Vixe! Kanye West é duramente criticado por internautas após ser anunciado como atração de evento com pastores homofóbicos: “Tão tóxico”

Vixe, deu ruim… Mais uma vez! O nome de Kanye West caiu no ‘olho do furacão’ nesta quinta-feira (16), depois que chegou ao conhecimento do grande público que ele se apresentará em um evento com a participação de pastores homofóbicos.

O marido de Kim Kardashian foi confirmado no lineup do “Awaken 2020”, que acontece no sábado (18), no Arizona, junto com seu projeto musical Sunday Service. Até aí tudo bem… O grande problema é que o jornal New York Daily News e o grupo LGBTQ Nation fizeram um levantamento sobre os pastores que irão participar do evento evangélico, e descobriram que eles são responsáveis por discursos de ódio contra a comunidade LGBTQ+ em diversos momentos (e que devem se repetir na celebração deste final de semana).

Continua depois da Publicidade

Entre os palestrantes estão Cindy Jacobs, que já incentivou os cristãos a ‘se levantarem’ para impedir a aprovação da Lei da Igualdade, que tramita no país com o objetivo de diminuir os casos de homofobia, principalmente dentro do ambiente de trabalho. O “Awaken 2020” também contará com a presença do co-fundador do comício de orações “The Call”, Lou Engle, que foi defensor de um projeto de lei Anti-Homossexualidade em Uganda, em 2011. Ele também já comparou os EUA modernos à Alemanha nazista, devido ao apoio do país aos direitos dos LGBTQ.

Na internet, claro, as pessoas ficaram extremamente decepcionadas e revoltadas com a postura de Kanye em se apresentar no evento. “Deve ser TÃO cansativo ser fã do Kanye West e ficar semanalmente nessa mão de obra pesada pra tentar provar que ele não é um imbecil, quando já está claro que ele é”, disparou um rapaz. “Não é a primeira do Kanye West, não é a última também. O cara é tão tóxico que não dá pra entender”, falou outro jovem.

Continua depois da Publicidade

Também teve quem saísse em defesa do cantor. “Me poupe, o Kanye West foi o primeiro rapper do cenário a realmente abrir debate sobre a homofobia na indústria tão homofóbica do rap. Infelizmente, ser cristão o levou para tais ambientes, mas o mesmo NUNCA foi preconceituoso”, analisou um fã. Até o nome de Kim Kardashian entrou na roda. “Não citem o nome dela quando forem falar sobre o Kanye West e sua atual religião. A própria já afirmou discordar dos atuais pensamentos dele”, afirmou um terceiro perfil na rede social.

 

Questionado pelo The Western Journal sobre a participação do rapper no evento, Lou Engle disse que “acreditamos que Kanye é um sinal para esta nação de que, em um momento, milhares e milhares poderão ser varridos para o reino quando [Deus] converter pessoas importantes e suas vozes serão como um trovão”.

Continua depois da Publicidade

No projeto Sunday Service, West se une a um coral para cantar músicas com composições inspiradas no Evangelho, fazendo um mix do hip-hop e outros ritmos musicais com a sonoridade tradicional das músicas religiosas. No ano passado, ele lançou dois álbuns “Jesus is King” e “Jesus is Born”, esse último divulgado na véspera do Natal.