos na localidade conhecida como “Beco da 14”, dando início a um confronto. Hoje mais cedo, Kathlen Romeu fez uma publicação nos stories, gravando sua barriguinha de grávida. “Bom dia, neném”, escreveu no post, que viralizou na web após sua morte. Moradores da comunidade do Lins fizeram um protesto na região, pedindo pelo fim da violência policial.

Em entrevista para a TV Globo, a avó de Kathlen Romeu, que não teve o nome divulgado, deu mais detalhes de como tudo aconteceu. Segundo a senhora, elas estavam indo visitar a tia da designer de interiores. “A gente estava indo na firma da minha filha. Quando nós passamos a rua estava tranquila. Foi tudo muito de repente. A minha neta caiu, começou muito tiro. Quando eu puxei ela caiu, eu me machuquei ainda, me joguei para proteger ela, que está gravida. Eu só vi um furo no braço dela e gritei para eles me ajudarem a trazer. Perdi minha neta e meu bisneto”, desabafou, muito emocionada.

Continua depois da Publicidade

“A minha rua tá muito perigosa, eu não queria ter perdido minha neta e perdi desse jeito estúpido. Eu perdi minha neta num tiroteio bárbaro”, completou a avó. No relato, ela ainda explicou que Kathlen tinha se mudado da comunidade, justamente por causa do medo da violência. “A garota tem um mês que saiu dali por causa desses perigos, por causa de tudo daquele Lins. Aquela minha rua tá muito perigosa. Eu não queria ter perdido minha neta e perdi desse jeito estúpido. Uma garota que trabalha, que estuda, formada. Só isso que eu tenho a dizer, eu não tenho mais nada“, declarou.

Outros familiares e amigos de Kathlen Romeu estiveram na porta do hospital e conversaram com a emissora. “Nós, como mães, já não aguentamos mais ver crianças e jovens morrendo inocentes. Foram duas vidas, uma carregando a outra. Eu já não aguento mais. Aquilo ali virou terra de ninguém”, lamentou uma amiga da modelo, que também não teve seu nome divulgado.

Reações

Nas redes sociais, os internautas repudiaram mais uma morte trágica e precoce de uma pessoa negra dentro das comunidades. “Kathlen não é exceção. Desde 2017, 15 grávidas foram baleadas no Grande Rio – 8 delas morreram”, destacou a jornalista Cecília Olliveira. “Marielle perguntou, eu também vou perguntar: quantos mais vão ter que morrer pra essa guerra acabar?”, indagou Lana de Holanda. “A cada 23 minutos um jovem negro é assassinado no Brasil”, lembrou o ex-BBB Rodrigo França. “A morte da Kathlen é mais um lembrete dos percalços dos caminhos das mulheres negras desse país. Ser mãe. Ser filha. Ser companheira. Existir. Nada é simples para nós… Que tristeza”, lamentou Lare.

Continua depois da Publicidade