Homem queimado

Moradores de cidade no México matam turista em linchamento por conta de rumor no Whatsapp

Daniel Picazo tinha 31 anos foi espancado e queimado vivo com gasolina após boato de uma suposta tentativa de sequestro de um menor

Os perigos de compartilhar as famosas “correntes do zap” e acreditar em tudo o que é recebido… Um homem de 31 anos foi linchado e queimado vivo por moradores de Papatlazolco, cidade localizada no interior do México, depois que foi identificado equivocadamente como um ladrão de crianças.

O caso aconteceu na última sexta-feira (10), após um áudio circular pelo WhatsApp alertando as famílias para cuidarem de seus filhos, pois haveria pessoas na região com o intuito de sequestrar crianças. Cerca de 200 moradores enfurecidos com a situação capturaram Daniel Picazo, ex-assessor da Câmara dos Deputados de México, o espancaram e queimaram vivo com gasolina.

De acordo com o jornal local El Universal, o homem estava na cidade apenas a passeio como turista. A polícia e os paramédicos foram acionados, mas acabaram impedidos de chegar até o local porque o grupo de assassinos bloqueou a passagem. Quando finalmente conseguiram encontrar Daniel, ele já não estava mais com vida.

Homem queimado
Daniel Picazo trabalhou como assessor da Câmara dos Deputados de México até março de 2022. (Foto: Reprodução/Facebook Daniel Picazo)

Continua depois da Publicidade

A irmã da vítima se pronunciou através de um post na rede social e demonstrou indignação com o caso. “Descobrir como tiraram sua vida me causa a maior repulsa pelas pessoas que injustamente fizeram isso sem saber que você era um profissional, um amante das viagens e da vida, com um futuro brilhante. Voe alto, meu Dany, confio que Deus fará justiça a todas aquelas pessoas que cortaram suas asas”, disse.

O governo do município de Huachinango emitiu um comunicado afirmando que a situação está sendo investigada. “A justiça com as próprias mãos não é justiça, e sim barbárie. As autoridades competentes já estão investigando o ocorrido para determinar responsabilidades”, confirmou.

Continua depois da Publicidade

Em 2018, também aconteceu um caso semelhante no México. Em menos de 48h, quatro pessoas também foram queimadas vivas após rumores de roubo de crianças serem espalhados, sendo dessa vez não só através do WhatsApp, mas também pelo Facebook.