Após ator atirar em ex-namorada e cometer suicídio, testemunha da tragédia conta detalhes e revela como protegeu filha do casal: “Me preparei para morrer” — entenda o caso

O ator Hagen Mills, conhecido por papéis pequenos em séries como “Baskets” e “Swedish Dicks”, cometeu suicídio na terça-feira (19), depois de tentar assassinar a mãe de sua filha, Erica Price, a tiros. Mills tinha 29 anos e morava em Kentucky, nos Estados Unidos. Dois dias após o caso trágico, a mãe de Erica, Tammy Green-Price, revelou ao The Daily Mail que testemunhou o incidente e “se preparou para morrer”, enquanto protegia a filha de 4 anos do casal.

De acordo com Tammy, Mills forçou a entrada em sua casa e atou seus braços com fita adesiva, esperando por Erica. Quando ela chegou, o ator atirou na ex-parceira à queima-roupa. Autoridades confirmaram ao E! Online que Erica foi atingida no braço e no peito, mas sobreviveu e foi capaz de identificar Mills como o atirador.

“Eu achava que era a próxima”, disse Tammy. “Mas a criança estava atrás de mim e meu único pensamento real era protegê-la. De alguma forma, eu consegui escondê-la no sofá, depois fechei meus olhos e me preparei para morrer”, contou sobre o momento de tensão.

“Eu escutei a arma disparar, eu escutei o corpo dele caindo no chão, e finalmente abri meus olhos e percebi que estava viva”, acrescentou. Enquanto isso, Erica conseguiu se arrastar para outro cômodo e chamar a emergência. Ela permanece hospitalizada e seu estado é estável. A mãe a descreve como “uma pessoa linda, uma alma caridosa e gentil”. “Nunca incomodou ninguém”, disse.

Erica Price e Hagen Mills quando ainda formavam um casal. (Foto: Reprodução/Facebook)

No entanto, sobre Mills, Tammy afirmou que ele era uma “alma bastante perturbada”, que “aterrorizava” a ex-namorada após o término. A ficha criminal do ator veio a público após sua morte; em 30 de março de 2020, ele foi preso e acusado de estupro, sodomia e sequestro. Um mês depois, no dia 6 de março, ele foi solto sob fiança. A respeito disso, Tammy garante que está “muito, muito furiosa”. “Todo mundo falhou aqui. As autoridades falharam ao oferecer a esse homem fiança. A família dele falhou ao tirá-lo [da cadeia] e não dar a ele o tratamento mental que ele precisava”, explicou.

IMPORTANTE: Se você ou alguém que você conhece está passando por dificuldades emocionais ou considerando o suicídio, ligue para o ‘Centro de Valorização da Vida’ pelo número 188. O CVV realiza apoio emocional, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email e chat 24 horas todos os dias. Para mais informações, clique aqui.