Noah Centineo abre jogo e relembra abuso de ‘muitos tipos de drogas’: ‘Estava muito triste’

Sóbrio há dois anos, Noah Centineo se abriu, pela primeira vez, sobre uma época sombria de sua vida em que usava todo tipo de droga para anestesiar a tristeza. Capa da revista digital da “Harper’s Bazaar”, o astro de “Para Todos os Garotos que Já Amei” ainda contou como lida com seus sentimentos atualmente.

De acordo com a publicação, o ator teve um período intenso de uso de drogas que começou quando ele tinha 17 anos e terminou um dia antes de seu aniversário de 21. “Há um sindicato de, tipo, 500 a 1000 crianças na indústria do entretenimento que estão tentando fazer seu nome [em Hollywood] e que tudo que elas fazem de segunda a segunda é festejar toda noite”, apontou Noah.

Entretanto, ele declarou que preferia noites apenas com os amigos a grandes festas. [Nossa coisa favorita era] usar Ecstasy e conversar por cinco horas e chegar ao fundo de algumas questões existenciais e filosóficas realmente profundas”, contou o jovem de 23 anos.

Questionado sobre o que mais usava além de Ecstasy, Centineo não teve papas na língua: “Tudo. Não havia muitas drogas que eu não usasse. Eu nunca injetei nada, o que é ótimo. Eu fumei muitas coisas. Eu estava muito triste. Foi uma época sombria da minha vida”.

Noah admitiu que usava muitas drogas entre os 17 e 21 anos (Foto: Getty)

Para a Harper’s Bazaar, o muso contou que seus pais se separaram quando tinha 15 anos e que ele foi morar com a mãe em um quarto de hotel enquanto sua irmã ficou com o pai, um pastor, na Flórida. “Como um menino de 15 anos vivendo em um lugar tão pequeno com a minha mãe, eu senti a obrigação de preencher uma posição que estava vaga e, fazendo isso, eu reprimi muitas emoções”, admitiu.

No entanto, ele insistiu que atualmente não faz mais isso e explicou como trabalha os sentimentos negativos. “Eu surto muito. Eu gosto de banhos longos. Eu gosto de meditação. Gosto de escrever em diários. Eu falo bastante comigo mesmo se eu estou bravo com algo que eu fiz. Eu realmente grito comigo, olhando no espelho no meu quarto. Tipo: ‘Cara, pare! Isso é inaceitável. Você é melhor que isso!’. Eu me culpo por muitas coisas, mas eu também consigo me tirar de ciladas. E isso é algo muito forte”, declarou.

Noah vive uma vida bem mais tranquila desde que conseguiu o papel de mocinho no longa da Netflix (Foto: Divulgação/Netflix via EW)

Por fim, o intérprete do Peter Kavinsky revelou como lida com a ‘fama’ e o status de ‘celebridade’, duas palavras que ele nunca diz associadas a si mesmo. “É mais uma bênção do que uma maldição. Mas me pergunte novamente em cinco anos, quando eu não conseguir mais sair da indústria. Se esse for o meu caminho, eu talvez tenha uma resposta diferente para você, mas agora estou tentando aproveitar cada momento disso”, concluiu.

A sequência do longa que fez sua carreira alavancar, “Para Todos os Garotos P.S. Ainda Amo Você” foi lançada nesta quarta-feira (12) na Netflix. Aproveite para assistir à entrevista que Hugo Gloss fez com o astro e a protagonista, Lana Condor, durante a passagem deles pelo Brasil: