Polícia Civil descobre paradeiro de autor do perfil “Homem Pateta”, que assusta e incentiva suicídio a crianças e adolescentes — saiba detalhes

Nos últimos dias, perfis na web conhecidos como “Homem Pateta” têm assustado pais e responsáveis, por induzirem e incentivarem crianças ao suicídio. De acordo com o jornal Metrópoles, a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) já tem informações iniciais sobre o paradeiro do dono da conta original nas redes sociais, identificado no perfil como Jonathan Galindo.

Segundo informações preliminares repassadas pela Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal), a DPCA apurou que o autor do perfil original de Galindo seria italiano e já teria sido preso na Europa. O suspeito teria publicado nas redes sociais os primeiros textos ligados ao perfil do Homem Pateta.

As apurações sobre a prisão do autor da conta ainda estão em fases iniciais. Os investigadores da DPCA buscam confirmar a veracidade das notícias sobre a identidade do suspeito. Enquanto isso, a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) tem estudado o caso do Homem Pateta no Brasil, e os policiais de Brasília afirmaram que não houve ocorrência de casos locais com o personagem.

Os perfis falsos de Jonathan Galindo, conhecido como “Homem-Pateta”, imitam o personagem da Disney. (Foto: Reprodução/Facebook)

Ainda assim, existem algumas contas nomeadas como Jonathan Galindo no Facebook que também apresentam conteúdo em português. Além disso, o programa “Encontro” desta terça (29) expôs o relato da mãe de uma criança de 10 anos, que afirmou que seu filho teria tido contato com um dos perfis do Homem Pateta.

“Há uns 10 dias, meu filho perguntou se podia dormir no meu quarto. Estava trêmulo e com muito medo. Eu comecei a perguntar e veio uma crise de pânico que foi muito feio de ver. Aí, ele disse que, pela manhã, viu um vídeo em que um perfil de Jonathan Galindo mandava o meu filho se jogar de um prédio”, explicou ela, que preferiu ter sua identidade preservada.

Entenda o caso

Na semana passada, a Polícia Civil de Santa Catarina emitiu um alerta sobre o Homem Pateta, que assim como os casos da boneca Momo e do jogo da Baleia Azul, também traria um conteúdo viral apontado como perigoso. Foram encontrados vários perfis falsos, todos com o nome de Jonathan Galindo, exibindo a imagem de um homem com o disfarce de um personagem da Disney.

De acordo com a polícia, estes perfis supostamente atrairiam crianças e adolescentes para conversas privadas no Facebook. Nesse bate-papo com os jovens usuários, eles ainda enviariam mensagens assustadoras, fariam desafios e até mesmo incentivariam as crianças a tirarem suas próprias vidas.

De acordo com a Polícia, o Homem-Pateta pode atrair crianças para conversas privadas, podendo até mesmo incentivar o suicídio. (Foto: Reprodução/Facebook)

O conteúdo das páginas analisadas pela polícia varia entre o português e espanhol – o que poderia ser um sinal de que os autores não seriam, necessariamente, do Brasil. Segundo o site Tilt, do Uol, dentre as publicações encontradas estava um vídeo em inglês, no qual um homem fala “Sou eu, Larry” e, no final, espera-se um susto do espectador. Há também outra gravação em que ele está sentado no sofá e um outro homem senta em seu colo.

Como funciona?

Ivan de Souza Castilho, agente da Polícia Civil em Santa Catarina, revelou ao Tilt que as principais formas de atuação do Homem Pateta seriam através de vídeos, áudios, mensagens e chamadas em vídeo. De acordo com ele, os perfis também apresentam poucas informações e fazem o convite para um contato privado. “O conteúdo da resposta tem a intenção de causar desconforto, medo e, em alguns casos, tenta provocar o suicídio”, contou.

Homem-Pateta em outros países

Além do Brasil, outros países já reportaram casos sobre o Homem Pateta. O Tribunal de Justiça e Polícia Civil de Santa Catarina afirmou que, desde 2017, esses perfis já eram conhecidos em países língua espanhola, especialmente o México.

O autor do “Homem-Pateta” original seria italiano e já estaria preso. (Foto: Reprodução/Facebook)

No nosso país, o alerta se deu apenas na semana passada porque as contas de Jonathan Galindo por aqui foram identificadas recentemente. Há indícios de que as pessoas por trás desses perfis falsos estejam apenas reproduzindo as práticas que eram realizadas no exterior, compartilhando o conteúdo em português.

Alerta aos pais

Acima de tudo, o alerta veio para que pais, responsáveis e professores também ficassem atentos quanto a isso. Em entrevista ao UOL, a delegada Patrícia Zimmermann D’Ávila, que coordena a DPCA, deixou sua recomendação: “Uma criança sozinha no meio da rua de madrugada é vulnerável e está sujeita a todo e qualquer risco. Na internet é a mesma situação. Infelizmente, existem pessoas que sentem prazer em causar dor e sofrimento nos outros”.

Segundo ela, Santa Catarina ainda não havia registrado denúncias. No entanto, a delegada soube que outros estados já registraram boletins de ocorrência relacionados ao assunto. Por isso, é necessário um controle e atenção ainda maior dos responsáveis. “Você deve esclarecer ao seu filho o que ele pode ou não pode, estabelecer limites. Conversar, orientar e, se acontecer, acolher”, disse para Fátima Bernardes.

A delegada Patrícia Zimmermann D’Ávila esteve no “Encontro” e alertou aos pais para que controlem o uso das redes sociais dos filhos crianças e adolescentes. (Foto: Reprodução/TV Globo)

Em sua participação no “Encontro”, D’Ávila também incentivou as denúncias, e explicou qual o procedimento a seguir caso alguma criança tenha tido contato com o Homem-Pateta. “Caso o seu filho tenha tido contato, é muito importante que não apague a rede social e as mensagens, faça um boletim de ocorrência. Esses dados são muito importantes para a investigação”, enfatizou ela. Mais do que tudo, ter cautela com as crianças é essencial!