Famosos

Diretor de “Titanic”, James Cameron detona argumentos sobre morte de Jack: “Imbecis”

Jonas Lirio - Publicado em 09/02/2019 às 14:05
Compartilhe: Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Pinterest Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no E-mail

Mesmo mais de 20 anos após ter sido lançado, o clássico “Titanic” continua na boca do povo com uma eterna discussão: havia ou não espaço para Jack ao lado de Rose na porta que flutuava depois do naufrágio do navio? A resposta, que poderia ter mudado o destino dos amantes, não interessa ao diretor do filme, James Cameron, que chamou os argumentos sobre a questão de “imbecis” em uma recente entrevista.

“É só idiota. Não tem discussão”, disse Cameron, que recebeu o Oscar de “Melhor Diretor” pelo filme em 1998, à BBC Radio 1. Voltando ao assunto mais uma vez, ele ainda foi paciente e explicou que ter ou não espaço na porta foge à questão da história. “Mas se você quer mesmo desenterrar todos os argumentos imbecis ligados a isso, vamos lá…”, começou o diretor.

A icônica cena que deixou todo mundo chorando ao final de “Titanic”! (Foto: Reprodução/FOX)

Como exemplo, ele citou outro filme em que o muso Leo DiCaprio morre, “Romeu + Julieta”. “Será que o Romeu poderia ter sido esperto e não tomado o veneno? Sim. Ele poderia ter decidido não levar sua adaga, só em caso de Julieta se cortar com ela? Sim, com certeza. Mas isso meio que foge do ponto,” disse Cameron. Em uma entrevista em 2017 à Vanity Fair, o diretor já havia comentado algo nesse estilo.

“Acho que é meio bobo, na verdade, termos essa discussão 20 anos depois. Mas mostra que o filme conseguiu tornar o Jack tão querido pelo público que machucou vê-lo morrer. Se ele tivesse sobrevivido, o final do filme não teria sentido…”, disse. “O filme é sobre morte e separação, [Jack] tinha que morrer”. E ah como doeu ver os dois pombinhos se encarando enquanto ele morria naquela icônica cena, né?

*Leia também:

– Improviso! James Cameron revela que Leonardo DiCaprio não estava interessado em dizer uma fala icônica de Titanic