Coronavírus: Rory Kinnear, ator de “007”, perde irmã para a Covid-19 e detalha despedida emocionante

Rory Kinnear, ator conhecido por seu papel em “007 ‑ Operação Skyfall” e pela série “Years and Years”, revelou que sua irmã mais velha morreu aos 48 anos, após contrair o novo coronavírus. A notícia foi divulgada nessa manhã (12), em um artigo escrito pelo próprio artista para o jornal The Guardian.

Em seu relato, Rory disse que Karina testou positivo para a Covid-19 no início da semana passada e que, desde então, o vírus passou a atacar o estômago, pulmões e intestino da irmã. Impossibilitados de visitá-la no hospital, os familiares tiveram que se despedir através de uma chamada de vídeo, feita no domingo (10).

“Uma enfermeira, Patricia, segurou um tablet na frente de Karina, enquanto minha mãe narrava uma de suas memórias favoritas pela última vez, e a agradecia pela alegria que trouxe a todos nós. Minha irmã Kristy também pôde, de sua casa, dizer adeus. Eu toquei uma das músicas favoritas de Karina, e disse à ela o quão orgulhoso era por seu seu irmão, e o quão grato era pelos ensinamentos de vida que ela me passou”, escreveu o ator.

Foto antiga de Rory e Karina. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Em seu nascimento, Karina sofreu com a falta de oxigenação, o que causou severos danos cerebrais. Aos 19 anos, ela ficou paralisada da cintura para baixo, após passar por uma cirurgia na coluna e, em 2014, foi entubada e sofreu danos renais, depois de uma batalha contra a sepse.

“A morte de Karina era o que temíamos desde que a doença se espalhou com tanta rapidez na Itália, em fevereiro. Sua capacidade pulmonar era tão reduzida que, sabíamos, dados os relatos de seus efeitos, que a Covid-19 se mostraria incrivelmente perigosa para ela. As condições dela não eram apenas ‘subjacentes’, eram determinantes para a vida dela, e para nós, mesmo que ela continuasse inconsciente de sua gravidade. Mas Karina havia desafiado as previsões a vida inteira”, lembrou Kinnear.

Karina e sua família. (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

O artista reforçou ainda que ninguém poderia descrever Karina como fraca ou mais suscetível à morte, por conta de suas demais condições. “Foi o coronavírus que a matou. Não foram suas comorbidades. Esta doença não está apenas matando pessoas que teriam morrido em breve de qualquer maneira. Está tornando a vida das pessoas mais necessitadas de nosso cuidado e compaixão ainda mais difíceis, ainda mais temerosas”, lamentou.

Por fim, Rory fez um apelo, pedindo que os governantes britânicos não medissem esforços na luta pelo combate à pandemia. “Se há algo que, espero, venha com a morte de Karina, e das dezenas de milhares de outras mortes causadas por esta doença e sua disseminação insidiosa, é que, como país, desde o governo nacional e local, possamos focar em trazer alívio para as demais vidas no futuro”, concluiu.