Design Sem Nome 2022 01 05t130226.004

José de Abreu esclarece circunstâncias da morte de filho após queda aos 21 anos: “Uma camareira viu”

Em entrevista rara, o ator deu detalhes sobre a morte do filho primogênito, em 1992, e descartou a hipótese de suicídio

José de Abreu abriu o coração e se emocionou ao falar da morte do primogênito, Rodrigo, durante entrevista ao programa “Julia”, do canal SIC, de Portugal. O ator deu detalhes do drama que viveu em 1992, ano em que o filho perdeu a vida aos 21 anos, após cair da janela de um prédio.

De peito aberto, o artista lembrou do momento em que recebeu a trágica notícia: “Eu estava em Manaus, gravando uma novela chamada ‘Amazônia’. Estava tomando café da manhã no hotel, quando me chamaram no balcão pra atender o telefone fixo. O pai da Nara (ex-mulher de Abreu e mãe de Rodrigo) me disse: houve um acidente com o Rodrigo. Ouvi pela voz que era alguma coisa grave. Na hora falei: ‘morreu?’ (Ele respondeu) ‘caiu da janela'”.

Extremamente abalado, José então pegou o primeiro voo de volta ao Rio de Janeiro. “De Manaus ao Rio de Janeiro, naquele tempo, eram oito horas. O avião vinha parando em todos (aeroportos). Recife, Fortaleza, Salvador… Mas um dos diretores da empresa estava lá e imediatamente me deu um remédio que eu dormi a viagem inteira”, declarou.

Assets Fotos 911 Texto Da Novela Um Lugar Ao Sol E85aa60cab10
José está no ar na TV Globo com a novela “Um Lugar ao Sol”. (Foto: Globo/João Miguel Júnior)

O ator então esclareceu a circunstância da morte de Rodrigo, que chegou a ser cogitada como suicídio. “Um delegado de polícia ouviu uma testemunha, uma camareira do prédio em frente viu o que aconteceu. Ele (Rodrigo) fazia análise… O analista dele falou: ‘Absolutamente não há a menor possibilidade. O suicida dá sinais’. Foi acidente mesmo. O delegado que investigou, primeiro falou assim: ‘Quem se suicida, se lança. Seu filho caiu e foi batendo no prédio. A queda é diferente'”, pontuou.

Trinta anos após o ocorrido, Abreu disse ainda não ter se recuperado totalmente do trauma. “É uma dor que não acaba. É a vida invertida”, declarou ele, que ainda é pai de Bia, Theo, Ana e Cristiano.