Professor descobre que aluna está nua e insiste pra que ela abra a câmera: “Vale meio ponto”; Faculdade se manifesta sobre o caso

Um professor da Faculdade de Direito de Franca foi acusado de assédio após um episódio durante uma aula online na última segunda-feira (28). Na ocasião, ele insistiu que uma aluna que abrisse a câmera ao saber que ela estaria nua. O vídeo com o momento causou polêmica ao circular nas redes sociais, até que, nesta quarta (30), a instituição se manifestou.

O caso aconteceu durante uma aula de Direito Penal. Inicialmente, o professor pediu que a aluna abrisse sua câmera, mas ela negou. “Deve estar horrível”, ironizou ele. Na sequência, ela justificou: “Não é isso, não. É que eu ia tomar banho e estou sem roupa, não posso abrir”. Ciente da suposta nudez, ele insistiu: “Abre a câmera aí”. Mas a estudante seguiu rejeitando. “Não, não vou abrir”, devolveu ela.

O professor insistiu que ela ligasse a câmera – apesar de ela ter tido que estaria nua. (Foto: Reprodução)

Em meio aos risos, o professor seguiu interessado com o pedido: “Tá de sacanagem comigo? Sério que você me falou isso no meio da aula?”. A aluna voltou a se explicar. “Se vai ficar insistindo é melhor eu já falar a verdade, né?”, disse. Foi então que o profissional ofereceu um aumento na nota caso a moça se exibisse. “Meio ponto… para você abrir a câmera”, sugeriu.

Continua depois da Publicidade

Assim que a aluna negou a “oferta” inapropriada, o professor rebateu: “Você abriu o áudio e veio me chatear?”. Mas a estudante, novamente, afirmou que não queria – nem precisava – daquele meio ponto. “Eu estudo… Abrir a câmera não vale meio ponto”, concluiu ela no trecho da aula, que está disponível nas redes sociais.

A aluna negou, repetidas vezes, o pedido do professor e a oferta de acréscimo na nota. (Foto: Reprodução/YouTube)

De acordo com a Marie Claire, uma suposta mensagem do professor também começou a circular na web após a divulgação do vídeo. “Comunico que, até segunda ordem minha, se houver, em razão de uma brincadeira ocorrida ontem, inter partes, e que tem gerado incômodo, por meio de comentários maldosos, a uma colega, todos os alunos, diurno e noturno, estão sem os dois pontos de trabalho”, teria dito ele. Olha só:

O professor teria mandado uma mensagem aos alunos após a divulgação do vídeo nas redes. (Foto: Reprodução)

Continua depois da Publicidade

Direção da faculdade se manifesta

Com a repercussão do caso, a Faculdade de Direito de Franca afirmou hoje que tomará providências legais e cabíveis sobre o caso, assim que apurar o episódio. “A direção da Faculdade de Direito de França informa que, diante dos fatos ocorridos no dia 28/09/2920, divulgados pela mídia e redes sociais, foi instaurado Procedimento Administrativo próprio para apuração e providências legais nos termos do Regimento Interno da FDF”, disse um comunicado.

Confira:

Nota de repúdio do DA

O Diretório Acadêmico da instituição também emitiu uma nota de repúdio sobre o caso, condenando as atitudes relatadas. “Todo e qualquer tipo de abuso, agravado pela manipulação através das relações de poder instituídas na academia, são absolutamente inaceitáveis. Tais práticas, apesar do tom de brincadeira, ferem não apenas a ética das relações educacionais, mas o próprio processo de construção científica e a responsabilidade das instituições na formação de recursos humanos”, escreveu o texto.

O órgão de representação dos alunos também informou que solicitou a abertura de uma sindicância para investigar a situação e a postura do professor envolvido: “Relembramos que muitas vezes o assédio é estimulado, e repetidamente praticado, ancorando-se na perspectiva de impunidade e permissibilidade corporativista”.

Continua depois da Publicidade

Veja a íntegra abaixo:

“Chegou ao conhecimento do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito de Franca um ocorrido na aula de Direito Penal do 4º ano do dia 28 de setembro de 2020.

