Lana Del Rey declara seu amor por Ariana Grande e Billie Eilish, explica frase sobre Kanye West em canção, e diz que faltam mais músicas de protesto: “Há algo extremamente errado”

Prestes a lançar seu novo álbum, “Norman Fucking Rockwell”, Lana Del Rey concedeu uma entrevista ao New York Times, na qual conversou sobre diversos assuntos — do lançamento de seu novo trabalho, pertinho de Taylor Swift, a colaborar com Ariana Grande, e até sobre a sensação de “fim de mundo” que tomou conta das novas gerações, com os tiroteios em massa nos Estados Unidos e o desmatamento na Amazônia.

Quando indagada se, por acaso, se sentia intimidada de lançar algo com uma semana de diferença de um dos nomes mais proeminentes da indústria musical — Taylor Swift —, Lana revelou que não foi algo em que contemplou com antecedência. “Ohh. Bom, isso certamente me faz pensar mais a respeito do que eu estou fazendo com a minha vida”, confessou com uma risada (seu álbum sai nessa sexta-feira).

Como o jornal notou, Lana está e não está inserida na música pop ao mesmo tempo. Então, o que a levou a gravar o tema do reboot de “As Panteras” com Miley Cyrus e Ariana Grande? “Em primeiro lugar, eu realmente, realmente gosto da Ariana. Eu vinha escutando bastante ‘Dangerous Woman’. Eu peguei o número dela em algum ponto, e nós conversávamos. E aí ‘Thank U, Next’ saiu, e eu amei o álbum. Cada música, eu ficava tipo, como ela escreveu isso? Então, quando ela me pediu para participar do tema de ‘As Panteras’, eu disse: ‘Tudo bem, se você realmente quer que eu participe!'”, relembrou.

A voz de “Fuck It I Love You” disse que ama o pop atual, e que descobre os lançamentos de seus colegas de profissão através do Instagram. “Eu amo Billie Eilish, e eu sinto que estava esperando por esse período na cultura da música pop. Eu, pessoalmente, consigo discernir muito bem. Eu posso dizer se uma cantora pop, por exemplo, tem um espírito generoso, ou um fogo brincalhão em seu coração. Com a Billie, ela é um prodígio. Eu preciso ouvir uma linha, de uma melodia, e eu apenas sei. E depois, as escolhas de entonação de Ariana, podem não ser tradicionais, mas são muito boas”, revelou, acrescentando que também ama hip-hop.

A estrela, que tem as músicas melancólicas e nostálgicas como assinatura, afirmou que fica feliz que novas gerações de cantoras se inspirem em seu trabalho, porque, afinal de contas, ela gosta das próprias canções.

Lana também falou sobre uma linha de sua nova música, “The Greatest”, em que fala que Kanye West “está loiro e foi embora”. Anteriormente, a artista cantou no casamento do rapper com Kim Kardashian, e reprovou o apoio dele ao presidente norte-americano Donald Trump no Twitter. No entanto, ela não recebeu nenhuma reclamação pela letra da música. “Aí é que está: eu não quero provocar uma resposta. Você nunca se sente melhor por escrever algo assim. Mas Kanye simplesmente significa tanto para nós. E por sinal, eu sou muito grata por estar em um país onde todo mundo pode ter seu próprio ponto de vista político. Eu realmente não sou mais liberal do que sou republicana — estou no meio. Mas foi mais, tipo, o ânimo e a vibe ao redor, ‘Ei, esse homem é o melhor!’. Sério? O melhor? Isso me machuca. Eu precisava dizer algo? Não. Mas é apenas uma linha que representa um monte de coisas”, admitiu.

A publicação também quis saber de uma música lançada recentemente por Lana, “Looking for America”, em resposta aos tiroteios que aconteceram nos Estados Unidos. Para Lana, faltam mais músicas em protesto ao que está acontecendo em seu país e no mundo. “Eu sempre fico chateada quando escuto sobre qualquer coisa remotamente violenta. Mas eu fiquei extremamente chateada. De vez em quando, como, por exemplo, com a Amazônia queimando, as pessoas acordam e ficam tipo: ‘Uau, isso não é apenas uma fase. Há algo extremamente errado’. Eu gosto de ficar de fora, mas quando você tem tiroteios como esse — será que eu deveria afirmar que é a hora de dizer algo? Certamente foi para mim”, contou.