Camila Cabello pede desculpas por publicações racistas feitos no passado: “Não representa quem eu sou”; saiba os detalhes

Se hoje em dia Camila Cabello é nossa fada cubana sem defeitos, o passado dela guarda alguns episódios bem infelizes… Nesta quarta-feira (18), a artista usou suas redes sociais para pedir desculpas por postagens antigas que fez, consideradas preconceituosas e racistas.

Na web, alguns internautas resgataram publicações da artista em que ela dava retuíte em gifs e memes preconceituosos, além de escrever legendas usando uma palavra do vocabulário norte-americano que é considerada extremamente ofensiva aos negros. Para se desculpar, Camila fez um post em sua conta pessoal do Twitter e nos stories do Instagram.

“Quando eu era jovem, usava uma linguagem da qual tenho profunda vergonha e me arrependo para sempre”, começou no texto. “Eu era ignorante e uma vez que tomei conhecimento da história, do peso e do verdadeiro significado por trás dessa linguagem horrível e ofensiva, fiquei profundamente envergonhada por ter usado isso. Pedi desculpas naquele momento e peço desculpas agora. Nunca machucaria intencionalmente alguém e me arrependo do fundo do meu coração”, falou.

Cabello reconheceu que não tem como voltar no passado e consertar o que fez, mas acha importante se pronunciar sobre o quão ruim foi seu comportamento naquela época. “Por mais que eu quisesse, não posso voltar no tempo e mudar as coisas que eu disse no passado. Mas quando você sabe melhor, você faz melhor e é tudo o que posso fazer. Agora tenho 22 anos, sou adulta, cresci, aprendi e tenho consciência da história e da dor que ela carrega de uma maneira que não sabia antes”, lamentou.

Para finalizar, a estrela afirmou que tem o compromisso de usar seu alcance para fazer algo a respeito das desigualdades e o preconceito no mundo. “Esses erros não representam a pessoa que eu sou ou a pessoa que eu já fui. Eu me posiciono e sempre defendo o amor e a inclusão… Meu coração nunca teve um pingo de ódio ou discriminação. Uso minha plataforma para falar sobre injustiça e desigualdade e continuarei fazendo isso”, escreveu.