Reforço de segurança e ameaça de vizinho! Síndico de condomínio de Alok revela os bastidores tensos da live que deu o que falar: “Fiquei apavorado!”

Fritação frente às câmeras, muito estresse por trás delas! No último sábado (02), Alok agitou seus fãs com uma live em sua luxuosa cobertura, localizada em São Paulo. Além dos beats e refletores que iluminaram o céu paulistano, o síndico do edifício revelou alguns dos imbróglios que o DJ enfrentou com vizinhos para que o show saísse do papel.

Marcio Rachkorsky, que é especialista em governança de condomínios no jornal “SP1”, é também o administrador do prédio de Alok. Em entrevista ao portal SindicoNet, ele deu detalhes de todos os perrengues por trás da apresentação. “Enquanto todo mundo estava se divertindo e curtindo, eu estava apavorado e torcendo para acabar logo”, contou.

Continua depois da Publicidade

A situação foi tão crítica que Marcio chegou a temer uma interrupção judicial. “Faltando uma hora ou duas horas para começar o evento, eu [estava] morrendo de medo que chegasse a polícia ou ou oficial de Justiça com um mandado para não realizar o evento”, confessou o síndico. Apesar disso, ele afirmou que Alok estava disposto a negociar e tornar o som de seu show mais intimista, para que não incomodasse os moradores do prédio.

Alok promoveu um grande show de luzes e fogos do alto de sua cobertura. (Foto: Reprodução/Multishow)

O síndico ainda recordou as queixas de vizinhos antes da live. “Nas horas que antecederam o evento, recebi a ligação de um morador que estava enfurecido. Falando, ‘Márcio, é um absurdo, você não fez assembleia para aprovar, você não nos consultou formalmente, você não tem autonomia para fazer isso, você está descumprindo a lei, vou chamar a polícia, eu vou conseguir uma liminar, eu vou fazer de tudo para evitar isso'”, relatou Rachkorsky.

Continua depois da Publicidade

O administrador do edifício chegou a tentar negociar, afirmando que o imóvel ficaria valorizado após a transmissão, mas não obteve tanto sucesso. “Não adiantava. O cara falava: ‘Não, eu tenho filho pequeno’. Outro morador aderiu a tese do cara e falava: ‘Eu também tenho filho pequeno'”, lembrou. “Foi assim uma tensão pré-evento. E eu pensando: ‘Já pensou se por conta de um ou dois moradores dá tudo errado? Já pensou a expectativa que está gerando em todo mundo?'”, temeu ele.

Por fim, Alok não teve problemas judiciais com seus vizinhos, usando e abusando dos efeitos visuais no seu set. (Foto: Reprodução/Multishow)

Como sabemos, a live foi ao ar – e Marcio resolveu o conflito. “Eu fui firme, conversei com o condômino incomodado. Depois, cheguei a conversar com outra senhora que estava com dúvidas”, explicou. Segundo ele, Alok até acionou um advogado para realizar o evento, e atingiu seu objetivo após uma análise da proposta pelo síndico: “Naturalmente, a gente quis entender do que ia se tratar para autorizar. Li os documentos, entendi o que ia ser e autorizei”.

Continua depois da Publicidade

Apesar do aval positivo, o síndico ainda ficou preocupado com uma coisa: o som alto. “Como ia ser depois das 22h da noite, eu como síndico fiquei com a dúvida do barulho, a questão do sossego das pessoas que eu tanto falo na TV. Mas aí a gente pesou as coisas e essa é a importância do síndico: saber interpretar as situações e pesar”, citou Marcio.

Marcio, síndico de Alok, optou por permitir a live na cobertura do DJ após analisar melhor o evento. (Foto: Reprodução/Multishow)

Então, após comunicar os moradores virtualmente, ele chegou à conclusão. “Achei que estava dentro da minha alçada liberar e autorizar o evento mesmo que o som pudesse incomodar alguém”, disse Rachkorsky, ressaltando o teor beneficente da ocasião. “Poderia ter tomado uma decisão que fosse contrária ao interesse coletivo, mas que ia beneficiar uma pessoa que estava fazendo pirraça. Aí valeu aquela história do síndico que cumpre a lei, claro, mas que deve ser coerente”, afirmou.

Assista ao vídeo na íntegra aqui:

Continua depois da Publicidade

O prédio ainda providenciou um gerador extra, assim como um reforço na segurança local para evitar aglomerações. Com o resultado positivo, Marcio finalmente pôde descansar: “Depois disso, já era uma 2h da madrugada, eu relaxei. Aí, eu que fui tomar uma garrafa de vinho porque eu estava tão tenso. Tenso de verdade, com medo de dar errado ou medo de ser responsabilizado por alguma coisa. No fim das contas, deu tudo certo”.

Apesar de todo o estresse com vizinhos, a live de Alok foi muito elogiada pelo síndico. (Foto: Reprodução/Multishow)

“Estou honrado de ser o síndico desse prédio onde pude viver uma experiência totalmente diferente, um mix de angústia, alegria, satisfação, medo e, agora, alívio”, avaliou Marcio. Mesmo com todos os ‘perrengues’, Alok foi muito elogiado pelo administrador. “Ter um condômino ilustre como ele é algo muito legal. Ele é um cara gentil, cordial, educado, humilde e todo mundo que tem contato com ele não acredita”, opinou.

Uma coisa é certa, essa festinha no apê abalou o quarteirão!