Juliana Paes revela truques por trás de cenas sensuais e relembra sufoco ao tirar tapa-sexo: “Um horror!” — assista

Já se perguntaram como deve ser o clima nos bastidores de gravação de filmes ou novelas, quando a cena envolve sexo ou nudez? Além do nervosismo natural que rola antes de uma sequência mais íntima, Juliana Paes revelou alguns outros sacrifícios feitos pelos artistas, antes de se despirem diante das câmeras.

Durante uma live feita com o canal Telecine nessa sexta-feira (31), a atriz respondeu a perguntas enviadas pelos admiradores, que quiseram saber como é a preparação psicológica e física para esse tipo de cena mais sensual. “Toda vez que você tem que tirar a roupa, sempre tem um frisson, sempre tem aquele nervosinho. ‘Ai, meu Deus, é hoje. Hoje é aquela cena’. Por mais desinibida e tranquila que a pessoa seja, sempre tem isso”, disse ela à jornalista Renata Boldrini.

Continua depois da Publicidade

“Eu me considero uma atriz muito disponível para isso. Vem da minha criação também, eu acho. Eu tive uma criação que lida com a nudez de uma maneira muito natural. Talvez por ser uma família muito grande, uma casa com muita gente e um banheiro só. Sabe aquela coisa? Você está tomando banho, entra o pai, sai, entra a mãe… e não importa a idade. Isso já te deixa um pouco mais liberada com a nudez, com seu próprio corpo”, continuou.

(Foto: Globo/João Miguel Júnior)

Mesmo lidando muito bem com a nudez, Juliana admitiu sentir aquele friozinho na barriga quando precisa gravar cenas que exigem mais entrega de seu corpo. “A primeira coisa que a gente pensa é em como está escrita a cena. Essa cena é gratuita? É uma cena que precisa mesmo? Quando você sente que precisa, você vai. Quando chega a hora do ‘gravando’, eu já não penso em mais nada. Juro. Eu fico totalmente entregue. E tento me proteger o máximo possível. Se puder botar tapa-sexo, eu boto”, admitiu.

Super bem-humorada, Paes então explicou a fundo sobre como funciona essa preparação íntima. “A galera quer saber dos detalhes (risos). Às vezes, tem umas cenas, por exemplo, de sexo. Não dá para botar aquele tapa-sexo que aparece a lateral. Aí, a gente cola fita na frente. Entendeu? A gente faz um tapa-sexo colando micropore. Faz uma tanga de micropore! É uma coisa horrorosa!”, avaliou, aos risos.

Como se não bastasse a sensação esquisita ao remover as fitas depois, a atriz ainda contou que o local precisa ser maquiado, para não destoar com o tom da pele. “Gente, é um problema tirar aquilo. Aí você cola aquele negócio e fica com uma cor diferente da sua pele. Você dá uma maquiada para ficar com a cor no tom da pele. Esse momento de preparação é um horror”, comentou. Meu Deus! Kkkk

Por fim, ela explicou que na maioria das vezes, as equipes por trás das câmeras sempre se preocupam com o bem-estar dos atores, e muitos diretores optam por deixar as cenas mais calientes, para serem feitas ao final das gravações, quando os artistas já estão mais entrosados.

“Reduzem a galera que está no set, botam menos gente. A camareira fica do lado. Cortou a cena, vem a camareira correndo com o roupão e cobre o bumbum da gente (risos). Então, existem esses cuidadinhos. No final das contas, na hora da ‘ação’ e do ‘rodando’, a gente esquece um pouco quem está em volta. E tem que esquecer, senão você não faz”, finalizou. Assista ao trecho a partir de 26’00”: