Polícia investigará caso de youtuber que entregou filho adotivo autista para outra família; saiba os detalhes!

Uma semana após a youtuber Myka Stauffer e seu marido, James Stauffer, revelarem que enviaram o filho adotado, autista, de quatro anos, para uma nova família, o caso ganhou um novo capítulo. O gabinete do xerife do Condado de Delaware confirmou ao E! News que iniciou uma investigação para saber como a criança está emocionalmente e fisicamente.

As autoridades revelaram que diversos cidadãos entraram em contato para saber sobre o paradeiro do pequeno Huxley. Porém, eles explicaram que o menino não está desaparecido, a questão é outra. “Nossa principal preocupação é com o bem-estar dessa criança, assim como das outras crianças da casa”, disse Tracy Whited, representante do gabinete. “Nossa investigação está em andamento e incluirá contato com todas os filhos para garantir sua segurança”, completou.

Continua depois da Publicidade

Tracy explicou que está sendo acompanhado o novo processo de adoção de perto. “Todos os casos de adoção são confidenciais e devem passar por um processo completo, com requisitos e salvaguardas específicas. Nas adoções particulares, existem os mesmos requisitos legais que devem ser observados. Isso inclui estudos em casa, bem como verificações de antecedentes dos pais adotivos. Nesse caso, estamos confiantes de que o processo apropriado está ocorrendo”, observou.

Segundo Myka Stauffer alegou, era da vontade do pequeno Huxley, de apenas quatro anos, ser entregue a outra família.

Por ser um caso delicado e que envolve uma criança, todos os outros detalhes são confidenciais. As autoridades se limitaram a dizer que “ambas as partes estão sendo representadas por advogados para garantir a total conformidade com o processo judicial”. O BuzzFeed News relatou que “outras agências” foram incluídas na investigação. Um dos intuitos é entender “quem facilitou a transferência de Huxley para a nova família e se agências estaduais ou de adoção foram consultadas no processo”.

Continua depois da Publicidade

Vice-presidente da Associação de Pais e Crianças, Susan Soonkeum Cox, que auxiliou o casal na adoção de Huxley, disse que não poderia falar sobre a investigação, mas comentou brevemente sobre o ocorrido. “Colocar nas redes sociais e descrever a situação como ‘nós achamos uma outra família’. O que isso significa? Isso passou por uma agência? A família para a qual ele foi mandado foi analisada por alguém antes? Isso é muito incomum”, opinou.

Em entrevista para a revista People, o advogado da família falou sobre o processo da nova adoção. “Para esclarecer que isso não incluiu nenhuma consideração de colocá-lo no sistema de adoção, mas ao invés disso, escolher a dedo uma família que estivesse equipada para lidar com as necessidades do Huxley”, alegou.

Entenda o caso

A youtuber norte-americana Myka Stauffer causou revolta nas redes sociais após revelar que ela e o marido, James, enviaram o filho adotado, autista, de quatro anos, para uma nova família. Através de um vídeo em seu canal, com mais de 716 mil inscritos, o casal se mostrou devastado com a decisão e explicou, sem dar muitos detalhes, o motivo pelo qual eles escolheram se separar do pequeno Huxley após mais de dois anos juntos.

Myka e o marido, James, anunciaram esta semana que entregariam o garotinho para outra família, três anos após adoção. (Foto: Reprodução/YouTube)

“Vocês fizeram parte deste processo até antes da adoção e, com adoções internacionais, às vezes há informações desconhecidas e coisas que não ficam claras nas documentações”, afirmou James. “Quando o Huxley chegou em casa havia demandas especiais que não tínhamos consciência e das quais não fomos informados”, explicou ele.

Continua depois da Publicidade

O casal, que tem outros quatro filhos biológicos, seguiu explicando que eles tentaram dar toda a atenção devida ao menino, chinês, mas que não teria sido suficiente. “Nos últimos anos, o Huxley esteve um vários terapeutas que tentaram ajudá-lo e, no último ano, ele passou pela terapia mais intensa para tentar ajudá-lo o máximo possível”, relatou o pai. “Para nós foi muito difícil ouvir profissionais médicos. Muitos dos feedbacks foram tristes, realmente tristes, para nós. Nós nunca gostaríamos de ouvir coisas assim. Nós não gostaríamos de estar nesta posição e tentamos oferecer todo o suporte possível. Nós o amamos muito”, completou ele.

