Taylor Swift revela motivo de término de ex, e cita Drake e DiCaprio em novo álbum; confira todas as referências de ‘Lover’

“Lover” já está entre nós, swifties! Taylor Swift lançou seu sétimo álbum de estúdio nesta sexta-feira (23) e, como bom disco da cantora, ele está repleto de detalhes específicos sobre a vida dela nos últimos anos e tem referências a shades antigos, amores passados e presentes e, até, a celebs que não têm nada a ver com a história!

Em “I Forgot That You Existed”, por exemplo, Tay faz uma menção a todas as tretas de 2016 que foram alvo do último álbum dela. “Com a primeira música desse álbum eu queria nos tirar da era Reputation. Reputation foi sobre passar pelo luto da perda de sua reputação e todas as fases que você enfrenta. Essa música resolve todo o conflito com um ‘dar de ombros’“, explicou a cantora ao Spotify.

A letra fala sobre ela se preocupar muito com uma briga até que finalmente a esquece. Nela, ainda há uma menção direta a algum artista quando Swift diz “eu teria estado lá na primeira fila, mesmo que ninguém viesse para o seu show”. Pode ser tanto para Kanye West, quanto para o ex-namorado dela, Calvin Harris, com quem ela teve vários conflitos após o término.

“I Forgot That You Existed” ainda faz uma referência ao Drake! “E eu não conseguia me livrar de você. Você estava nos meus sentimentos mais que o Drake”, canta Taylor, fazendo trocadilho com “In My Feelings”, um dos maiores hits do rapper canadense.

Por falar em celebs que não têm nada a ver com a história, em “The Man”, a musa ainda menciona Leonardo DiCaprio: “E eles apenas fariam um brinde para mim ou deixariam os jogadores jogar. Eu seria como o Leo em Saint Tropez”. Já em “London Boy”, Taylor se compara a uma “Stella McCartney do Tennessee”. Pra quem não sabe, a designer fashion fez uma linha de roupas em parceria com a cantora para a era “Lover”.

Apesar disso tudo, é a segunda música do CD, “Cruel Summer”, que está sendo uma das mais comentadas. Ao analisarem a letra da canção, os fãs perceberam que provavelmente a diva teria se separado de Tom Hiddleston, em 2016, para ficar com Joe Alwyn. “Eu queria que essa música fosse como um amor de verão desesperado que poderia já estar condenado desde o começo”, explicou Swift ao Spotify. Com quem ela teve apenas um “amor de verão”? Ele mesmo, nosso Loki.

Tom Hiddleston também marcou presença em “Lover” (Foto: Getty)

Para quem não se lembra, Taylor começou a namorar Hiddleston em junho de 2016 após conhecê-lo no MET Gala, em maio, evento em que ela também conheceu Alwyn. “Cruel Summer” parece mostrar a cantora querendo que uma relação dê certo, mas percebendo que tem sentimentos por outra pessoa. “Eu chorei como uma bebê indo para casa depois do bar. Disse que estava bem, mas não era verdade. Eu não quero manter segredos, apenas para manter você”, ela canta.

Em “Paper Rings”, Tay dá a entender a mesma coisa ao dizer “eu odeio acidentes, exceto quando nós fomos de amigos para iss […] O vinho está frio como o gelo que eu te dei na rua, gato e rato por um mês, ou dois, ou três”. É como se eles tivessem continuado amigos desde o MET Gala, mas Taylor o evitasse pelos meses seguintes porque ela estava em outro relacionamento.

Por fim, ainda temos várias declarações da fofa para o mozão, Joe. Em “Lover”, Tay canta: “Eu te amei por três verões agora, querido, mas eu quero todos”. E, sim, eles estão juntos há três anos. Também temos “London Boy”, em que Taylor fala sobre todos os lugares de Londres que começou a gostar de ir após começar a namorá-lo. E, em “I Think He Knows”, a loira diz: “Ele tem aquela aparência de menino que eu gosto em um homem”. Segue abaixo uma foto que fala mais que mil palavras:

28 com carinha de 22! (Foto: Getty)

Quer mais? Tem sim! “Cornelia Street” é uma das canções mais pessoais do disco e foi escrita 100% por Swift. Nela, a cantora fala sobre uma rua em que alugou uma casa para os dois viverem juntos e diz que, se eles se separassem, ela nunca mais andaria por lá. Coincidentemente, a rua Cornelia existe em Nova York, cidade dela, e em Londres, cidade de Joe. Em qual delas será que Taylor alugou um lugar, hein?

Na última música, “Daylight”, também escrita pela musa sozinha, ela fala que já acreditou que o amor seria “vermelho vivo”, exatamente como em sua música “Red”, de 2012, mas agora acha que é “dourado como a luz do dia”. A canção acaba com um áudio dela falando que quer ser definida pelas coisas que ama, não pelo que odeia. Essa é a mesma frase que está na introdução da versão física do álbum. Ou seja, um ciclo completo e bem diferente do disco antecessor.

Ouça o álbum inteiro abaixo:

Uau! Obrigada, Taylor Swift, por nos agraciar com mais um álbum incrível.