Atrizes são expulsas de evento e comediante é vaiada após confrontarem presença de Harvey Weinstein: ‘É o Freddy Krueger!’; assista aos vídeos

Dois passos para frente e um para trás. Nessa quinta-feira (24), três mulheres foram reprimidas após expressarem sua indignação pelo produtor Harvey Weinstein – acusado de uma série de abusos sexuais, que incluem estupros – estar aproveitando tranquilamente um evento para jovens artistas.

Em um relato indignado postado em seu Facebook, a atriz Zoe Stuckless contou ter ido ao “Actors Hour”, evento cuja missão declarada é empoderar artistas em ascensão e “criar um espaço aberto para os criadores dividirem o que amam”. No entanto, não foi assim que ela se sentiu ao ver que um dos convidados era justamente o produtor.

“Ele estava cercado várias jovens mulheres e dois seguranças. Ele não estava se escondendo. Ele veio assistir a jovens artistas serem vulneráveis no palco”, revoltou-se ela, que chamou a noite de “uma das mais surreais de sua vida”. “Ele estava sentado lá, podendo dar risada, e bater palmas e beber e flertar e ninguém estava dizendo nada”, desabafou.

A jovem, então, contou que, pensando em todas as vozes que já foram silenciadas por anos, paralisadas pelo medo, ela decidiu se pronunciar. Em um vídeo postado em suas próprias redes sociais, Zoe mostrou o momento em que demonstrou sua indignação.

“Ninguém vai dizer nada? Ninguém vai realmente dizer nada?!”, gritou ela, com a voz embargada. “Eu vou ficar a um metro de um estuprador? E ninguém vai dizer nada?”, continuou a jovem. O vídeo é encerrado rapidamente, assim que duas pessoas a abordam para sair do local. “Eu vou sair daqui, tudo bem. Eu estou feliz de sair”, concluiu. Assista:

Publicado por Zoe Stuckless em Quarta-feira, 23 de outubro de 2019

“Eu fui expulsa do bar esta noite. Os seguranças dele me escoltaram para fora. Os organizadores do evento ficaram felizes de me ver sair. De alguns modos, essa coisa foi um lembrete horrível e doloroso do poder que um homem como Weinstein mantém mesmo agora. Entretanto, foi um lembrete de que nossas vozes têm muito mais poder quando ficamos juntas”, ressaltou Zoe em sua publicação.

Assim como ela, outra mulher que decidiu se manifestar foi rechaçada. A comediante Kelly Bachman usou o seu tempo de apresentação para falar sobre a presença de Harvey no evento e foi vaiada por outros convidados.

“Eu estou me sentindo meio tensa, mais alguém? É nosso trabalho dar nomes para o elefante na sala. Nós sabemos quem ele é? Sim, é o Freddy Krueger, se podemos chamar assim. Eu não sabia que nós precisávamos trazer nossas próprias defesas e apitos contra estupro esta noite”, discursou ela, antes de ter que ouvir vaias e um grito de “cale a boca”… de um homem, claro.

“Foi algo que eu disse? Obrigada por garantir que a indústria estivesse na sala para a minha apresentação, Actors Hour”, escreveu Kelly ao postar o vídeo de sua apresentação. Veja abaixo:

Outra artista que estava lá, Amber Rollo, também descreveu o evento com indignação. “Fiquei chocada ao vê-lo sair de casa, mas não por pensar que ele deveria ter vergonha, ele é um sociopata e claramente não tem vergonha. Estou chocada que ele esteve em um evento realizado por e para artistas”, explicou ela em seu Twitter.

Após as ações tomadas pelas suas duas colegas, ela também reagiu. “Eu fui até ele, disse que ele era um monstro e que deveria desaparecer [de lá]. O homem que estava com ele me chamou de b*ceta. Eu queria partir para cima dela, mas me contive. Uma mulher que estava com ele gentilmente me guiou para fora. Eu não sei quem ela é, mas espero que ela esteja bem”, lamentou a jovem.

Mais tarde na mesma noite, o bar no qual o evento foi realizado se posicionou sobre as jovens expulsas. “A empresa Actors Hour alugou nosso espaço para um evento privado com sua própria lista de convidados. Pouco tempo depois do início, uma convidada começou a atacar outro, causando perturbação para todo mundo lá dentro. Depois de vários pedidos para que ela parasse serem ignorados, nós gentilmente pedimos para ela sair”, afirmou o comunicado.

“Saibam que nosso objetivo é criar um ambiente onde todos se sintam bem-vindos. Nós respeitamos a privacidade dos nossos patronos e parceiros e queremos garantir que todos os convidados sejam tratados igualmente, com o mesmo serviço e respeito. Com esse objetivo em mente, nós tomamos a decisão de permitir que a noite continuasse como planejada”, concluiu o bar.

Dear Patrons,We want to address some concerns about a recent incident at Downtime. A company called Actors Hour rented…

Publicado por Downtime Bar NYC em Quinta-feira, 24 de outubro de 2019

A empresa “Actors Hour” não se pronunciou sobre o caso. Pelo contrário, os organizadores bloquearam todos os comentários de seu Instagram para evitarem as críticas.

Em um comunicado para o “The Hollywood Reporter”, um representante de Harvey comentou a história: “Harvey Weinstein estava com amigos aproveitando a música e tentando achar algum consolo em sua vida que virou de ponta cabeça. A cena foi desnecessária, absolutamente rude e um exemplo de como o processo dele hoje está sendo esmagado pelo público, que tenta retirá-lo da corte também”.

Harvey Weinstein é acusado de inúmeros abusos sexuais (Foto: Zoe Stuckless/Reprodução; Getty)

“Como um outro ponto: Harvey de fato sugeriu que a mulher poderia falar e perguntar qualquer coisa a ele. O espaço pediu para a mulher se retirar, não ele. Eu gostaria de pontuar que ele está sendo tratado como se já estivesse condenado. Acusações não são condenações. Qualquer um deveria poder estar lá se estão de acordo com as normas do espaço”, concluiu o porta-voz.

As acusações contra Weinstein ganharam força em outubro de 2017, quando a imprensa norte-americana revelou uma série de denúncias de atrizes e profissionais da indústria cinematográfica contra o poderoso produtor de Hollywood. Ao menos 75 mulheres relataram abusos sexuais cometidos por ele, incluindo estupros.

O caso foi um dos responsáveis pelo surgimento do movimento “#MeToo”, através do qual mulheres do entretenimento, da política e de outros ramos acusam homens em posições de poder de má conduta sexual.