Babu Santana detalha episódio de racismo que sofreu de patroa quando disse que pensava em ser ator: ‘Muito cruel’

Babu Santana já nos brindou com atuações primorosas ao longo de sua carreira. O ‘paizão’ do ‘BBB20’ manda tão bem em cena que é difícil imaginá-lo fazendo outra coisa. Mas não é isso que ele ouvia anos atrás… pelo contrário! Muitos desacreditaram que Santana poderia chegar onde chegou, e, não o pouparam de declarações racistas.

Em live realizada na noite desta segunda-feira (8), no Xepa Festival, o carioca relembrou o início da carreira e desabafou sobre um episódio de racismo que sofreu quando estava tentando se tornar ator. “Uma vez eu pedi para fazer um teste para entrar no ‘Nós do Morro’ para minha patroa na época e ela me falou uma coisa muito cruel. Ela perguntou para que eu queria ser ator se eu era preto, era pobre, estava na favela, se eu era feio. E aquilo me indignou“, desabafou. “Uma das coisas que me impulsiona até hoje é a fala daquela mulher. Quero provar que um cara como eu pode ser o que ele quiser“, declarou Babu.

Santana ainda reagiu a comentários que já leu por aí a respeito de seu currículo de personagens na televisão. “Muita gente me criticava: ‘você só faz papel de bandido’. Era o que estava vindo e o que estava conseguindo desenvolver. O bandido por bandido tudo bem, mas sempre consegui pegar personagens complexos, ser bandido era o menor nos personagens, tinham muita complexidade. No ‘Estômago’, por exemplo, era um presidiário, mas a condição social dele era o que menos importava“, ponderou.

Durante a conversa com o fotógrafo e influenciador Roger Cipó, o ator também destacou alguns dos colegas de ofício que o inspiraram no Brasil. “Quando trabalhei com o Milton Gonçalves, meu coração quase saiu pela boca. O Tony Tornado, você não sabe o que é encontrá-lo com 90 anos e forte. O Grande Otelo… o que era ele? Tinha um cara que sempre trombava para fazer testes juntos: Lázaro Ramos. Ele me inspirou muito, assim como Neusa Borges, Ruth de Souza, Zózimo Bulbul…“, citou.

Por fim, Babu comentou as recentes manifestações contra o racismo. “Não existe ‘esse momento’. Esse ‘momento’ vem desde que alguém pegou alguém de pele preta e quis escravizar. Essa luta é desde sempre. Chega ao extremo de um irmão morrer sufocado  na frente das câmeras para as pessoas se mobilizarem”, declarou, se referindo ao caso de George Floyd. “Eu não quero que fique só no discurso, não. Quero ver praticar tudo isso que estão fazendo. Ou vão esperar outra coisa na internet para virar modinha? Isso não pode ser modinha, boom de internet“, apontou.