Inicialmente é importante destacar que os alunos não devem compartilhar e divulgar tal situação em grupos ou entre particulares pois trata-se de uma exposição que não deve ocorrer para uma das partes.

Na ocasião, o professor conversava com uma aluna por áudio, situação em que pediu para que abrisse a câmera. A questão é que ao informar que não poderia abrir a câmera, pois iria entrar no banho e não estava devidamente vestida, o professor insistiu, inclusive mencionando pontuação correspondente.

O Diretório Acadêmico “28 de março” vem repudiar atos de assédio moral e sexual denunciados pelos alunos da Faculdade de Direito de Franca – FDF. Reiteramos, como uma pauta já expressa, que todo e qualquer tipo de abuso, agravado pela manipulação através das relações de poder instituídas na academia, são absolutamente inaceitáveis. Tais práticas, apesar do tom de brincadeira, ferem não apenas a ética das relações educacionais, mas o próprio processo de construção científica e a responsabilidade das instituições na formação de recursos humanos.

Continua depois da Publicidade

Relembramos que muitas vezes o assédio é estimulado, e repetidamente praticado, ancorando-se na perspectiva de impunidade e permissibilidade corporativista.

Entendemos que na Faculdade deve prevalecer a justiça, pois é o espaço de construção e autorreflexão da sociedade, portanto esse tipo de situação é inaceitável, ainda que se baseie em amizade entre professor e aluno.

Portanto, o Diretório Acadêmico solidariza-se com os estudantes, reafirma o compromisso de combater o assédio na academia e estar ao lado dos alunos, fazendo valer essa representação, na busca de melhores condições de ensino e pesquisa.

O Diretório Acadêmico protocolou hoje um ofício requerendo a abertura de sindicância para avaliar a conduta do professor, sendo requerido a imposição das penalidades previstas no artigo 187 e incisos do Regimento Interno da FDF.”

View this post on Instagram

Chegou ao conhecimento do Diretório Acadêmico da Faculdade de Direito de Franca um ocorrido na aula de Direito Penal do 4º ano do dia 28 de setembro de 2020. Inicialmente é importante destacar que os alunos não devem compartilhar e divulgar tal situação em grupos ou entre particulares pois trata-se de uma exposição que não deve ocorrer para uma das partes. Na ocasião, o professor Dr. William Tristão conversava com uma aluna por áudio, situação em que pediu para que abrisse a câmera .A questão é que ao informar que não poderia abrir a câmera, pois iria entrar no banho e não estava devidamente vestida, o professor insistiu, inclusive mencionando pontuação correspondente. O Diretório Acadêmico “28 de março” vem repudiar atos de assédio moral e sexual denunciados pelos alunos da Faculdade de Direito de Franca – FDF. Reiteramos, como uma pauta já expressa, que todo e qualquer tipo de abuso, agravado pela manipulação através das relações de poder instituídas na academia, são absolutamente inaceitáveis. Tais práticas, apesar do tom de brincadeira, ferem não apenas a ética das relações educacionais, mas o próprio processo de construção científica e a responsabilidade das instituições na formação de recursos humanos. Relembramos que muitas vezes o assédio é estimulado, e repetidamente praticado, ancorando-se na perspectiva de impunidade e permissibilidade corporativista. Entendemos que na Faculdade deve prevalecer a justiça, pois é o espaço de construção e autorreflexão da sociedade, portanto esse tipo de situação é inaceitável, ainda que se baseie em amizade entre professor e aluno. Portanto, o Diretório Acadêmico solidariza-se com os estudantes, reafirma o compromisso de combater o assédio na academia e estar ao lado dos alunos, fazendo valer essa representação, na busca de melhores condições de ensino e pesquisa. O Diretório Acadêmico protocolou hoje um ofício requerendo a abertura de sindicância para avaliar a conduta do professor, sendo requerido a imposição das penalidades previstas no artigo 187 e incisos do Regimento Interno da FDF.

A post shared by DiretórioAcadêmico28deMarço (@da28demarcofdf) on