Fotojet (4)

Tiago Abravanel dá a melhor e mais poderosa resposta para a tia, Patrícia, que minimizou homofobia: ‘As pessoas morrem por isso’; assista

Na noite dessa terça-feira (1º), Tiago Abravanel rebateu um discurso feito pela tia, Patrícia Abravanel, durante o programa “Vem Pra Cá”, do SBT. Na ocasião, a filha de Silvio Santos falou sobre a polêmica envolvendo Caio Castro e Rafa Kalimann – que compartilharam nas redes um vídeo de um pastor, dizendo achar errado aqueles que são gays, mas que os respeitava. Os comentários da apresentadora geraram revolta, já que ela minimizou a homofobia, pediu compreensão dos membros da comunidade com quem “ainda está aprendendo” e ironizou a sigla LGBTQIA+.

Bastante calmo e paciente, Tiago contestou as declarações da parente. “Vamos falar sobre um assunto delicado. Minha tia, a Patrícia Abravanel, fez um comentário que me pegou de um jeito que não ficou legal. O comentário que ela fez foi em cima de um ocorrido com Rafa Kalimann e Caio Castro, antes de ontem. Isso gerou algumas retratações deles e aí, a Patrícia e o Gabriel Cartolano comentaram esse ocorrido”, começou.

Continua depois da Publicidade

“Eu resolvi fazer esse vídeo, porque eu acho que assim como ela falou ao vivo o que ela pensa, eu acho que eu também preciso falar o que eu penso aqui nas minhas redes. Tentar falar para você, tia, como eu me senti assistindo, tá? Eu acho que em primeiro lugar, orientação sexual não é uma questão de opinião. É uma questão de respeito. Você não precisa ser como eu, mas precisa respeitar quem eu sou e ponto final”, prosseguiu.

Fotojet (3)
“Orientação sexual não é uma questão de opinião. É uma questão de respeito”. (Foto: Reprodução/Instagram)

O cantor, apresentador e ator seguiu explicando como a homofobia opera nesses tipos de pensamentos e “opiniões”: “Opinar, você opina se uma roupa é bonita ou feia para você. Se você quer café ou chá, ou se você gosta de doce ou salgado. A orientação sexual do outro não é da opinião de ninguém. A não ser da pessoa que escolheu ser aquilo que ela é. Escolheu não. Ela nasceu assim, então, não é uma questão de opinião. Ponto. Quando se opina em relação a isso… Esse é um ato homofóbico”.

Abravanel também sinalizou o pedido da tia para a comunidade LGBTQIA+ ser mais tolerante diante de erros cometidos por pessoas mais “conservadoras”. “Não é uma questão de tolerância, de calma, porque as pessoas sofrem com isso. As pessoas morrem por isso. Isso é muito sério. Quando um casal de homens, gays, está na Avenida Paulista e leva uma lampadada na cabeça, não dá tempo de explicar. Não dá tempo de explicar”, enfatizou, mencionando um caso de 2010, em que um jovem gay foi vítima de intolerância e agredido na rua.

O artista ainda frisou que não cabe aos membros da comunidade ensinarem, mas sim às pessoas que ainda seguem magoando e desrespeitando os LGBTQIA+, correrem atrás de se informar: “Se você (Patrícia) quiser me ligar pra perguntar qualquer coisa, pode ligar. Eu vou te explicar com calma e todo o carinho. Mas a partir do momento que você vai pra TV e fala o que bem entende, você é responsável por aquilo. Não dá pra passar a mão na cabeça. Mas dá pra você reconhecer seu erro. Se você tem vontade de saber, procure saber, vá atrás. Essa responsabilidade é sua”.

Por fim, Tiago ainda deu um leve puxão de orelha na tia, que parecia não querer ouvir as explicações de Gabriel Cartolano, seu parceiro de programa, na edição ao vivo. “Me preocupa também ver o Cartolano tentar te explicar e eu sentir, pode ser uma impressão minha, mas eu senti que não houve uma atenção de fato ao que ele estava falando. Pra gente aprender, a gente precisa escutar. Se você quer saber, procure saber. Você como comunicadora tem essa responsabilidade. E você como cidadã, tem essa obrigação. Continuaremos lutando e aprendendo todos os dias”, encerrou ele. Uau! Muito corajoso, lúcido e esclarecedor.

Assista ao vídeo na íntegra:

Entenda o caso

Após polêmica envolvendo Caio Castro e Rafa Kalimann, que compartilharam um vídeo nas redes sociais, no qual o pastor Claudio Duarte, declarou considerar como errado quem é homossexual, mas que, supostamente, respeitava a comunidade LGBTQIA+, foi a vez de Patrícia Abravanel retomar a discussão.

