Chefão do UFC diz que cometeu erro ao deixar Anderson Silva entrar em octógono: “Nunca mais vai lutar aqui”

Após ter sido nocauteado por Uriah Hall neste sábado (31), Anderson Silva voltou a colocar em dúvida sua aposentadoria do MMA, durante entrevista à ESPN norte-americana. O atleta, em nenhum momento, disse que a decisão teria partido dele, e deu a entender que o futuro ainda era incerto.

Entretanto, na opinião de Dana White, presidente do UFC, o fim da carreira de Anderson no esporte não é apenas uma decisão certeira, como também necessária. Em coletiva de imprensa realizada após o final do evento, o cartola admitiu ter se arrependido de permitir que “Spider” participasse da disputa, e avisou que o brasileiro não voltaria a aparecer no octógono.

Continua depois da Publicidade

“Quando assinamos o contrato, acordamos que essa seria a última luta dele (no UFC). Sempre fui bom para o Anderson Silva, mas hoje, não me sinto bem comigo mesmo, por ter deixado ele lutar. Não deveria ter feito isso. Não gostei de vê-lo lutando hoje, fico triste ao ver o resultado. Ele enfrentou um cara que ataca pouco. Se ele lutasse com algum desses jovens selvagens, ele teria problemas, apanharia muito, de verdade”, analisou.

“Uriah Hall é um dos caras menos agressivos do UFC. Depois da luta, o Anderson mal conseguia ficar de pé para dar entrevistas. Ele teve que fazê-las sentado. Eu cometi um grande erro ao deixá-lo lutar hoje, mas o cara é uma lenda do esporte e dessa empresa, e em respeito a ele, fiz algo que não concordava. Eu sabia que estava certo, e isso foi provado hoje. Ele não deveria lutar nunca mais”, enfatizou.

Segundo Dana, Silva não teria motivos para arriscar sua saúde em uma competição que exige tanto do físico do atleta, que está prestes a completar 46 anos. “Não quero impedi-lo de fazer nada. Ele é adulto e pode fazer o que quiser, ele ainda tem uma luta conosco, mas eu nunca mais o deixarei lutar aqui (no UFC). Quero que ele se aposente e espero que a família dele o diga a mesma coisa quando ele chegar em casa”, declarou.

“Estou em uma situação difícil agora, porque ele é um cara com quem eu importo, que está na companhia há muito tempo e eu não quero sentar aqui e detoná-lo. Mas ele tem quase 46 anos de idade. A menos que você esteja tentando salvar a sua própria vida ou defender a sua família, ninguém nessa idade deveria lutar”, destacou o presidente, que por fim, elogiou a trajetória do ex-campeão peso-médio no UFC.