KFC anuncia frango produzido em impressora 3D, e Paola Carosella detona a ideia; Reação da chef divide opiniões na web e irrita veganos — entenda!

Paola Carosella envolveu-se num grande debate nesta quarta-feira (22). Tudo começou quando a chef lamentou uma notícia sobre pesquisas para a criação de um “nugget impresso”, feito por impressoras 3D. Suas declarações repercutiram muito na web e dividiram opiniões… levando a jurada do “Masterchef Brasil” a discutir seus pontos de vista com seguidores.

Em um comunicado nesta terça (21), a franquia de fast-food KFC anunciou que trabalhará com a empresa russa 3D Bioprinting Solutions, para produzirem juntas uma carne de frango “impressa” através de técnicas de impressão 3D. A rede norte-americana fornecerá os ingredientes necessários, como panquecas e especiarias, enquanto sua parceira desenvolverá a tecnologia de bioimpressão. Para isso, serão usadas células de galinha e material vegetal para tentar reproduzir o sabor e a textura da carne, quase sem usar animais nesse processo.

Paola, por sua vez, ficou indignada ao se deparar com a notícia dessa parceria no jornal O Globo. “Olha que linda sua comida do futuro! Parabéns aos envolvidos!!! Continuemos assim, que o futuro vai ter gosto de papelão molhado em cloroquina radioativa!”, escreveu ela. Olha só:

Paola Carosella não ficou nada feliz ao ver que empresas pretendiam “imprimir” nuggets. (Foto: Reprodução/Twitter)

Muitos concordaram com a chef argentina, como a escritora Rosana Hermann, que também se assustou com essa ideia de “imprimir” comida. “Vão vender como ‘comida caseira! Imprima você mesmo seu almoço 3D em sua casa!’. Que horror”, declarou a apresentadora do “Porta Afora”. Dá uma olhada:

Opinião de Paola Carosella incomodou alguns internautas

No entanto, muitas pessoas adeptas ao veganismo e contra o uso de produtos com origens animais discordaram de Carosella. Um perfil no Twitter, por exemplo, afirmou que essa questão seria sim benéfica, para evitar a morte de animais. “Não envolve sacrifício animal e pode ser benéfico ao meio ambiente, parabéns aos envolvidos sim! Paola, eu super te admiro, mas, por favor, informe-se mais sobre o tema e tente reavaliar criticamente o seu posicionamento”, declarou.

A partir de então, deu-se início a uma série de debates entre Paola e os internautas. Mas a chef manteve seu ponto de vista, defendendo que ao invés de produzir coisas que imitam alimentos, através de tantos processos químicos e industriais, a sociedade deveria mudar suas formas de consumo, investindo em mais comidas reais.

“Me responde, por favor: o tipo de processo que envolve essa comida ultraprocessada considera a nossa cultura e conhecimentos ancestrais? Ela não usa bicho, mas usa soja, milho e óleo de palma – para o meio ambiente não muda nada. Pode não ter sofrimento animal, mas tem sofrimento humano”, rebateu a dona do La Guapa.

Paola Carosella defendeu que, ao invés de tentarem imitar comidas industrialmente, as pessoas deveriam mudar suas formas de consumo. (Foto: Reprodução/YouTube)

“Esse tipo de comida colabora com que as famílias sentem ao redor da mesa e compartilhem comida fresca feita por alguém, compartilhem, conversem, sentem ao redor de uma mesa e se relacionem com família? Ou é pra comer correndo dentro do ônibus numa cidade cinzenta toda de concreto que já aniquilou a natureza?”, continuou a chef.

Paola foi além, justificando que esse tipo de produção foi pensada apenas para gerar lucro às grandes empresas, sem considerar o lado ambiental. “Essa comida alimenta o quê? Quais sistemas? Essa comida respeita os nossos biomas? E as comunidades indígenas e seus saberes ancestrais? Ou essa comida protege um capitalismo excessivo e sangrento que não mede as consequências?”, argumentou ela.

“Greenwashing”

Paola também defendeu que as empresas estariam apenas fazendo uma prática conhecida como “greenwashing”, que representa estratégias de marketing e publicidade para se promover em cima de ideias “verdes” ou “sustentáveis”, tentando se apropriar dessas questões apenas para benefício próprio. A jurada do talent show da Band retuitou uma publicação que deixava isso claro, concordando com o que ela já havia comentado.

“GENTE. Greenwashing. Essas empresas estão C*GANDO pro meio ambiente. Tem mais oferta pra nós vegetarianos nos lugares porque essa demanda cresceu, e isso passou a VENDER MAIS. Bem-vindos ao capitalismo. Vocês acham que o McDonalds passou a fazer hambúrguer sem carne porque ama bicho?”, disse o tuíte compartilhado por Carosella.

Ao ser questionada por um seguidor, Paola respondeu como aderir aos hábitos de consumo mais saudáveis que ela estava defendendo. “Compre de pequenos produtores. Meio clichê, mas é um básico, procure por feiras de produtores no seu bairro, tem vários sites que mapeiam eles. Mas o mais importante, a verdadeira transformação está nas urnas… Empresas nasceram para lucrar, governos devem regular”, finalizou.

A chef argentina ainda deu a melhor resposta quando um perfil afirmou que não deveria importar se um “papelão vitaminado” fosse nutritivo. “Comer por prazer e pelo sabor é perfeito, mas o objetivo da alimentação é nos manter vivo suprindo a necessidade do nosso organismo. Então, se cumprir o objetivo, pouco importa se vai ser papelão vitaminado”, disse ele, ao que Paola ironizou: “Cara, acho que você ganhou, não consigo debater com isso não…”

O QUE DIZ O KFC

Em comunicado enviado ao hugogloss.com, o KFC informou que a carne de laboratório seria apenas um experimento pontual do grupo. “O KFC está consistentemente testando novos conceitos para se adequar às mudanças de preferência do consumidor, mas ainda com o compromisso de servir o melhor frango do mundo, feito da forma correta, todos os dias, em todo o mundo. O anúncio recente do KFC na Rússia em relação à carne de laboratório foi apenas um experimento e não é parte da estratégia de longo prazo da rede“, declarou.