Na edição desta terça-feira (1º) de seu programa “Vem Pra Cá”, do SBT, a apresentadora escolheu o primeiro dia do mês em que se celebra o Orgulho LGBTQIA+ para pedir compreensão da comunidade para com os conservadores e intolerantes. A nova controvérsia começou quando a filha de Silvio Santos recordou o caso da ex-BBB e do ator da TV Globo e tentou discursar sobre o assunto ao lado de Gabriel Cartolano. A herdeira do SBT teceu uma série de declarações problemáticas e ainda desdenhou da sigla da comunidade.

Continua depois da Publicidade

“Eu acredito que nós, mais velhos, e nós, que fomos educados por pais mais conservadores, estamos aprendendo, a gente está se abrindo. Mas acho que também é um direito [ser intolerante]. As pessoas deviam respeitar [a intolerância]. Por que não concordar em discordar? A gente pode ter opiniões diferentes, eu e o Cartolano, mas tudo bem! Então assim, tudo é muito enfatizado, tudo é muito polemizado e eu não acho que o Caio Castro, por exemplo, ou a Rafa, são preconceituosos, são homofóbicos… Eu acho que eles realmente foram educados de uma outra maneira”, iniciou Patrícia.

O discurso complacente com o preconceito continuou e ela então cometeu mais uma gafe ao citar a sigla da comunidade LGBTQIA+ de forma errada não apenas uma, mas duas vezes. “Então eu acho que assim, assim como LGDTBYH-não-sei (sic), não sei, querem o respeito, eu acredito que eles têm que ser mais compreensivos com aqueles que hoje ainda não entendem direito ou estão se abrindo para isso”, acrescentou.

“E é difícil quando a gente vai educar filhos, falar disso, sabia? Então eu vou falar pra todo o pessoal do LGBTC (sic), é muito difícil educar filhos e falar assim: ‘O quê que eu vou falar para o meu filho? Como falar?’ Porque a gente vem de um conservado— a gente não sabe lidar. Tem que ter respeito e compreensão e não um massacre, não um cancelamento. Acho que não é por força, não é por poder, mas é por diálogo, por conversa, por respeito, assim que a gente vai chegar num mundo sem homofobia, sem tantas discussões, cancelamento”, concluiu.

Continua depois da Publicidade

Na sequência, o co-apresentador do programa, Gabriel Cartolano, decidiu dar seu ponto de vista e explicou que é necessário, assim, ter respeito pelas pessoas. “A questão, Pati, quando a gente levanta esse debate, eu fico pensando aqui: ‘Ah, eu sou contra, mas eu respeito’. Eu acho que essa questão, eu acho que você nasce [homossexual] e quando você nasce é um direito seu de ser, de estar, sabe? Eu entendo o conflito de gerações”, declarou ele, que foi interrompido por Abravanel. “Sabia que até isso é dialogado? Por isso que assim, tem crenças, isso é um assunto tão difícil”, disse ela.

Cartolano então voltou a falar. “Eu acho que quando você adota esse discurso do: ‘Ah, eu sou contra, mas eu respeito’, eu acho que você acaba segmentando mais ainda. Entendeu?”, questionou o apresentador. “Então, eu falo com muitos [homossexuais] e eles falam que tem uns que nascem, eles falam, realmente, tem gente que nasce assim. Sim, eu acredito que tem gente que realmente nasce assim. E tem aqueles que estão querendo experimentar de tudo e aí não sabe o que é, fica naquele conflito, então tem de tudo, eu acho que tem de tudo, gente”, declarou Patrícia.

Continua depois da Publicidade

“Eu preciso ser ensinada, eu não sei, meus pais, eu preciso aprender como vou falar isso para os meus filhos. Eu já tenho falado, já tenho conversado, porque é claro que como pais, a gente vai amar nossos filhos independente da orientação sexual deles, enfim”, disse a filha de Silvio Santos.

Foi neste momento que, em mais uma tentativa de intervir na discussão desrespeitosa, Gabriel apontou os problemas com a naturalização do discurso intolerante de Abravanel. “É que quanto mais a gente naturaliza isso na sociedade, o que acontece, esse tipo de fala, eu acho que ajuda quando a criança chega na escola e diz assim: ‘Olha lá, eu respeito, mas eu não posso’. Então quando você cria [a criança] naturalizando essa situação, a criança da nova geração ela já não enxerga isso como se fosse uma barreira”, explicou.

O bate-papo então, finalmente, foi encerrado e o programa fez um intervalo. Já na volta, os apresentadores surgiram na tela acompanhados de Gabriel Cardoso, fotógrafo do programa, que ajudou Patrícia a entender o significado de cada uma das letras da sigla LGBTQIA+.