Anitta se manifesta após Ludmilla ser alvo de ataques racistas, e texto de Tia Má sobre o caso viralizar: “Isso é abominável e inadmissível”

Poucas horas após ter divulgado um dossiê sobre seu desentendimento com Anitta, com vídeo de conversas antigas, áudios e prints, Ludmilla foi vítima de um novo ataque racista na web. O comentário veio em resposta a uma publicação feita pela voz de “Verdinha”, questionando se deveria realmente expôr a ex-colega de trabalho ao público.

“Então eu vou ser obrigada a contar tudo o que aconteceu mesmo?”, disparou para seus seguidores. A publicação ganhou milhares de curtidas e respostas. Dentre elas, a de cunho criminoso. “Tem uma neguinha que precisa ir pro tronco [levar] uma bela chicotada”, escreveu um usuário, acrescentando em seu texto emojis de bananas e biscoitos.

Não demorou muito para que Lud repudiasse a fala do perfil, que logo em seguida foi excluído da plataforma. “Vou enfiar o chicote no teu c*, racista”, disparou a cantora. Mesmo que deletada, alguns seguidores conseguiram capturar registros da mensagem. Confira:

O caso teve grande repercussão nas redes, e muitas personalidades declararam apoio à cantora. A jornalista e humorista Maíra Azevedo, mais conhecida como Tia Ma, postou em suas redes um texto condenando as falas criminosas dos haters de Ludmilla. Preta Gil, que também teve seu nome envolvido em uma confusão com Anitta no mês passado, compartilhou a publicação de Maíra em seu perfil.

“Não importa quem tem a razão nesta treta! Mas na briga entre duas grandes artistas brasileiras, o RACISMO é o grande protagonista! Antes de ser cantora, de ser uma compositora, Ludmilla é uma MULHER PRETA e quando ela sofre ataques racistas, todas nós sofremos também!”, começou.

O comunicado veio acompanhado de prints de alguns fã-clubes de Anitta, que proferiram mensagens racistas contra Lud. “Vidas negras importam?!? Essa frase se popularizou aqui no Brasil, mas percebemos que é apenas uma frase de efeito, não se tem prática. É possível se posicionar sem atacar. A tentativa constante de tentar depreciar Ludmilla a partir da sua condição racial é o retrato do racismo no Brasil”, analisou Tia Ma.

“Ninguém se reconhece racista, mas se sente confortável em atacar uma mulher preta chamando de MACACA, reforçando a ideia escravocrata e perversa de que pessoas pretas são animais. É preciso entender que esses ataques não são apenas contra uma artista, mas todo coletivo de mulheres pretas do Brasil. A animalização dos nossos corpos resulta em nossas mortes e não vamos aceitar! O racismo mata e enlouquece, e permitir isso é ser conivente com um crime perverso e brutal que nos aniquila! Tenha a sua opinião, mas não aceite a opressão”, finalizou.

View this post on Instagram

Não importa quem tem a razão nesta treta! Mas na briga entre duas grandes artistas brasileiras, o RACISMO é o grande protagonista! Antes de ser cantora, de ser uma compositora, Ludmilla @ludmilla é uma MULHER PRETA e quando ela sofre ataques racistas, todas nós sofremos também! Vidas negras importam?!? Essa frase se popularizou aqui no Brasil, mas percebemos que é apenas uma frase de efeito, não se tem prática. É possível se posicionar sem atacar. A tentativa constante de tentar depreciar Ludmilla a partir da sua condição racial é o retrato do racismo no Brasil. Ninguém se reconhece racista, mas se sente confortável em atacar uma mulher preta chamando de MACACA, reforçando a ideia escravocrata e perversa de que pessoas pretas são animais. É preciso entender que esses ataques não são apenas contra uma artista, mas a todo coletivo de mulheres pretas do Brasil. A animalização dos nossos corpos resulta em nossas mortes e não vamos aceitar! O racismo mata e enlouquece , e permitir isso é ser conivente com um crime perverso e brutal que nos aniquila! Tenha a sua opinião, mas não aceite a opressão!✊🏾 #ludmilla #vidasnegrasimportam #racismo #mulherpreta #potenciasnegras #treta #ancestralidade #raizes #povopreto #povonegro #cantoras #povodeluta

A post shared by Maíra Azevedo (@tiamaoficial) on

Diante de toda reverberação, Anitta se manifestou em suas redes sobre o episódio. “Criminosos covardes que se dizem meus fãs propagando mensagens de racismo e injúria racial nas redes sociais. Já disse e repito – isso é abominável e inadmissível!”, afirmou ela, no Twitter.

