Larissa Manoela relembra bullying, poucas amizades e “exclusão” após “Carrossel”: “Achavam que eu ia desprezar”; confira!

Figurinha carimbada nas telinhas desde muito pequena, Larissa Manoela segue sendo uma das personalidades mais conhecidas da nova geração. Contudo, nem essa popularidade toda impediu que ela ficasse sozinha na escola. Na capa da semana da revista Quem, a atriz relembrou da infância, quando se sentia excluída e tinha poucas amizades.

“Sempre tive uma amiga na escola. Uma. Nunca fazia parte do grupo dos populares, dos legais e nem dos excluídos. Era uma galera ou muito cool, ou muito descolada, ou muito fashionista, que ia com reboco na cara todo dia”, disse. Isso também a levava a se questionar sobre seus sentimentos: “Quando minha melhor amiga faltava, eu tinha que lanchar sozinha. Eu falava ‘tá tudo bem, eu não estou triste’. Me chamavam de vez em quando para fazer um trabalho em casa, que eu não podia ir por causa das gravações”.

View this post on Instagram

A nossa menininha… ELA CRESCEU 😂❤ Aos 19 anos e passando por uma importante transição na carreira, @larissamanoela estrela sua primeira capa de Quem e fala sobre a parceria com a @netflixbrasil (Já viu #ModoAvião?), o namoro com @leocidade e bullying on e offline: "Nunca chorei por causa de comentários na internet, mas fiquei abalada, pensando: 'Estou fazendo o meu melhor. Por que essa pessoa está falando isso?'. Mas isso também acontece com minhas amigas que são anônimas. Não crio essa neura, nem fico em casa sofrendo e chorando. Já aprendi a ignorar, mas às vezes vou lá e respondo, dou uma atenção, que é isso que os haters querem", diz. 👊 Entrevista e ensaio completos no link do Stories! 📷: @dessapires, no @fairmontrio

A post shared by Quem (@quemacontece) on

Nos tempos de “Carrossel”, a repercussão de sua personagem também não tornava as coisas mais fáceis. “Na época da Maria Joaquina achavam que eu ia chegar na escola e desprezar uma pessoa como a personagem, e eu era contra aquilo, sofria muito ao fazer as cenas”, lembrou a atriz.

Larissa Manoela deu vida à Maria Joaquina de “Carrossel”, que repercutiu por sua maldade com o pequeno Cirilo. (Foto: Divulgação/SBT)

Tudo isso acabou tornando Larissa uma vítima de bullying. “Era engraçado porque eu conseguia proteger os outros do bullying, mas quando era comigo, não sabia muito bem me defender. Não sei se eu me importava muito. Eu tinha muito receio de se afastarem de mim pelo que eu estava sendo e de outros se aproximarem de mim por conta do que eu estava tendo. Até hoje existe isso, meus amigos conto em uma mão”, contou.

Com a fama, os julgamentos a seguiram até a adolescência. “Teve a viagem de formatura da minha turma para Porto Seguro. As meninas faziam brigadeiro em casa para vender e pagar a viagem. Aí me incumbi da missão de fazer com que todo mundo fosse. […] Chegando lá tinha adolescentes de outras escolas… Me olhavam de longe e riam da minha cara. Eu não entendia por quê”, revelou.

“Tudo o que eu faço não é gozação, é tipo… É muito incrível, eu trabalho desde os quatro anos, existe uma história. Mas algumas pessoas estavam ali com outros propósitos. Eu queria estar com a galera, com a minha turma, não estava pensando em beber, em fumar [como outros grupos]”, completou ela, sobre os episódios desagradáveis na viagem, em 2017.

Larissa Manoela agora está na Netflix, protagonizando “Modo Avião”. (Foto: Reprodução/Netflix)

Hoje, a estrela do novo longa da Netflix, “Modo Avião”, afirma ter aprendido a lidar com críticas e o cyberbullying que ainda recebe. “Não crio essa neura, não fico em casa sofrendo e chorando. Já aprendi a ignorar, mas às vezes eu vou lá e respondo, dou uma atenção, que é isso que os haters querem”, mencionou.

Cabelo, ok. Maquiagem, ok. Talento, ok. Fala sério, com tudo isso em alta, nem precisa gastar energia com o resto!