“Não há nenhum pedaço do Huxley que não amamos. Não houve um minuto com ele que não tentamos o nosso melhor e, após múltiplos esforços e avaliações, vários profissionais médicos sentiram que ele precisava de um lugar diferente pra suprir suas necessidades médicas e ele precisava de mais”, descreveu Myka.

Myka Stauffer com suas duas filhas biológicas. Repercussão do caso gerou cancelamento de diversos contratos com marcas. Foto: Reprodução/Instagram

Ela seguiu, afirmando que estava extremamente triste com a situação. “Se eu me sinto um fracasso como mãe? Sim, tipo, 500%. Então os comentários hostis só estão piorando a situação. Não diz respeito à mim, é a jornada dele e os últimos meses foram os mais difíceis, piores do que imaginei”, desabafou. “Eu não consigo dizer coisas suficientes para expressar o quanto a Myka tentou, durante toda essa jornada, e a quantidade de esforço que ela colocou nisso”, completou o marido, em outro momento.

Continua depois da Publicidade

James declarou que, durante todo o processo, eles tentaram proteger a privacidade do garotinho e, por isso, não publicaram nada sobre o assunto antes e também não poderiam dar mais detalhes. “Nós estamos tentando nosso melhor para não impactar isso de jeito nenhum com esse vídeo, especialmente com coisas legais”, explicou. “Não é justo expor tudo que aconteceu em casa que foi difícil para o Hux. Então não vamos falar sobre isso, não é apropriado. Nós não adotamos um menininho para compartilhar essas coisas”, acrescentou.

A youtuber contou que outro motivo que os fez demorar para se abrir foi que eles estavam esperando Huxley achar a família certa e se adaptar a ela. “Dos updates que recebemos da agência de adoção, eles conseguiram colocá-lo num lugar que eles sentiram que era literalmente o lugar perfeito. Eles acharam alguém que seria a combinação ideal e ele está feliz e indo muito bem. A nova mãe dele tem treinamento médico profissional”, detalhou. Assista ao vídeo:

Mais justificativas

Com a repercussão no mundo inteiro, Myka Stauffer voltou a se pronunciar. Em um comentário numa rede social, ela defendeu seu posicionamento, explicando a decisão. “Nós jamais desistiríamos de uma criança com necessidades especiais, esse é um assunto pessoal para o Hux, não teve nada a ver com ele ter autismo”, ela escreveu. “Múltiplas coisas assustadoras aconteceram dentro da nossa casa em relação às nossas outras crianças”, continuou.

Continua depois da Publicidade

“Se esses eventos tivessem acontecido com um dos meus filhos biológicos, depois de toda a ajuda e de todos os comportamentos que presenciamos, infelizmente nós não teríamos outra escolha que não fosse procurar por ajuda e satisfazer suas necessidades”, argumentou.

Myka e James Stauffer com a família reunida, incluindo o pequeno Huxley. Foto: Reprodução/Instagram

Durante sua defesa, Myka alegou que “Huxley queria isso”. “Cem por cento disso nós vimos no tempo em família em que estávamos com outras pessoas, ele constantemente escolhia elas e demonstrava um monte de emoções pra nos mostrar e nos deixar cientes que ele queria aquilo”, disse. A youtuber viu isso como uma opinião do garotinho chinês sobre sua adoção. “O Huxley nunca teve uma palavra na sua adoção, ele precisava de mais ajuda e ele queria isso, nós cem por cento sabíamos disso”, finalizou.

Continua depois da Publicidade

Em comunicado à revista People, a defesa de Myka e James afirmou que a decisão de entregar Huxley para uma nova família não foi da noite pro dia. Eles teriam tomado “essa determinação difícil para seguir o conselho dos profissionais médicos”. Para eles, a decisão, apesar de delicada, teria sido a mais sensata: “Eles foram forçados a tomar a decisão difícil, mas ela é, de fato, a coisa certa e mais amorosa a se fazer para essa criança”.