Sam Smith revela pensar em redesignação sexual e relembra lipoaspiração aos 12 anos de idade: ‘Tristeza’

Só mesmo a MARAVILHOSA Jameela Jamil para deixar alguém à vontade a ponto de se abrir tanto como Sam Smith nesta entrevista. Na estreia do “I Weigh Interviews”, da atriz no Instagram, o cantor e compositor britânico abordou temas delicados de sua vida pessoal, como sua questão com o próprio peso e sua não-binaridade de gênero. De acordo com o dono de “Stay With Me”, às vezes, ele pensa até na possibilidade de uma cirurgia de redesignação sexual.

Eu sempre tive uma guerra com meu corpo e na minha mente [sobre como me definir]… Eu penso como uma mulher na minha cabeça, às vezes. Eu às vezes sentei e questionei, eu quero uma mudança de sexo? É algo que eu ainda penso, mas não acho que seja o caso”, ponderou. “O genderqueer não-binário significa que você não se identifica em um gênero. Você é apenas você! Você é sua própria criação especial. É assim que eu me vejo. Eu não sou homem nem mulher. Eu acho que flutuo em algum lugar no meio – um pouco no espectro”, explicou, traçando em seguida um paralelo com a orientação sexual.

Eu estive com muitos homens heterossexuais para saber que nem todos que dizem que são heterossexuais são totalmente heterossexuais. Às vezes você pode gostar de fazer um pouco disso aqui e um pouco disso. Você se apaixona por pessoas, não por genitais. Eu sempre fui muito livre em termos de pensar sobre sexualidade. Eu tentei mudar isso em meus pensamentos sobre gênero. Talvez eu não seja homem. Talvez eu não seja mulher. Talvez eu seja só eu. E tudo bem“, concluiu Smith a Jameela.

Na mesma conversa, Sam ainda desabafou sobre sua já antiga insatisfação com o que vê ao se olhar no espelho. “Eu tinha seios completos e fiz uma lipoaspiração. Eu tinha 12 anos. Eu acho que na época eu fiquei muito feliz com isso. Mas realmente não mudou nada. Acho que voltei para o peso anterior em duas semanas, porque eu não tinha entendido o meu relacionamento com a comida. Mas ter 12 anos e fazer uma lipoaspiração no peito é um grande problema. Isso foi a base de toda a minha tristeza”, declarou, acrescentando ter sofrido muito com o bullying.

Eu tive algumas situações horríveis na escola com os meninos. Um cara agarrou meu peito uma vez e brincou com ele na frente de todos os seus amigos. Eu costumava fazer minha mãe escrever bilhetes para a escola quando eu tinha oito anos, para eu não ter que ir para as aulas de natação, porque eu teria que segurar meu peito assim“, disse ele, cobrindo o peito com os braços. “Literalmente, tudo que já me fez ficar triste tem a ver com meu peso. Eu luto com isso todos os dias. Eu comecei a terapia há um ano e é por isso que estou fazendo isso, e é por isso que estou começando a me aprofundar e perceber que é em parte por isso que fico triste“, refletiu Smith.

View this post on Instagram

In the past if I have ever done a photo shoot with so much as a t-shirt on, I have starved myself for weeks in advance and then picked and prodded at every picture and then normally taken the picture down. Yesterday I decided to fight the fuck back. Reclaim my body and stop trying to change this chest and these hips and these curves that my mum and dad made and love so unconditionally. Some may take this as narcissistic and showing off but if you knew how much courage it took to do this and the body trauma I have experienced as a kid you wouldn’t think those things. Thank you for helping me celebrate my body AS IT IS @ryanpfluger I have never felt safer than I did with you. I’ll always be at war with this bloody mirror but this shoot and this day was a step in the right fucking direction 👅🤘🏼🍑

A post shared by Sam Smith (@samsmith) on

Por fim, o cantor ainda relacionou o machismo com a dificuldade dos homens em falarem sobre peso e imagem corporal. “Não parece viril falar sobre como me sinto em meu corpo todos os dias. Mas é contra isso que estou tentando lutar”, finalizou. Sim, você está lutando e fazendo algo ainda maior, que é encorajar muitas pessoas pelo mundo afora em relação à aceitação! Mais um motivo para te admirarmos, Sam!