George Floyd Sobrinha

Sobrinha de George Floyd, de 4 anos, é baleada dentro de casa nos EUA; saiba detalhes

Arianna, neta da irmã de George Floyd, foi vítima de tiros enquanto dormia em sua própria casa

No último sábado (1º), uma garotinha de 4 anos foi baleada em Houston, nos Estados Unidos. Já nesta terça-feira (4), a emissora ABC13 revelou que se tratava de Arianna, uma sobrinha de George Floyd. De acordo com o canal, a criança levou um tiro enquanto dormia em sua cama.

Um suspeito – ou suspeitos – não-identificados abriram fogo contra a casa da família dela, na qual estavam quatro adultos e duas crianças. Arianna foi atingida na região do torso e levada de carro a um hospital nas proximidades. Segundo a polícia, a menina passou por uma cirurgia e foi estabilizada. De acordo com o pai dela, a garotinha teve o fígado e um pulmão perfurados, além de três costelas quebradas. No entanto, ele afirma que ela está se recuperando.

Continua depois da Publicidade

Até o momento, não houve prisões no caso e a polícia não se manifestou sobre os possíveis culpados. Por outro lado, a família de Arianna contou à ABC13 que eles conhecem quem disparou os tiros contra a residência. O mais inusitado, porém, é que eles também disseram à emissora que o tiroteio teria sido “só uma coincidência”.

Segundo o TMZ, a criança é neta de LaTonya, irmã de George Floyd. Ou seja, tecnicamente, Arianna é sobrinha-neta dele. Apesar de nova, a menina também teria comparecido a alguns protestos no ano passado para homenagear seu finado tio – que foi assassinado em maio de 2020. “Essa é a Arianna, de 4 anos. Ela estava na frente e no centro das marchas e protestos no caso do tio dela, Goerge Floyd”, contou a repórter Mycah Hatfield, que apurou o caso.

Continua depois da Publicidade

George Floyd tinha apenas 40 anos quando foi asfixiado até a morte na cidade de Minneapolis, no dia 25 de maio de 2020. O ex-policial Derek Chauvin foi quem pressionou o joelho no pescoço do ex-segurança por mais de 8 minutos, enquanto Floyd clamava por socorro, gritando: “Eu não consigo respirar!”. Testemunhas registraram a cena e o vídeo circulou o mundo, gerando uma onda de indignação e protestos contra o racismo e a brutalidade policial, inflamando o movimento “Vidas Negras Importam”.

Derek Chauvin George Floyd
Derek Chauvin foi condenado a 22 anos de prisão, acusado de asfixiar George Floyd até a morte. (Fotos: Reprodução/Twitter; Divulgação)

Em junho de 2021, Derek Chauvin foi condenado a 22 anos e meio de prisão pela morte de George Floyd. Em um julgamento considerado histórico nos Estados Unidos, o ex-policial foi considerado culpado em três acusações: por homicídio culposo; por causar a morte, sem intenção, por meio de um ato perigoso, sem consideração pela vida humana; e por negligência ao assumir o risco consciente de causar a morte de Floyd.