Príncipe William revela o pior presente que já deu à Kate Middleton: “Ela nunca vai me deixar esquecer”

Nem a família real está imune a dar aquele presente beeem errado. Durante uma entrevista para o podcast “That Peter Crouch”, lançada nesta quarta-feira (29), o príncipe William revelou que Kate Middleton não conseguiu disfarçar sua reação ao receber dele uma lembrancinha um tanto quanto inusitada, no começo do relacionamento.

O assunto surgiu após o apresentador comentar sobre ter comprado uma capa de chuva para a esposa, Abbey Clancy, durante três anos seguidos. Foi então que o futuro rei contou sobre o item que selecionou para Kate. “Eu dei um par de binóculos para a minha esposa uma vez, ela nunca vai deixar eu me esquecer disso!”, brincou.

Em sua defesa, o duque de Cambridge disse que realmente tinha achado que seria um ótimo presente. “Foi bem no começo do nosso namoro. Eu os embrulhei. Eles eram muito legais. Eu estava tentando me convencer sobre isso. Eu fiquei, tipo: ‘mas isso é demais! Olha o quão longe você pode enxergar'”, relembrou.

No entanto, mesmo com toda a animação do amado, Kate não conseguiu esconder seus sentimentos. “Ela ficou me olhando, tipo: ‘Mas são binóculos, o que está acontecendo?'”, contou o príncipe. “Não deu muito certo. Honestamente, eu não faço ideia de por que comprei um par de binóculos para ela”, admitiu ele.

Príncipe William e Kate Middleton juntos em 2011 (Foto: Getty)

Também na entrevista, William mostrou que é bem “gente como a gente” ao confessar que suas principais preocupações durante a quarentena são as aulas dos filhos e mantê-los ocupados em casa. “Eu achei muito desafiador tentar manter as crianças engajadas e interessadas em alguma atividade”, contou.

“Foi interessante por alguns meses, mas eu aprendi que a minha paciência é bem menor do que eu achei que fosse! Essa foi a minha maior revelação… já a minha esposa é super paciente”, descreveu ele, contando que teve dificuldades ao ajudar George com a matemática do segundo ano. Quem diria, hein?

O objetivo principal do papo com o podcast da BBC Radio Five foi apoiar a campanha “Heads Up”, criada em parceria com a The Football Association (da qual William é presidente), que usa o futebol para iniciar conversas sobre saúde mental. “Todos nós precisamos nos manter bem mentalmente. É uma força falar sobre sua saúde mental, não uma fraqueza. Se você não está se sentindo bem ou se tem algo incomodando você, fale sobre isso. Não é um problema”, reforçou o príncipe.

William comentou, então, que o futebol era uma forma de escape para ele nesse sentido. “Desde que eu me tornei pai, sem dúvidas, o futebol se tornou ainda mais importante para mim do que costumava ser. Eu preciso sair e ficar entre outros caras para aliviar a tensão e gritar um pouco”, explicou.

No entanto, nem sempre isso é possível. “Eu sou o presidente da ‘The Football Association’ e não posso fazer isso”, lamentou. “Mas se tornou muito mais relevante para mim e eu preciso disso. Falar sobre futebol me ajuda muito”, acrescentou ele.

Ao relacionar o futebol à paternidade, William ainda comentou que conseguia ver o primogênito, príncipe George, se tornando “o maior recordista de gols” de seu time do coração, o Aston Villa. Além disso, o futuro monarca revelou duas histórias bem curiosas de sua relação com o esporte.

Segundo o príncipe, ele é proibido de usar a conta do Kensington Palace no Twitter desde que a assumiu em uma partida particularmente boa de futebol entre o Liverpool e o Barcelona. “Foi um jogo incrível e eu fiquei encantado com ele. Foi um dos melhores jogos que eu já vi e eu fiquei completamente fora de controle. Eu apenas peguei a conta e coloquei pra fora”, revelou.

Uma vez para nunca mais! “Quase todos os jogos do Villa que ganhamos, que não foram muitos nesta temporada, mas em quase todos, eu tento roubar o acesso, mas eles me mantém longe. Eu tenho que lutar para conseguir”, brincou. Por essa a gente nunca imaginaria! kkkk

A outra história aconteceu há algum tempo, quando William tinha cerca de 15 anos. Ele revelou que, quando costumava jogar futebol na escola, “todo mundo queria quebrar [suas] pernas”, então usou seus privilégios para pregar uma peça nos oponentes.

“Eu pedi para um dos seguranças apontar uma caneta laser nele. Aí ele colocou o pontinho vermelho em um dos jogadores. Eu tinha 15 anos na época e disse: ‘Viu, ele está te seguindo'”, recordou o duque. “Você fingiu que tinha um sniper atrás dele?”, chocou-se o apresentador. “Exatamente… isso o parou por cerca de, você sabe, dez minutos”, completou William.

Ouça o episódio do podcast na íntegra abaixo: