Fotojet

Estilista expõe mensagens cruéis de Chrissy Teigen e revela boicote da apresentadora: “Pensei em tirar minha própria vida”

Parece que a vida nos holofotes não anda muito boa para Chrissy Teigen… No início de maio, publicações cruéis da apresentadora sobre a modelo Courtney Stodden, feitas em 2011, ressurgiram. Nas mensagens, Teigen ofendeu a aparência da loira e chegou a desejar sua morte. Depois que a vítima falou sobre o bullying, Chrissy utilizou seu Twitter para pedir perdão. Desde então, as redes sociais da esposa de John Legend ficaram em silêncio, enquanto ela passava um tempo longe do olhar do público. No entanto, na tarde de ontem (14), Chrissy voltou a se pronunciar sobre o ocorrido em um longo desabafo, divulgado em seu blog.

Chrissy pede desculpas por tuítes antigos

“Eu sei que tenho estado quieta, e o Senhor sabe que vocês não querem ouvir sobre mim, mas eu quero que vocês saibam que estou sentada em um buraco de punição global merecida, o melhor: ‘sente aqui e pense sobre o que você fez'”, começou. “Nem um dia, nem um único momento se passou sem que eu não sentisse o peso esmagador do arrependimento pelas coisas que disse no passado. Como vocês sabem, um monte de meus velhos (horríveis, horríveis) tuítes ressurgiram. Estou realmente envergonhada deles. Ao olhar para eles e entender a dor que causaram, tenho que parar e me perguntar: como eu poderia ter feito isso?”, continuou ela.

A apresentadora então revelou que Stodden não foi seu único alvo. “Pedi desculpas publicamente a uma pessoa, mas há outras – e mais do que apenas algumas – para quem preciso pedir desculpas. Estou no processo de entrar em contato em particular com as pessoas que insultei. Eu entendo que eles podem não querer falar comigo. Eu não acho que gostaria de falar comigo. (…) Simplesmente não há desculpa para meus horríveis tuítes anteriores. Meus alvos não os mereciam. Ninguém merece. Muitos deles precisavam de empatia, gentileza, compreensão e apoio, não da minha maldade disfarçada de um tipo de humor casual. Eu era um troll, ponto final. E eu sinto muito”, pontuou. Leia a carta completa aqui.

Continua depois da Publicidade

Estilista revela novo caso

A tentativa de Teigen de seguir em frente após a polêmica, no entanto, não valeu de muita coisa. Isso porque, horas após a divulgação da carta aberta, o designer Michael Costello compartilhou sua própria experiência desagradável com a apresentadora. Em um longo desabafo, o estilista alegou que Chrissy, supostamente, tentou colocá-lo na “lista de vetados” da comunidade da moda. Costello utilizou o Instagram para compartilhar o relato. “Eu não queria fazer isso, mas não posso ser feliz até que eu diga o que penso. Eu preciso me curar e para fazer isso devo revelar o que tenho passado. Queria me matar e ainda estou traumatizado, deprimido e com pensamentos suicidas”, declarou.

Segundo Michael, a rixa com Teigen começou há 7 anos. “Em 2014, recebi um comentário público de Chrissy Teigen na minha página do Instagram, acusando-me de ser racista. Ela aparentemente formou sua própria opinião sobre mim com base em um comentário photoshopado que circulou pela internet, e que agora foi provado ser falso pelo Instagram e desde então retirado do ar”, relembrou. “Quando entrei em contato com Chrissy Teigen para comunicar que fui vítima de uma calúnia cibernética vingativa e que tudo o que ela pensava que eu era não é quem eu sou, ela me disse que minha carreira havia acabado e que todas as minhas portas estariam fechadas dali em diante. E uau, ela viveu de acordo com suas palavras”, continuou.

Continua depois da Publicidade

Costello então apontou que, ao longo dos próximos anos, sua vida no mundo fashion ficou cada vez mais difícil. “Eu conseguia empregos apenas para ser demitido de última hora, sem nenhuma explicação. Eu recebia regularmente mensagens de texto e ligações de nossos amigos e colegas em comum, dizendo que ela e Monica Rose, uma estilista poderosa na moda, saíram de seus caminhos para ameaçar as pessoas e marcas [dizendo que] se estivessem de qualquer forma associadas a mim, elas não trabalhariam com nenhum deles”, compartilhou. “Cada vez que implorei à Chrissy Teigen ou Monica Rose para ver toda a história antes de acreditar em uma narrativa falsa que um ex-funcionário descontente lançou sobre mim, elas não me deram atenção”, lamentou ele.

