Samuel

Jovem gay brasileiro é espancado até a morte na Espanha, e caso gera onda de protestos contra homofobia no país: “Ato selvagem e cruel”

Um rapaz de 24 anos, identificado como Samuel Luiz Muñiz, foi brutalmente espancado até a morte na madrugada deste sábado (3), em La Coruña, na Espanha. Segundo a imprensa espanhola, o jovem auxiliar de enfermagem tinha origem brasileira, mas se mudou para o país com um ano de idade.

O caso despertou a indignação da população, que iniciou uma onda de protestos contra a homofobia no país europeu. Nesta segunda-feira (5), milhares de pessoas se reuniram em Madri, Barcelona e outras cidades para se manifestarem. As denúncias de testemunhas indicam que se tratou de um crime de ódio motivada pela orientação sexual de Samuel. A polícia investiga essa possibilidade.

Segundo a amiga do rapaz, Lina, informou ao jornal El Mundo, os dois estavam se divertindo em uma boate no dia do crime. Foi a segunda noite que a cidade abriu suas casas noturnas até altas horas da madrugada. A testemunha contou que os dois foram para o lado de fora do estabelecimento um pouco antes das 3 horas da manhã, para fumar e fazer uma chamada de vídeo com Vanessa, a namorada de Lina.

Em certo momento, um jovem se aproximou e começou a intimidar a dupla, reclamando por achar que estava sendo filmado. Ele estava acompanhado por uma mulher. Os amigos tentaram explicar o que estava acontecendo, quando o criminoso disparou: “Ou pare de gravar ou mato você, viado”.

Continua depois da Publicidade

Lina relembrou que Samuel só teve tempo de perguntar “Viado o quê?”, quando foi atacado por um soco forte. A testemunha e uma pessoa desconhecida conseguiram separar os dois, porém, minutos depois, o agressor teria voltado com mais pessoas para continuar a briga. A garota calcula que o grupo seria de 12 agressores. Em seguida, eles teriam espancado a vítima até a morte, enquanto gritavam “viado de merda”. Depois do crime, eles fugiram. As equipes de resgate tentaram reanimar Samuel por duas horas, mas ele não resistiu.

Xsamuel Luiz Muniz.jpg.pagespeed.ic.xp6vtr67la
Samuel foi brutalmente assassinado em um ataque aparentemente homofóbico. (Fotos: Reprodução/ Facebook)

Maxsoud Luiz, pai do rapaz assassinado, escreveu uma carta agradecendo os trabalhadores da saúde “por todo o esforço feito”, e lamentou a perda de Samuel: “Levaram embora a única luz que iluminou a nossa vida. Sabemos que ainda teremos um longo caminho a percorrer; seremos apoiados pela nossa família, amigos e colegas que nos ajudarão a sair deste caminho tenebroso”.

Nenhuma prisão foi confirmada por enquanto, mas a polícia está investigando o caso. José Miñones, representante do governo da Galícia, afirmou que os oficiais trabalharão com “absoluta discrição e sigilo”, sem ainda confirmar ou descartar a hipótese de homofobia. “Estamos em um momento chave em um procedimento normal em que a obtenção de depoimentos e detalhes são muito importantes”, afirmou.

Continua depois da Publicidade

O crime, ocorrido justamente na Semana do Orgulho LGBTQIA+, causou revolta e reuniu milhares de pessoas em protestos nesta segunda-feira. Os manifestantes gritavam palavras de ordem como: “Não são espancamentos, são assassinatos” e “Eles estão nos matando“. Nas redes sociais, internautas usaram a hashtag #JusticiaParaSamuel para prestar solidariedade ao rapaz. “Espero que a investigação da polícia em breve encontre os autores do assassinato de Samuel e esclareça os fatos. Foi um ato selvagem e cruel. Não vamos dar um passo atrás em direitos e liberdades. A Espanha não vai tolerar isso“, escreveu Pedro Sánchez, primeiro-ministro da Espanha, em uma rede social.

Protest In Madrid Against Homophobia
Protestos pediram justiça pelo assassinato de Samuel. (Foto: Getty)

A ministra dos Direitos Sociais e secretária geral do partido de esquerda Podemos, Ione Belarra, também deixou uma mensagem de repúdio ao acontecido. “Todo o meu amor e apoio à família e aos amigos de Samuel. E todas as minhas condenações a este crime de ódio. Queremos um país sem violência onde todos se sintam livres por causa de quem são. Que seja feita #JusticiaParaSamuel”, escreveu ela.

Já a ministra da Igualdade, Irene Monteiro, manifestou seu “afeto nestes momentos difíceis”. “Devemos construir uma sociedade mais livre entre todos nós, na qual não deixemos espaço para o ódio”, disse. A organização Avante LGBT+, que convocou as manifestações, clamou nas redes sociais “para se esclarecer se foi um assassinato homofóbico, conforme indicado por testemunhas“.