Hailey Bieber é impedida de usar sobrenome do marido para lançar linha de cosméticos; entenda o caso!

Barrada! Segundo o site The Blast, em abril, a modelo Hailey Bieber, esposa do astro Justin Bieber, tentou registrar a marca “Bieber Beauty” para, no futuro, lançar uma marca de cosméticos. No entanto, a tentativa dela foi negada pelo Escritório de Patentes dos EUA, devido a similaridades de sua marca com a do marido, que ele possui desde 2003 — quando tinha nove anos de idade.

De acordo com o Escritório de Patentes, há muitas semelhanças entre as marcas, o que poderia, eventualmente, causar confusão nos consumidores. O cantor possui marca registrada do próprio nome em áreas como cosméticos, fragrâncias, sabonetes, shampoos e cremes hidratantes.

No entanto, nem tudo está perdido para as ambições de Hailey no mundo da beleza e da moda. Anteriormente, ela havia registrado seu nome de solteira e o nome do meio, Rhode. Estes registros não foram negados. No entanto, se ela quiser usar o sobrenome “Bieber” para criar um império dos cosméticos, vai ter que se acertar com o maridão!

View this post on Instagram

safe place. happy place.

A post shared by Hailey Rhode Bieber (@haileybieber) on

Hailey não foi a única famosa que, recentemente, teve problemas com o Escritório de Patentes. A socialite Kylie Jenner e a cantora Kylie Minogue vinham travando uma disputa para definir quem poderia usar o nome “Kylie” em sua marca de cosméticos, mas a voz de “Can’t Get You Out Of My Head” levou a melhor. Após a vitória, a estrela do pop disponibilizou sua linha de maquiagens no site oficial de sua turnê, incluindo seis itens, que vão de brilho labial até sombras. Os preços variam entre 22 e 28 dólares, de acordo com o jornal Metro, e levam o nome de músicas importantes de sua carreira, como “Wow”, “Golden” e “Raining Glitter”.

Apesar das duas Kylies venderem maquiagens, e o nome de suas linhas se assemelhar, os produtos são significativamente diferentes. Enquanto Minogue optou por um tema brilhante e veranesco em suas embalagens, que lembram festas na piscina e estampam cores vibrantes, as embalagens de Kylie Jenner são mais minimalistas e em tons neutros. Compare abaixo:

(Fotos: Divulgação)

A primeira vez que Kylie Jenner tentou registrar a marca “Kylie” foi em em 2014, quando começou seus negócios no mundo dos cosméticos e das roupas. No entanto, Minogue já vendia seus produtos, como roupas, móveis e fragrâncias, com o nome “Kylie”. Rapidamente, os advogados da australiana interviram na tentativa de Jenner, enviando ao US Patent and Trademark Office, escritório norte-americano responsável por patentes e marcas registradas, uma lista de motivos pelos quais a marca não devia ser concedida à Jenner.

Na época, os representantes da cantora chegaram a chamar a socialite de “personalidade secundária de reality show”, o que não pegou bem e fez a intérprete de “In Your Eyes” admitir que tinha ficado “chateada” com a atitude, pois não queria atritos. “Mas nós tínhamos que lidar com a situação, então tudo foi resolvido de maneira bastante tranquila”, acrescentou. Em 2017, o Escritório de Patentes já havia rejeitado o pedido de Jenner, que recorreu da decisão. Parece que as duas Kylies terão que coexistir no mundo das makes!