Gabriel Embu Homofobia

Jovem de 22 anos é morto a tiros em barbearia em Embu das Artes; família e namorado suspeitam de homofobia: “Foi muita maldade”

Muita tristeza! Na terça-feira (22), Gabriel Carvalho Garcia, um jovem de 22 anos, foi morto a tiros em Embu das Artes, município da Grande São Paulo. Ele estava em uma barbearia quando o homicídio ocorreu. De acordo com o G1, a família e o namorado da vítima suspeitam que o assassinato tenha sido motivado por homofobia.

O boletim da ocorrência, feito na Delegacia de Embu das Artes, registrou o caso como homicídio. Em seu relato, o dono da barbearia disse que Gabriel chegou ao estabelecimento para cortar o cabelo e, pouco depois, o suspeito também surgiu no local. O homem encapuzado se aproximou da vítima, que estava de costas, e atirou pelo menos três vezes contra a cabeça do jovem. Ele fugiu sem levar nada de Gabriel, nem do salão.

Gabriel Homofobia3
Na barbearia, o assassino teria dado três tiros na cabeça de Gabriel e deixado o local. (Foto: Reprodução/Instagram)

A Polícia Civil está investigando o caso e busca identificar o assassino, para que seja preso. Entretanto, ainda não se sabe se há alguma câmera de segurança na barbearia ou nas redondezas que possa ter registrado o criminoso. Segundo o namorado de Gabriel, Bruno Henrique Martins Carlos, o jovem não tinha desavenças: “Ele não tinha nenhum inimigo e não era de brigar com ninguém”.

Continua depois da Publicidade

Levando em conta os fatores e a crueldade do crime, Elglanty Carvalho Garcia, mãe de Gabriel, imagina que o único motivo seria o ódio e o preconceito do assassino contra a vítima. “Gabriel era um menino muito iluminado e amado pela família. Meu coração está cortado. Acredito que possa ter sido homofobia. Foi muita maldade”, disse a vendedora ao G1. Essa também é a opinião de Victor, irmão mais velho do jovem: “Eu também acredito que seja homofobia. E, em segundo caso, pode ter sido uma emboscada ou até quem o matou pode tê-lo confundido com outra pessoa e atirado nele”.

Namorado de Gabriel publica homenagem nas redes sociais

Pelo Instagram, Bruno lamentou a morte de seu amado e mencionou que os dois estavam namorando há quase três anos. Eles moravam juntos, mas tiveram de retornar para os lares de suas famílias devido a dificuldades na pandemia. De acordo com o vendedor, tanto Gabriel quanto ele teriam arrumado novos empregos recentemente, e planejavam voltar a dividir o mesmo teto.

Continua depois da Publicidade

“Recentemente, há duas semanas, Gabriel conseguiu emprego. Fiquei tão feliz por ele, que os olhos dele enchiam de lágrimas, contando seus sonhos. E um deles era da gente voltar a ter nosso lar, pra ficarmos juntinhos todos os dias. E há quatro dias fui contratado, foi a melhor notícia que tivemos e já começamos a fazer nossos planos de quando iríamos pra nossa casinha”, contou.

Gabriel Homofobia4
Bruno e Gabriel estavam juntos há 3 anos… para o jovem, o crime foi motivado por homofobia. (Foto: Reprodução/Instagram)

Entretanto, Bruno foi surpreendido pela trágica morte do menino: “Nessa terça-feira, ele foi assassinado a sangue frio, com três tiros na cabeça, dentro de uma barbearia em Embu das Artes”. O namorado de Gabriel também reforçou que a homofobia seria o motivo do assassinato. “Mataram ele pelo que ele é, por ele ser feliz, por ele amar. Uma pessoa de coração puro, que não tinha maldade com ninguém, sempre estendia a mão para ajudar o próximo, e hoje tive que ser obrigado a me despedir do amor da minha vida, com muita dor no peito e tristeza”, continuou.

Continua depois da Publicidade

“Me dói mais ver que seus sonhos foram interrompidos, uma pessoa cheia de vontade viver. Eu te amarei pra sempre e sempre estará no meu coração, lembrando de cada pedacinho da nossa história”, declarou ele. Por fim, Bruno fez um forte apelo: “Parem de nos matar, eu só peço justiça”.

Confira o texto na íntegra abaixo:

Como é doloroso ter que dar notícias como essas em pleno mês do Orgulho LGBTQIA+… Quando se fala na luta contra o preconceito, é sobre isso que estamos falando: vidas que são ceifadas e oprimidas todos os dias apenas por existirem. Quando vão parar de nos matar? Deixamos nossos sentimentos aos familiares e amigos de Gabriel, e a torcida para que haja justiça nesse caso lamentável…