Famosos

Mãe de Cory Monteith fala sobre vício do filho e tentativas de reabilitação: “Ele não queria morrer”

Raphael Amador - Publicado em 19/07/2018 às 17:49
Compartilhe: Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Pinterest Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no E-mail

Como falamos aqui, a nova edição da revista People traz uma entrevista exclusiva e tocante com Ann McGregor, mãe do astro Cory Monteith, que faleceu há cinco anos após ter uma overdose de heroína. Além de ter revelado que ficou sabendo da morte do filho pela diva Lea Michele, namorada dele na época, ela falou sobre o vício em drogas do ator e suas tentativas de “rehab”.

Uma parte de mim morreu quando Cory se foi. Meu mundo parou e eu não achei que me recuperaria disso“, confessou McGregor à publicação.

Cory Monteith no 12th Annual Chrysalis Butterfly Ball em Los Angeles, em junho de 2013. (Foto: Frederick M. Brown/Getty Images)

O astro de “Glee” tinha apenas 13 anos quando começou a sair com pessoas mais velhas e experimentar álcool e outras drogas. “Ele tentava esconder tudo de mim, porque me amava e queria me proteger. Ele foi um jovem muito vulnerável durante toda a sua vida. Eu criei ele com amor para ser honesto e aberto. Mas eu não lhe ensinei sobre o outro lado do mundo. Há um lado ruim lá fora“.

*LEIA TAMBÉM
Mãe de Cory Monteith revela que foi Lea Michele quem a contou sobre morte do filho: “Ela estava gritando”

Aos 15 anos, McGregor colocou o filho numa clínica de reabilitação, mas depois de um mês de permanência, ele voltou a usar drogas. Quando fez 19 anos, o ator tentou novamente o tratamento de sua dependência química. “Eu percebi que a reabilitação não é a resposta. Você tem que orientar essas crianças antes delas entrarem nessas coisas. Eu nunca tive o poder de detê-lo“.

Cory Monteith com a mãe Ann McGregor (Foto: Reprodução/Facebook)

Ainda assim, Monteith ficou sóbrio por um tempo, e depois de se mudar para Los Angeles, encontrou sucesso como ator em pequenos trabalhos antes de seu papel de protagonista em “Glee”. Mas, segundo McGregor, nosso eterno Finn Hudson nunca lidou bem com a fama. “Ele chamava esse mundo de plástico. Era muito superficial para ele. Ele era muito ‘pé no chão’ e seu coração estava intacto demais. Ele não conseguia ser duro o suficiente“.

Ela continuou, afirmando que o filho voltou a usar drogas como uma forma de escapar das pressões de Hollywood. “Ele estava estressado porque queria sair daquele mundo, mas não conseguiu porque tinha mais dois anos de contrato. As drogas eram sua maneira de fugir“.

Em abril de 2013, Cory deu entrada numa clínica de reabilitação pela terceira vez, mas não resistiu ao vício. Ele foi encontrado morto num quarto de hotel no Canadá, no dia 13 de julho de 2013, com traços de morfina, codeína e heroína em seu corpo. “Ele não queria morrer. Não há dúvidas sobre isso. Ele estava ansioso por seu futuro. E ele tinha muito o que viver“, completou a mãe do ator. :(