A artista avisou ainda que seus advogados já foram acionados e estão apurando o caso. “Minha equipe já está apurando tais perfis que até então não foram identificados como membros de nenhum fã-clube dos nossos registros. Mas não me calarei ou me acomodarei frente a esses absurdos que tenho lido e que estão chegando até mim. Quem fez isso vai pagar pelo que fez. E quem pensar em fazer, saiba que a justiça vai atrás de você também. Já acionei advogados e especialistas em crimes de internet. Racismo não. Racismo é crime”, completou.

Além disso, Anitta retuitou uma antiga publicação feita por ela própria, em outubro de 2019. Na ocasião, a funkeira desaprovava uma situação vivida por Ludmilla no “Prêmio Multishow 2019”. Durante um momento da premiação, a esposa de Brunna Gonçalves subiu ao palco para receber um troféu pelo hit “Onda Diferente” sem a companhia da “malandra”, recebendo muitas vaias e inclusive sendo chamada de “macaca” por uma das pessoas na plateia.

“Inaceitável que alguém possa se achar no direito de chamar um negro de macaco ou tentar reduzi-lo como um ser humano inferior. Melhorem. Isso é crime e absolutamente abominável”, escreveu Anitta em sua página.

Também em seus Stories, a popstar aproveitou para anunciar uma live no Instagram que fará hoje (17) com uma especialista em “crimes de internet” e, sem citar nomes, mencionou o caso envolvendo Ludmilla. “Isso é muito sério, gente, eu não vou deixar isso em branco, minha equipe já está toda atrás disso e falaremos sobre esse assunto na live (…) A internet não pode mais ser terra de ninguém, gente. As pessoas têm que pagar pelas coisas que elas fazem”, enfatizou por fim.

Entenda o caso:

O mais recente ataque racista aconteceu nessa segunda-feira (15), horas após Ludmilla publicar nas redes um vídeo com mais de dez minutos de duração, intitulado como “carta aberta”, explicando seu lado da história com Anitta. Logo no começo, a funkeira retomou o assunto que teria causado a briga inicial entre as duas, no dia 29 de setembro do ano passado: a composição de “Onda Diferente”.

Segundo a cantora, desde então ela recebe ataques frequentes dos fãs de Anitta, que participaria de um grupo de mensagens com os presidentes de seus fã-clubes.“Eu tenho os fãs dela em todas as minhas postagens, em tudo que é propaganda que eu vou fazer, sempre querendo me diminuir, me desmerecer, com tudo que vocês possam imaginar. E se ela controla eles por que ela não manda eles pararem?”, questionou Lud, expondo uma série de prints com comentários racistas e homofóbicos.

“Ela passou a vida assim, me tachando de inferior a ela, entendeu? Teve uma época que ela me chamava de ‘projetinho de Alcione’, como se isso fosse uma ofensa, mas mal sabe ela que a Alcione é uma das minhas maiores referências. Eu sou muito fã da Alcione”, apontou a cantora. Em vários momentos do vídeo, ela ainda acrescentou um trecho de uma música que compôs para descrever a ex-colega. “Eu disse limpa, limpa antes que caia dentro. Escorrendo da boca, no cantinho, o seu veneno”, diz a letra.

Continua depois da Publicidade

Ainda no desabafo, a cantora expôs a conversa que teve com a voz de “Bang”, quando Ivete Sangalo apresentou a canção causadora de conflitos no “Rock in Rio 2019”. “Eu, inocente, sem saber de nada ainda, fui falar com ela (Anitta), legendou.

Na conversa, Lud mandou um áudio explicando que foi comemorar o fato da baiana ter cantado uma composição dela, mas que recebeu muito ‘hate’ dos fãs de Anitta em troca. “Tu explica que eu tô falando da composição, porque a composição é minha. Eles tão achando que eu tô falando do feat., mas é da composição”, pontuou a artista para a então colega de trabalho, pedindo para ela se pronunciar publicamente sobre o assunto.

