Cena de sexo em novo filme do diretor de “Azul é a cor mais quente” causa polêmica e faz público deixar sessão em Cannes; entenda!

Vixee! Festival de cinema de Cannes sem polêmicas não é a mesma coisa… O responsável da vez por protagonizar as manchetes com um filme controverso é o cineasta Abdellatif Kechiche, o mesmo que causou muito no evento seis anos atrás com o lançamento do longa “Azul é a cor mais quente”. Dessa vez, seu mais novo trabalho, “Mektoub, My Love: Intermezzo”, não agradou grande parte do público e vem dando o que falar na mídia…

A trama, uma continuação de “Mektoub, My Love: Uno Canto”, lançado em 2017, é baseada no romance escrito por François Bégaudeau, o “La Blessure, la vraie”, que fala sobre uma atração amorosa tórrida e complexa. Mesmo ciente das já tradicionais cenas de sexo explícito dos seus trabalhos, o público que foi prestigiar Abdellatif teria se sentido constrangido com a sequência filmada pelo diretor.

Segundo o Telegraphy, várias pessoas chegaram a se levantar e deixar a sala de cinema durante uma cena que mostra a protagonista interpretada pela atriz Ophélie Bau tendo relações sexuais com um homem dentro de um banheiro. O jornal relatou que a sequência é longa e gráfica, com diversos closes nas partes íntimas dos atores e no sexo oral feito pela artista.

Elenco de “Mektoub, my love” prestigia lançamento em Cannes. (Foto: Getty)

A crítica especializada aponta que, embora as pessoas tenham se levantado durante a cena de sexo, não se sabe ao certo se elas foram motivadas por pudor, falta de sensibilidade ou então pelo tédio com o filme que tem quatro horas de duração. Robbie Collin, crítico de cinema do Telegraph deu apenas uma estrela para a segunda parte de “Mektoub, My Love”.

Nas redes sociais e análises especializadas, alguns cinéfilos se manifestaram sobre o filme e relataram o incômodo com os closes íntimos nas nádegas das mulheres da produção considerando uma grande “viagem pela bunda”. O crítico de cinema, Joshua Rothkopf, comparou o longa ao reality show “Jersey Shore”, da MTV norte-americana. “MEKTOUB, MY LOVE é o JERSEY SHORE de Kechiche: cenas infindáveis ​​de flerte e dança em bares. A câmera é um pescador constante“, escreveu.

O internauta Stephen Miller fez um registro da sala de cinema ao fim da sessão com diversos lugares vagos e relatou: “Eu presenciei o pior filme em competição e seu nome é MEKTOUB. Lixo desprezível e masculino. Aqui está o restante da equipe esqueleto que não saiu (do cinema)“.

Já David Ehrlich, crítico do IndieWire foi categórico em seu comentário. “MEKTOUB MY LOVE: INTERMEZZO: o diretor de ‘Azul é a cor mais quente’ fez um filme de 4 horas sobre bundas. É a mesma duração que ‘Lawrence of Arabia’, e literalmente 60% do filme é close-ups de bundas. Eu tive um leve surto psicótico em um ponto“, disse. Eita!