Fotojet (16)

Namorada de jovem que teve barriga cortada na praia é denunciada pelo MP como agressora; saiba detalhes

No início desta semana, a vítima ainda foi internada pela segunda vez

O caso do jovem encontrado com um corte profundo na barriga e parte do intestino exposto na Praia do Ermitão, em Guarapari (ES), teve um importante desdobramento nesta quarta-feira (6). A namorada do rapaz, identificada como Lívia Lima Simões Paiva Pedra, de 20 anos, foi denunciada pelo Ministério Público como autora da agressão, ocorrida em 16 de janeiro deste ano. As informações são do portal G1.

No processo, que inclui o indiciamento feito pela Polícia Civil, a acusação diz que ela agiu “por motivação desconhecida e impulsionada pelo uso de drogas”. Lívia foi denunciada por lesão corporal grave, no entanto, as autoridades não pediram sua prisão e orientaram que ela responda à ação em liberdade. Caso seja considerada culpada, a pena é de dois a oito anos de prisão.

“A denunciada, utilizando objeto cortante, golpeou a barriga do réu e o rosto dele, causando-lhe as lesões gravíssimas estampadas nas fotos e vídeos juntadas aos autos, bem como no prontuário médico, que determinaram a debilidade permanente do intestino delgado da vítima, deformidade permanente e fratura da cavidade nasal e seio maxilar”, descreve um trecho do processo. A Polícia Civil adiantou também que o inquérito foi concluído e uma coletiva de imprensa será realizada na sexta-feira para mais informações.

Continua depois da Publicidade

O novo capítulo da história é inesperado, uma vez que ainda em janeiro, o advogado contratado pelas famílias dos dois envolvidos no caso alegou que eles foram vítimas de uma “ação criminosa e violenta praticada por terceiros”, depois de terem participado de um luau. “As famílias dos jovens, em comum acordo, preferiram manter, até o momento, os fatos sob sigilo, com o único objetivo de preservar a identidade das vítimas e garantir à elas um ambiente adequado para a necessária recomposição emocional e física”, escreveu na época.

Fotojet (17)
Câmeras de segurança registraram chegada do casal na praia e resgate do rapaz. Foto: Reprodução

No início desta semana, o rapaz precisou ser internado novamente após apresentar um quadro de inflamação com febre. A vítima voltou para casa no dia 17 de março, e continua se recuperando dos graves ferimentos que sofreu.

Relembre o caso

O jovem de 21 anos foi encontrado com um corte profundo na barriga e parte do intestino exposto, na Praia do Ermitão, em Guarapari (ES). O caso ocorreu na madrugada do dia 16 de janeiro, mas somente veio a público no dia 30, após vazamento de informações nas redes sociais. Segundo a Polícia Civil, o jovem teria ido até o local com a namorada para celebrar uma viagem de estudos que faria para fora do país.

De acordo com as imagens de câmeras de segurança, obtidas pelo G1, a dupla chegou à praia, por volta das 20h do dia 15 de janeiro. Em outro vídeo, é possível ver o estudante sendo resgatado já ferido, às 6h do dia seguinte. O estudante foi socorrido pelo Samu e levado, em estado grave, ao Hospital Estadual de Urgência e Emergência, em Vitória, onde passou por cirurgia.

Jhkhkjj
Jovem segue internado. (Foto: Reprodução/TV Gazeta)

Em depoimento prestado à polícia, a namorada da vítima revelou que ambos “apagaram” após uso de droga e álcool. Ela declarou não lembrar do que ocorreu depois disso. Familiares dos jovens alegam que a dupla foi atacada, ferida e roubada por terceiros durante o “luau a dois”. A Polícia Civil ainda tenta entender o que aconteceu e de quem partiu o ataque que fez com que o estudante ficasse com parte do intestino para fora.

Em fevereiro, o prontuário médico, obtido pelo G1 e pela TV Gazeta, apontou vestígios de dosagem alta de fentanil no sangue da vítima. A substância – um anestésico e analgésico opioide de uso controlado – é 50 vezes mais potente que a heroína e 100 vezes mais forte que a morfina. [O fentanil] Pode gerar uma sedação, passa mesmo uma euforia seguida de relaxamento muscular intenso. Numa única dose, ela pode matar”, alertou a psiquiatra Carolina Coser, à reportagem.