Michael disse, ainda, que a atitude da apresentadora o causou traumas profundos. “Tantas noites fiquei acordado, com vontade de me matar. Eu não via sentido em viver. Não havia como escapar de ser o alvo das poderosas elites de Hollywood, que realmente têm poderes para fechar portas com uma única mensagem. Eu não era apenas o alvo da difamação cibernética, mas também estava sendo bloqueado na vida real”, avaliou. “Eu sofri tremendamente nos últimos anos e fiquei calado porque não havia como escapar disso. Agora, estou encontrando coragem interior para compartilhar minha verdade, porque não posso me curar da hora mais obscura da minha vida até que eu revele [tudo isso]“, insistiu.

“Na semana passada, escrevi cartas pessoais para minha família e amigos mais próximos porque pensei que tirar minha própria vida seria a melhor saída. Não importa o que eu fizesse, simplesmente não pude escapar da falsa narrativa em que Chrissy Teigen, Monica Rose e seus amigos acreditavam. Eu disse à minha família o quanto os amo, o quanto me importo com eles e o quanto lamento pela minha decisão. Desde então, todos na minha família têm me mantido sob vigilância contra a minha vontade”, revelou Costello.

Continua depois da Publicidade

“Como resultado do que Chrissy Teigen fez comigo em 2014, não estou bem. Posso nunca estar bem, mas hoje estou escolhendo falar minha verdade. Não desejo mal a ninguém e não quero ficar brigando com ninguém. Eu só quero que as pessoas percebam que eu também sou humano e este foi o tratamento mais desumano já sofrido por alguém que viu suas décadas de trabalho árduo, anos de construção de uma marca, desmoronarem com um comentário”, desabafou. “Elas poderiam ter me procurado a qualquer momento, mas se recusaram. Em vez disso, elas preferem me ver sofrer e rir da minha morte. Até hoje, ainda não sou capaz de me recuperar dos anos de trauma que experimentei. Não estou pedindo simpatia. Em especial, não estou pedindo simpatia de Chrissy Teigen, Monica Rose e daqueles que acreditaram nas falsas narrativas que ouviram sobre mim. Eu simplesmente quero me libertar”, concluiu.

Na sequência, o estilista compartilhou prints das mensagens que Chrissy o enviou na época da briga. Nas imagens, é possível ver as tentativas de Costello em contatar a modelo para esclarecer a situação. “Chrissy, posso te ligar?”, perguntou ele. “Não! Eu não tenho nada a dizer para você. Você receberá o que está vindo para você”, respondeu a apresentadora. “Chrissy, nunca chamei ninguém da ‘palavra que começa com n’ (“the n word” é sinônimo de “negro”, em inglês. Trata-se de um insulto racista). Essas imagens falsas foram photoshopadas por um ex-funcionário insatisfeito”, insistiu o designer.

Chrissy Teigen e Michael Costello trocaram mensagens em 2014. (Foto: Reprodução / Instagram)

Continua depois da Publicidade

“Boa sorte com isso. Espero que essa história mantenha sua carreira já morta em andamento”, disparou Teigen. “Por favor me ligue. Estou sofrendo com isso mais do que você pode imaginar. Muitas pessoas estão me atacando por causa disso. É uma história falsa, mas seu comentário está adicionando mais lenha à fogueira”, implorou Costello. “Bom! Pessoas racistas como você merecem sofrer e morrer. Você também pode estar morto. Sua carreira acabou, apenas observe”, concluiu Chrissy.

Chrissy Teigen e Michael Costello trocaram mensagens em 2014. (Foto: Reprodução / Instagram)

Confira a publicação na íntegra:

Relembre o caso

No início de maio, antigas publicações que a apresentadora havia feito sobre a modelo Courtney Stodden em 2011 ressurgiram. Nas mensagens, Teigen disse coisas como “Eu te odeio”, “Quais drogas você usa para sua boca ficar assim? Estou perguntando para um amigo que quer parecer um idiota” e até “Mal posso esperar para você morrer”. Na época dos ataques públicos, Courtney tinha apenas 16 anos.

Depois que a vítima falou sobre o bullying que sofreu, Chrissy utilizou seu Twitter para pedir perdão por suas ações do passado. “Tentei entrar em contato com Courtney em particular, mas como alimentei tudo isso publicamente, também gostaria de me desculpar publicamente. Sinto muito, Courtney. Espero que você possa se curar agora, sabendo como estou profundamente arrependida”, escreveu ela, em 12 de maio.

IMPORTANTE: Se você ou alguém que você conhece está passando por dificuldades emocionais, ligue para o ‘Centro de Valorização da Vida’ pelo número 188. O CVV realiza apoio emocional, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email e chat 24 horas todos os dias. Para mais informações, clique aqui.