Após blogueira Alinne Araújo cometer suicídio, mãe fala sobre relação das duas e analisa comportamento do ex-genro

Dez dias após perder tragicamente a filha, Alinne Araújo, Maria Elizabeth aceitou conceder uma entrevista ao UOL para falar sobre sua relação com ela e dar um alerta aos pais e parentes que passam por situações parecidas. Um dia após ter casado consigo mesma, a blogueira e dona do perfil @sejjesincera no Instagram cometeu suicídio. Seu relacionamento de dois anos foi terminado pelo noivo por mensagem na véspera da cerimônia.

A mãe da menina, entretanto, contou que não culpa o ex-genro pelo que aconteceu. “Ele me procurou, veio conversar comigo, me pediu perdão. Eu falei com ele que quem perdoa é Deus, que ele não precisava me pedir nada”, afirmou. “Orlando é uma boa pessoa, sempre cuidou muito bem da Alinne, era quase um pai, fazia tudo por ela. O único erro dele foi ter terminado pelo WhatsApp na véspera. De resto, ele sempre amou muito minha filha”.

Elizabeth também disse que já reencontrou o ex-noivo de sua filha desde a tragédia e que ainda fala com ele. “Ele veio aqui, pegou a cachorrinha deles, levou [embora]. Falo com ele às vezes. Ele é uma pessoa maravilhosa, não tenho nada que falar dele”, elogiou.

Continua depois da Publicidade

Em entrevista ao “Domingo Espetacular”, no último final de semana, Orlando Costa havia contado sua versão da história. “Só quem julgou foram pessoas que não me conheciam. Eu ofereci médico, psicólogo, ofereci coisas que eu julgava serem boas, que ela gostava, que dizia que era sonho dela. Dei todo meu amor, todo meu carinho. Saía de casa e dizia: ‘qualquer coisa, liga pro mozão’. Tentei de tudo. Mas não consegui”, lamentou com a voz embargada, ao falar sobre as pessoas que o culparam pela morte.

Ainda em entrevista ao UOL, Maria Elizabeth deu detalhes de como era sua relação com a filha. “O pai dela nunca foi presente e eu nunca quis mais filhos, justamente para dar para a Alinne tudo que eu não tive. Então, a vida inteira, fomos só nós duas”, relembrou. “A gente era tão grudada que, quando ela foi morar com o Orlando, eu fazia chamada de vídeo para perguntar para ela se minha roupa estava boa antes de sair de casa. Ela dizia ‘mãe, troca o sapato, coloca aquela blusa’, éramos eu e ela, sempre”.

Continua depois da Publicidade

A mãe da blogueira falou sobre a importância de ter entendido que a filha tinha uma doença. “Muitas vezes, as pessoas acham que depressão é preguiça. Eu mesma já achei isso. E já falei para ela: levanta, vai tomar banho, vai comer, vai pegar um sol. Depois, entendi que ela tinha uma doença mesmo. Ficava dias sem tomar banho e mentia para mim, dizia que comeu sem ter comido”, admitiu a mulher.

Entretanto, nem todos os dias eram assim. Maria contou que Alinne tinha vários momentos felizes e sempre se envolvia em outros projetos. “Em muitos momentos, ela tinha uma alegria, você não conseguia perceber que ela estava tão mal. Apesar da depressão, ela trabalhava, fazia teatro, faculdade, tinhas boas notas, nunca repetiu em nada”, explicou.

A mulher, de 52 anos, aproveitou para dar um conselho a todas as pessoas que passam por situações parecidas. “Eu acordava no meio da noite, ia no quarto dela para ver se está tudo bem. Quando alguém disser que está com depressão, não critique, acredite. Não fale que se a pessoa está bonita, bem vestida e sorrindo, então não tem um problema. O deprimido nem sempre está em um quarto escuro, nem morreu para a vida. Ela tinha dias de estar muito bem, mas isso não quer dizer que estivesse bem. Tenha atenção, cuidado com quem passa por isso”, alertou.

Continua depois da Publicidade

Quando a filha cometeu suicídio, Elizabeth estava com ela em casa. Entretanto, acabou dormindo por um momento. “Acho que o sono foi para que eu não a visse se matando, porque eu acho que teria morrido junto. Falam isso e é verdade mesmo: a dor de perder um filho só sabe quem já perdeu. É pior que perder o pai, a mãe, qualquer coisa”, desabafou.

Apesar da tristeza, ela teve que voltar ao trabalho dias após perder a menina. “Eu voltei a trabalhar porque preciso. Sou diarista, pago aluguel, moro sozinha, se eu não trabalhar, não vivo, mas eu não me sinto com forças, não”, Maria se abriu.

Relembre o caso

Alinne Araújo cometeu suicídio na tarde do dia 15, algumas horas após o fim da sua festa de casamento. A cerimonialista da festa, Suelen Rodrigues, e a tia da jovem, Saionara Araújo, confirmaram a triste notícia.

Continua depois da Publicidade

Dois dias depois, a mãe da aspirante à atriz, Elizabete Araújo, participou do programa “Encontro com Fátima Bernardes” e desabafou sobre o caso. “O sonho dela era casar. Eu estava deitada de um lado e ela deitada de outro [do sofá]. Foi no momento em que cochilei”, relembrou ela.

Elizabete continuou: “Alinne me dizia: ‘Meu mundo acabou’. Eu falava que não, que ela era jovem. Fiz que não entendi. Mas meu mundo acabou. Minha filha era uma joia rara”.

View this post on Instagram

Meu amor todinho ❤️

A post shared by Alinne Araújo (@alinnerraujo) on

IMPORTANTE: Depressão e bullying são assuntos super sérios e podem atingir qualquer pessoa. Se você ou alguém que você conhece está passando por dificuldades emocionais ou considerando o suicídio, ligue para o ‘Centro de Valorização da Vida’ pelo número 188. O CVV realiza apoio emocional, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email e chat 24 horas todos os dias. Para mais informações, clique aqui.