Atleta Cama Olimpiada

Ginasta viraliza ao gravar “teste” e provar que camas da Vila Olímpica não são “anti-sexo”; assista e entenda!

Fiquem tranquilos, atletas, o vuco-vuco não está barrado! Recentemente, circularam na web boatos de que as camas da Vila Olímpica de Tóquio seriam “anti-sexo”. Ou seja, que supostamente seriam feitas para que competidores do mundo todo não pudessem transar durante as Olimpíadas de Tóquio. Fato ou fake? O ginasta Rhys Mcclenaghan nos trouxe a resposta!

O bafafá todo surgiu pelo fato de que as camas são integralmente produzidas em papelão reciclado. Então, no final de semana, o atleta irlandês resolveu tirar a prova da resistência da estrutura em que eles dormem. Ele gravou um vídeo e rapidamente viralizou no Twitter, mostrando que, na verdade, os leitos seguram bem o tranco, viu?

“No episódio de hoje das fake news nos Jogos Olímpicos, as camas que são feitas para ser ‘anti-sexo’. Elas são feitas de papelão, sim, mas aparentemente, deveriam quebrar em qualquer movimento brusco”, diz Rhys ao explicar as especulações. Então, o ginasta começa a pular loucamente em cima de sua cama e prova que: sim! Elas são resistentes… Ou seja, não são páreas para aquela nhanhada olímpica! “É fake! Fake news!”, celebra o atleta da ginástica artística.

Viu, gente? Não quebra nem a pau… em todos os sentidos! Rs. Aliás, a empolgação do atleta em provar que as camas não eram anti-sexo chamou atenção na web. “Parece que você tá bem animado pra fazer algumas ações olímpicas fora do ginásio. Boa sorte na competição. Não deixe todo esse desafio de transar com a cama de papelão te distrair muito!”, divertiu-se o internauta Gerard.

Continua depois da Publicidade

Pra quem acha que os atletas não curtem umas intimidades durante os Jogos Olímpicos… estão bem enganados! “Em 2016, a Vila Olímpica do Rio distribuiu cerca de 450 mil camisinhas, aproximadamente 42 por atleta. A quantidade de sexo acontecendo nas Olimpíadas aparentemente não é brincadeira”, apontou Dylann Albanach.

De qualquer forma, na falta de uma cama, muita gente já sugeriu lugares perfeitos nos quartos para chegar no “vamos ver”! “Eles não precisam de cama, a banheira é perfeita”, opinou uma conta do Twitter. Se não for na cama, nem na banheira… “Eles também não precisam da banheira, as cadeiras são perfeitas”, comentou um internauta. Lugar é o que não falta pra sarrada!

Continua depois da Publicidade

E claro, muita gente zoou essa história de que simples camas poderiam deter os atletas de praticarem aquele outro tipo de esporte, que pega fogo. “‘Camas à prova de sexo’. Eles são atletas olímpicos… ELES PODERIAM F*DER ATÉ NO TETO”, ironizou um usuário da rede social.

Com toda essa história, teve até quem ganhou medalha de ouro na saliência, já imaginando conseguir uma brincadeirinha com a trave, os saltos e a barra de Rhys… Se é que me entendem. “Não estou convencido [de que as camas não são anti-sexo]. Nós deveríamos testar isso juntos, você sabe…”, disparou um internauta. Vai que cola, né?

Continua depois da Publicidade

Camas têm explicação sustentável

Brincadeiras à parte, as camas de papelão têm um motivo muito especial, nada a ver com relações sexuais. Elas foram anunciadas já em 2019 e buscam promover a sustentabilidade, com a promessa de que serão recicladas ao final dos Jogos Olímpicos deste ano. “Estamos promovendo o uso de materiais reciclados para itens adquiridos e materiais de construção para as Olimpíadas de 2020”, disse um relatório da organização do evento.

O jornalista Joshua Hunt também falou sobre o assunto. “Essas camas foram desenvolvidas muito antes da Covid, e o objetivo não era impedir atletas de transarem, mas promover consciência ecológica, já que elas são 100% recicláveis. Eu nunca vou entender como a mídia ocidental é tão obcecada em projetar narrativas sexuais esquisitas no Japão”, afirmou ele. “Elas foram lançadas anos atrás, quando eu ainda vivia em Tóquio, e conseguiram uma extensiva cobertura da mídia japonesa. O ângulo ‘anti-sexo’ foi inventado e baseado totalmente nas suposições bizarras feitas por ocidentais em posts nas redes sociais”, completou.

Saldo final: recicláveis, sustentáveis e resistentes pra bater recordes debaixo do edredom!