Foi aí que Ludmilla recebeu prints dos fãs mostrando que Anitta também estava nos créditos da composição – fato este que ela não tinha conhecimento até então. “O maior problema disso tudo foi sempre ela com essa falta de verdade, entendeu? Porque eu já tinha dado 50% da música [pro Snoop Dogg] então se ela tivesse agido com verdade, comigo, falado assim ‘Lud, olha só, eu vou botar meu nome lá, porque eu fiz a produção da música e tudo mais’, eu ia falar: ‘Show, Anitta, bota sim’. Só que ela agiu por trás, fez de maldade. Botou o nome dela na minha música sem o meu consentimento e depois ficou me deixando parecer maluca falando que a música era minha”, narrou a intérprete de “Verdinha”.

Durante o registro, Lud revelou ainda que inicialmente faria parte de “Combatchy”, single que foi lançado nas vozes de Anitta, Lexa, MC Rebecca e Luísa Sonza. “Cheguei até a gravar a voz. Só pra deixar claro que as meninas que participaram não têm nada a ver com isso, tá? É tudo com ela (Anitta) mesmo. Só que eu já tava cansada de tudo que tava acontecendo, essas histórias, essas mentiras, esse jeito sonso, esse cinismo, sabe? Eu tava cansada de engolir esse achismo dela, ela com esse ego o tempo inteiro. Eu fui ao meu limite. Eu aguentei muita coisa calada pra não ter briga, pra não ter nada e é isso”, explicou.

Ludmilla e Anitta fazendo a primeira performance de “Favela” juntas. (Foto: Roberto Filho/Brazil News)

Por fim, Ludmilla fez um longo desabafo sobre sair como a ‘errada’ da história e o motivo pelo qual aguentou calada por tanto tempo. “Enfim, espero que essa seja a última vez que eu tenha que entrar nesse assunto porque toda vez que eu tenho que tocar nesse nome, falar sobre esse assunto, me traz uma sensação muito ruim e não faz parte do meu cotidiano essa energia negativa”, afirmou.

A cantora seguiu, falando que se decepcionou após conhecer Anitta de verdade. “Vocês, fãs dela, são muito privilegiados, de ter ela só de distância, do palco, porque se vocês tiverem um dia de convívio com a pessoa dela, vocês vão se desapontar como eu porque um dia eu já admirei ela, sem conhecer a pessoa. Depois que eu conheci a pessoa foi frustrante”, desabafou.

Continua depois da Publicidade

“Mais frustrante ainda foi ter que ficar ouvindo meu empresário e as pessoas do meio [artístico] falando: ‘Aguenta, a gente sabe quem ela é. Não entra numa briga com ela porque você sabe que você vai sair perdendo. Você sabe que você já é uma em um milhão ocupando esse lugar e você vai dar mole? Você vai sair perdendo nessa’. E eu sempre tendo que abaixar a cabeça, porque eu, como mulher preta, sempre senti que as pessoas queriam que eu ficasse no meu cantinho. Por mais que eu estivesse certa, eles queriam que eu pedisse desculpa. Tipo, ‘Ah, você é preta, nem era pra você estar aí. Você já tá em um lugar que nem era pra você estar ocupando, agora você ainda tá reclamando que eu pisei no seu pé? Pede desculpa’. Era tipo isso, entendeu? E, cara, pra eu estar vindo aqui falar isso, tá me custando demais. Vocês não têm noção”, lamentou a artista.

Confira:

Após a divulgação do vídeo, a mãe de Ludmilla, dona Silvana Oliveira, comentou o post com um trecho de “Verdinha”, confirmando as especulações que surgiram na época em que a canção foi lançada. Fãs mais atentos da danada diziam que a faixa conteria um recado para Anitta. “Um dia eu vou poder falar toda a verdade. A máscara que vai cair diante da sociedade. Bang, Bang! Não me perturba”, dizia a letra, no que também seria uma referência a um dos maiores sucessos da carreira de Anitta, “Bang”.

Comentário da mãe de Lud na postagem (Foto: Reprodução/Instagram)