Scarlett Johansson critica “politicamente correto” e gera polêmica, após desistir de papel trans no cinema: “Deveria poder interpretar qualquer um”

Nem todos são fãs do famoso “politicamente correto”. Scarlett Johansson mostrou ser parte desse grupo de pessoas na última semana. Ao desmentir informações de uma entrevista sua para a revista As If Magazine, a atriz causou polêmica, criticando esse ideal, e dizendo que poderia interpretar qualquer pessoa ou coisa no cinema. Eita!

Para entender a situação, precisamos explicar onde tudo começou. Scarlett estava escalada para viver uma personagem transexual no filme “Rub & Tug”. Entretanto, após muitas críticas por estar assumindo o papel (visto que ele poderia ser de uma pessoa trans), a estrela de Hollywood deixou isso para trás. E o que ela abordou no bate-papo para a publicação foi algo bastante relacionado a isso!

Reclamando desse tipo de situação, nossa Viúva Negra teria comentado em entrevista que poderia assumir qualquer papel, apenas pelo fato de ser atriz. “Deveria ter permissão de interpretar qualquer pessoa, ou qualquer árvore, ou qualquer animal porque esse é o meu trabalho e os requerimentos do meu trabalho”, expressou ela, segundo a As If.

No entanto, as controvérsias vieram ainda mais fortes após o comunicado da artista, divulgado pelo Buzzfeed News ontem (15). Ao se posicionar, a musa de “Vingadores” mostrou que gostaria que seu trabalho fosse “imune ao politicamente correto”. “Eu pessoalmente sinto que, em um mundo ideal, qualquer ator deveria poder interpretar qualquer um, e a arte, em todas as formas, deveria ser imune ao politicamente correto”, explicou Johansson.

De acordo com Scarlett, sua declaração na revista também teria sido distorcida, e ela esclareceu que se tratava sobre o “confronto entre o politicamente correto e a arte”. “Uma entrevista que foi publicada recentemente foi editada para atrair cliques, e amplamente tirada do contexto”, contou a atriz. “Esse era o ponto que eu estava falando, embora não tenha chegado do outro lado”, adicionou.

Scarlett Johansson no tapete vermelho do People’s Choice Awards 2018, em novembro. (Foto: Matt Winkelmeyer/Getty)

Contudo, apesar de sua opinião, ela ainda assim notou a questão problemática da falta de representatividade em Hollywood, bem como seus privilégios no mercado. “Eu reconheço que, na realidade, existe uma discrepância de ampla extensão na minha indústria que favorece os caucasianos [brancos], atores cis-gêneros, e que nem todos os atores receberam as mesmas oportunidades com as quais eu fui privilegiada”, declarou Scarlett.

Por fim, Scarlett quis se posicionar em prol da diversidade, tentando dar um ponto final na questão. “Eu continuo a apoiar, e sempre apoiei, diversidade em toda as indústrias, e vou continuar a lutar projetos em que todos sejam incluídos”, finalizou a diva.

Após todo o bafafá, os trechos que teriam sido supostamente alterados não estavam mais disponíveis na versão online da As If Magazine. Que situação, hein, gente?!