Kim Kardashian pede clemência a condenado por assassinato retratado na série “Making a Murderer”; entenda

Kim Kardashian ao resgate! O lado advogada da estrela de “Keeping Up With The Kardashians” está a todo vapor. Nas redes sociais, Kim deu uma forcinha para um presidiário que aparece na série documental da Netflix, “Making a Murderer”, e o ajudou a pedir por clemência.

Brendan Dassey, que apareceu em duas temporadas do programa, já serviu 13 anos atrás das grades, por conta de sua suposta conexão com o assassinato de Teresa Halbach. A fotógrafa foi morta em 2005.

Dassey, assim como seu tio, Steven Avery, foi preso e acusado do assassinato de Halbach. Ele foi considerado culpado de homicídio intencional de primeiro grau em 2007. No entanto, seus advogados e outros críticos do processo alegam que sua confissão, uma grande prova no caso que a acusação apresentou, foi coagida. O time legal de Dassey entrou com um pedido de clemência nesta quarta (02), e Kim — que tornou a reforma do sistema penitenciário uma de suas maiores causas — resolveu chamar atenção para a causa.

No Twitter, a empresária e futura advogada retuitou uma carta escrita à mão de Dassey, pedindo por sua liberdade. “Por favor, @GovEvers, leia essa carta”, pediu, marcando o governador de Wisconsin, Tony Evers, na mensagem.

“Eu estou escrevendo para pedir por perdão, porque eu sou inocente e quero ir para casa”, Dassey explicou. “Se eu puder ir para casa, eu gostaria de um emprego envolvendo vídeo games. Eu gostaria de ajudar a cuidar da minha mãe, e um dia ter um filho e uma filha. Eu chamaria a minha filha de Grace e meu filho de Mizar, que é o nome de uma estrela da Ursa Maior”, contou.

Kim também tuitou o link de um episódio do podcast “Wrongful Conviction with Jason Flom” (“Condenação Injusta com Jason Flom”, em tradução livre), no qual Dassey foi entrevistado. A mãe de North, Saint, Chicago e Psalm ainda adicionou a hashtag “Bring Brendan Home” (“Tragam o Brendan pra casa”).

Dassey tinha dezesseis anos na época do assassinato, e seus advogados argumentam que os investigadores usaram técnicas impróprias para interrogar um jovem com QI baixo. Além disso, eles afirmam que os investigadores fizeram promessas falsas para Dassey, dizendo que ele seria solto se falasse com eles sobre o assassinato.

Kim fez bastante barulho na mídia após convencer o presidente Donald Trump a revogar a sentença de Alice Johnson, uma mulher de 63 anos que foi sentenciada à prisão perpétua em 1996 por acusações relacionadas a drogas, apesar de não terem envolvido violência. Será que Kim também conseguirá libertar Dassey?