Líder de seita sexual que atuava em Hollywood é condenado a pagar R$17 milhões de indenização à vítimas. (Divulgação / 'The Vow')

Líder de seita sexual que atuava em Hollywood é condenado a pagar indenização milionária a vítimas; saiba valor e detalhes

Nesta terça-feira (20), o criminoso sexual e líder de uma seita que atuava em Hollywood, Keith Raniere, foi condenado a pagar uma indenização de US$ 3,4 milhões (cerca de R$ 17 milhões na cotação atual) para 21 mulheres, que eram vítimas de suas ações como líder da NXIVM. Raniere está preso desde 2019, cumprindo uma pena de 120 anos em um presídio federal no Arizona, nos Estados Unidos.

Segundo o The New York Times, uma parte do valor será usado para pagar os procedimentos de remoção das cicatrizes, feitas com ferro quente na pele das mulheres que foram tratadas como escravas sexuais. No mês passado, a atriz Allison Mack, conhecida mundialmente por interpretar Chloe Sullivan na série “Smallville“, foi condenada a três anos de prisão por seu envolvimento com a seita.

Cerca de 100 pessoas tinham apresentado pedidos de restituição à Justiça dos Estados Unidos. De acordo com os documentos apresentados e as testemunhas do caso, os membros da seita eram obrigados a fornecer aos “senhores” material pessoal sensível ou embaraçoso, chamado “colateral”. Esse material era utilizado para coagir o cumprimento de ordens, incluindo algumas para “seduzir” Raniere.

O processo de restituição pode ser complicado, principalmente pelo fato de que o criminoso pode não ter meios para pagar o que foi ordenado. No entanto, os procuradores disseram às autoridades que ele tinha rendimentos na seita e de outra organização, chamada “Executive Success Programs”. Os responsáveis também garantiram que pediriam que “fundos confiscados” fossem utilizados para a restituição.

O jornal norte-americano informou que o culpado esteve presente virtualmente durante a sentença. Em certo momento, quando o juiz responsável perguntou se Keith tinha algum comentário, ele declarou que não tinha qualquer ligação com os materiais pessoais fornecidos pelas vítimas. “Nunca lidei com as garantias. Não sei nada sobre isso”, teria dito.

Keith Raniere, líder da seita Nxivm (Foto: Reprodução/YouTube)
Keith Raniere, líder da seita Nxivm (Foto: Reprodução/YouTube)

Entenda o caso

As investigações das autoridades apontaram que o guru Keith Raniere passou duas décadas recrutando mulheres. Ele usava a organização de autoajuda “NXIVM” como fachada para seus negócios ilegais, promovendo uma espécie de culto que teria envolvido Mack e, possivelmente, outras atrizes de Hollywood. Allison era “assistente” do criminoso e figura essencial para a eficácia do esquema.

O culto sexual funcionava em um sistema semelhante ao esquema de pirâmide, em que “mestres” recrutavam “escravas”. Estas, por sua vez, recrutavam outras, tornando-se “donas” dessas “novatas”. Em depoimento ao The New York Times em maio de 2018, a atriz afirmou que isso era “sobre devoção” e “como qualquer prática espiritual ou religião”. Segundo ela, sua entrada para o culto aconteceu durante um período em que ela estava descontente com sua carreira de atriz na televisão e teria pedido a Raniere para “fazer dela uma grande atriz novamente”.

Allison Mack deixa tribunal de Nova York em 24 de abril de 2018, após ser liberada para cumprir prisão domiciliar sob fiança de USS 5 milhões. (Foto: Drew Angerer/Getty Images)
A artista foi presa por recrutar escravas sexuais para o “coach” da seita. Elas tinham o peso controlado, eram chantageadas com fotos eróticas e até marcadas a ferro. Mack inclusive tuitou para famosas como Emma Watson, convidando-as a aprender mais sobre suas técnicas de empoderamento feminino. De acordo com a publicação, muitas mulheres que participaram do culto disseram que melhoraram com esse esquema, e Mack concordou. “Eu encontrei meu espírito e continuei me fortalecendo toda vez que eu fazia algo difícil“, declarou.
Continua depois da Publicidade
Em 2020, a HBO lançou a série documento “The Vow”, que conta o esquema com uma riqueza de detalhes impressionante. A produção explica a fachada limpa que encobria a seita sexual NXIVM e como um falso “grupo de autoajuda” baseado na violência, existiu durante vinte anos infiltrado em Hollywood. As pessoas atraídas pelo culto tinham perfis bem semelhantes: artistas buscando destaque na indústria de entretenimento norte-americana. Cheios de ambições e de frustrações, eram alvos perfeitos da manipulação, com um líder que se apresentava como intelectual e mentor de ricos e famosos. Assista ao trailer oficial: