Esposa de Jacquin, Rosangela revela trauma após sofrer golpe da falsa babá e detalha esquema da criminosa: “Os meus filhos estavam dormindo com ela”

Dois meses após passar por um grande susto com uma babá falsa, Rosangela Menezes, esposa do Masterchef Erick Jacquin, se abriu sobre como se sentiu ao saber que havia deixado os filhos gêmeos, de um ano, aos cuidados da criminosa.

“Isso me abalou muito. Fiquei muito mal. Parece que você é violentada. Achei que era a babá perfeita e ser tão enganada assim”, lamentou ela em entrevista ao UOL. Rosangela, então, relembrou como entrou em contato com a mulher. “Uma amiga minha indicou a babá com base em informações de uma outra pessoa. Ela me trouxe os documentos dela e as referências. Mas todas as referências eram falsas e o documento estava em outro nome”, explicou.

Na época, Andrea Lopes da Silva, de 38 anos, usava a identidade da irmã, Angela, e foi acusada de realizar furtos nas casas das famílias nas quais trabalhava, incluindo a residência do francês. De acordo com a assessoria de imprensa do chef, ela chegou a furtar um relógio e uma bolsa de uma grife internacional, além de clonar o cartão de Rosangela.

Continua depois da Publicidade

“Até agora não consegui confiar em ninguém e estou me dedicando 24 horas para os bebês. Durante o dia eu fico com eles e o motorista acabou virando babá porque me ajuda. À noite também tem uma pessoa que me ajuda. Você começa a repensar em tudo, em cada pessoa que entra na sua casa. Ficou um trauma. Eu sei que vou precisar de alguém porque eles estão começando a engatinhar”, desabafou a mãe dos gêmeos Antoine e Elise.

Erick e Rosangela com os filhos, de um ano (Foto: Reprodução/Instagram)

Rosangela acrescentou que, por Jacquin ser uma pessoa pública e visada, o cuidado deles tem que ser maior. Entretanto, apesar do que as pessoas pensam, eles ainda não são milionários. “Agora é vida que segue, vamos ter que confiar em outra pessoa. Tem muita gente boa no mundo, mas vamos ter que ficar espertos e ter um cuidado redobrado. As pessoas pensam que estamos milionários, mas não estamos. Ainda não. Estou sonhando com isso”, afirmou.

Continua depois da Publicidade

A esposa do jurado do Masterchef relembrou o momento em que eles descobriram sobre a falsificação. “Essa pessoa ficou comigo por dois meses. Estávamos reunidos com amigos e um deles é delegado. Essa minha amiga que indicou a babá me mandou uma foto dela. Ela falou, ‘parece com a babá’. E eu falei, é ela”, recordou.

Andrea Lopes da Silva foi presa na casa do chef Erick Jacquin, após cometer diversos furtos na casa de seus antigos patrões, incluindo o próprio chef. (Foto: Reprodução/Record TV)

Ao checar os antecedentes e cruzar os dados originais da criminosa com os da irmã, que foram usados na contratação, o delegado descobriu que a falsa babá havia sido presa por policiais do 78º Distrito Policial no mês de janeiro, em cumprimento de um mandado de prisão expedido pela Justiça do Rio Grande do Norte, por furto. Ela já tinha outras passagens pelo mesmo crime.

Continua depois da Publicidade

“Fiquei louca e comecei a chorar. Os meus filhos estavam dormindo com ela. O delegado pediu para manter a calma. Tinham fotos dela de vários objetos da minha casa que ela tirava para passar para o receptador. Ela já sabia o que ia levar e ia levando aos poucos”, contou Rosangela.

Apesar do momento tenso, a mulher relembrou de um fato curioso e engraçado que passou com a antiga babá, envolvendo o gatinho da família, Johnny. “Ela falava, ‘esse gato não dorme. Ele é meu companheiro à noite’. O Johnny ficava atrás dela a noite toda. Eu nunca poderia imaginar”, disse ela, brincando que poderia colocar uma câmera no felino.

Após ser presa, Andrea Lopes assumiu sua culpa pelos crimes e confessou ter usado os dados da irmã para ser contratada pelas vítimas. Além de roubar e vender os relógios e outros itens de seus patrões, a falsa babá usava o cartão de crédito delas para comprar passagens aéreas. As autoridades confirmaram que a criminosa responderá por furto e falsa identidade e permanecerá detida. A Polícia Civil também avalia a possibilidade de outras famílias terem sido lesadas e não terem associado os crimes à mulher.