Em relato forte, Xuxa detalha abusos que sofreu na infância, revela “sequelas” e explica por que manteve silêncio por muito tempo: “Me sentia culpada apenas por existir”

[Alerta de gatilho: este texto contém relatos sobre abuso sexual] Revoltante! Em sua coluna na revista Vogue, Xuxa fez um relato forte e impactante sobre todos os abusos que sofreu durante sua infância e início da adolescência, nas mãos de parentes distantes, amigo de seu pai e até um professor de matemática da escola. Através de sua plataforma, a apresentadora espera ajudar pessoas que passam ou passaram pela mesma situação. “Nós geralmente não queremos falar, porque é feio, porque não é certo, porque aprendemos que sempre tem que ter um culpado numa situação como essa. E é claro que nos sentimos culpados — eu me sentia culpada apenas por existir”, afirmou em seu texto.

Em seu espaço na publicação, Xuxa revelou que contaria o “episódio mais difícil que viveu” em seus 56 anos. “É difícil escrever, pois tenho que reviver todos os sentimentos: culpa, raiva, impotência e medo. Mas se isso puder ajudar alguém a pelo menos entender essa tribo de gente que assim como eu sofreu abuso, já valeu meu sufoco e esforço”, contou.

A estrela relembrou que o primeiro caso de abuso em sua vida foi muito cedo, quando ela tinha em torno de 4 anos e morava no Sul. Xuxa também ressaltou que mesmo com todo o cuidado que sua mãe tinha com os filhos, ela acabou sendo vítima. “Depois de anos, perguntei às minhas irmãs se algo parecido havia acontecido com elas também, mas para minha surpresa, não”, disse. E acrescentou: “Por que eu fui a escolhida? Não sei, mas me lembro de um cheiro de álcool de alguém, uma barba que machucou o meu rosto e algo que foi colocado na minha boca. Acordei dizendo que alguém tinha feito xixi na minha boca e meus irmãos disseram que eu tinha sonhado”. 

Este foi o primeiro de muitos casos. “Me lembro que andávamos de Kombi… Nós crianças íamos atrás. Eu tinha 5 ou 6 anos e os mais velhos eram pré-adolescentes, primos de segundo grau e amigos muito próximos da família. Sentia tocarem em mim, colocavam o dedo, doía, não sabia distinguir o que sentia, por isso não chorava e nem reclamava com ninguém sobre o acontecido”, relatou. “Essa mesma pessoa vinha ao Rio quando eu já tinha entre 9 e 10 anos, e, quando a família dormia, colocava seus dedos por debaixo dos lençóis e me tocava. Nesse tempo, esse parente distante já era um adolescente e sempre que podia me tocava. Por que eu não gritava, não chorava? Não sei!”, afirmou.

Durante todo o artigo, Xuxa deixa explícita sua incapacidade, na época, de falar com sua família sobre os abusos que sofria. Uma das exceções foi quando tinha 11 anos e começou a ser assediada por seu professor de matemática. “Me chamou depois da aula e, mesmo na frente da minha amiga Yara, ele disse que queria me deixar só de calcinha e colocar nas minhas coxas. Me perguntava: o que seria isso? Foi então que eu vi pela primeira vez alguém se masturbar”, contou.

“No outro dia, ele mandou que eu fosse ao quadro para escrever alguma coisa antes que os outros alunos da sala entrassem. Era hora do recreio, ele disse que isso iria me ajudar nas notas finais. Eu escrevi o que ele queria no quadro e vi que ele se tocava embaixo da mesa, usava uma calça quadriculada e se mexia muito, não entendia muito bem o que ele tava fazendo… Foi aí que o ouvi gemer e depois se limpar”, a apresentadora lembrou. E adicionou: “Eu perguntei o que tinha acontecido, se aquilo era colocar nas coxas. Ele riu e disse que não, mas que faria isso em mim, que não iria me machucar e que se eu falasse pra alguém sobre o que eu tinha visto ou o que ele havia falado: ‘ninguém iria acreditar, pois entre a palavra de um aluno e de um professor, o professor sempre ganha'”. 

Naquela noite, Xuxa perguntou para a irmã Mara “o que era colocar nas coxas”. A outra jovem ficou em estado de alerta e perguntou quem tinha falado aquilo. Mesmo assustada, a apresentadora contou a história, e assim foi transferida com o irmão para outro colégio. “Por que isso aconteceu comigo? Não sei. Por que não gritei? Por que não falei logo pra minha mãe? Não sei! Não sei mesmo”, se questionou, como muitas vítimas que passam pelo mesmo tipo de situação.

A apresentadora ainda contou de abusos que sofreu do namorado de sua vó, e outros do melhor amigo de seu pai. Com este último, Xuxa decidiu não relatar nada pois achou que a informação poderia influenciar no casamento de seus pais. “Eu estava de biquíni e camisetão. Ele tentou beijar minha boca. Me lembro que chovia e eu saí correndo pela rua até chegar na praia. Chorava muito, peguei um punhado de areia e passava no meu corpo para limpar toda sujeira que estava impregnada há anos… Chorei muito e pensei: se falo pra minha mãe, eles vão se separar, pois ele era o melhor amigo do meu pai. Se falo para o meu irmão, ele vai querer matá-lo…”, contou.

A apresentadora e uma das maiores personalidades da TV brasileira se calou “até os quase 50 anos”, quando contou um pouco de sua história no programa Fantástico, com o intuito de divulgar o disque denúncia, o Disque 100. “Dos 4 até os meus 13 anos, eu passei por várias situações que me fizeram ter mania de limpeza. Tomo de 3 a 4 banhos por dia, tenho vontade de estar com crianças pois elas não me fariam nenhum mal — isso é coisa de adulto. Hoje, quero emprestar minha voz em campanhas paras crianças que não falam, não gritam e choram sozinhas. Eu preciso fazer isso por elas, já que não fiz por mim”, concluiu.

A gente admira muito este exemplo de mulher, corajosa e inspiradora, que está tornando pública a própria história por um objetivo tão nobre! Para ler o relato completo, clique aqui