Após comentário racista de apresentador do SBT, repórter que estava ao vivo pede demissão: “Nunca me senti tão constrangido”

Que situação! Nesta terça-feira (09), um episódio no “Alterosa Alerta” – atração de uma afiliada do SBT em Minas Gerais – tomou conta das redes sociais. Na ocasião, o apresentador Stanley Gusman fez um comentário e recebeu inúmeras acusações de racismo. Já nesta quarta (10), o repórter que falava com ele no momento, Rafael Martins demitiu-se e publicou um desabafo em seu Facebook.

Rafael, que também é deputado estadual em Minas, anunciou sua decisão e confirmou também que não pretende voltar atrás, não! “Em função das declarações do APRESENTADOR Stanley Gusman, DECIDI DEIXAR O PROGRAMA ALTEROSA ALERTA no qual atuava como repórter há quase quatro anos. Essa decisão irrevogável é uma clara manifestação de solidariedade a todos os que se sentiram ofendidos pela declaração, entre os quais eu me incluo”, escreveu o repórter.

Além de todo o desconforto envolvido na cena, o jornalista reforçou que mesmo se fosse uma piada, tais falas racistas não podem ser consideradas aceitáveis: “Afirmações racistas, ainda que em tom jocoso, devem ser repudiadas com veemência por todos aqueles que defendem uma sociedade inclusiva, na qual os direitos alcancem indistintamente os cidadãos. E eu me encontro entre esses”.

Por fim, além de toda a consciência sobre a maldade nos comentários, Rafael também falou do enorme mal-estar que foi participar dessa cena. “Em 18 anos de carreira na televisão, nunca me senti tão constrangido e desconfortável como na edição desta terça feira, 09, do Alterosa Alerta”, declarou ele. Realmente… um climão. Confira aqui a publicação:

Venho a público me manifestar na condição de jornalista e deputado estadual eleito por Minas Gerais. Em 18 anos de…

Publicado por Rafael Martins em Quarta-feira, 10 de julho de 2019

De acordo com o jornal O Tempo, o Ministério Público estadual ainda não recebeu nenhuma denúncia contra o apresentador. No entanto, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais aprovou a representação de uma denúncia de racismo e injúria racial, na tentativa de tomar as devidas providências sobre o caso.

Relembrando o que aconteceu ontem (9), durante um discurso inflamado no qual criticava os números oficiais do Ibope, Gusman xingou o presidente do instituto de pesquisa, Carlos Augusto Montenegro, a quem chamou de “demônio”. Para completar, declarou: “Eu sei de muitas coisas. Uma delas é o nome do dono do Ibope. O nome do cara é Montenegro, se ele fosse do bem, ele ia chamar Montebranco!”. 

Nesta hora, a produção do programa soltou um efeito sonoro de “uepa!”. Incrédulo com o que havia acabado de escutar, Rafael ficou em silêncio por alguns segundos, e então exclamou: “Nossa, mãe”. Veja o momento abaixo:

Achando que tinha arrasado no comentário, o apresentador ainda fez um gesto de como se estivesse batendo baquetas em uma bateria, e a produção completou com o barulho de pratos, comum depois que alguém conta uma piada em programas humorísticos. Exceto que, aqui, o humor passou longe, né? Logo depois, percebendo que tinha falado “demais”, Gusman tentou esclarecer seu comentário: “Não é de cor não, gente. É escuro, escuridão. Céu branco, inferno negro. Ih… vocês também são muito, né?!”.

A repercussão do momento televisionado foi intensa. O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (SJPMG) emitiu nota afirmando que “considera grave e inaceitável a ofensa de conotação racial veiculada em programa da TV Alterosa”, e que espera ver o caso apurado. Além disso, o órgão declarou que uma das finalidades do jornalismo é promover a cidadania e os direitos humanos, e lamentou que o preconceito racial ainda esteja presente nos meios de comunicação: “Não bastasse o jornalismo brasileiro contar com uma porcentagem ínfima de negros e negras como repórteres, editores, diretores, produtores, a população negra, maioria numérica do Brasil, é frequentemente pautada como notícia apenas a partir do sensacionalismo policialesco e punitivo dos programas policiais, dos olhares estereotipados ou ofensivos, de injúrias veladas ou escancaradas como a deste episódio”.

A deputada estadual de Minas Gerais, Andréia de Jesus, do PSOL, divulgou o vídeo em suas redes sociais e declarou que irá buscar a justiça para tratar do caso:Vamos encaminhar um ofício para que o MPF e a Comissão de Igualdade Racial da OAB MG estejam cientes e possam tomar as devidas providências em relação ao caso”. Entre os comentários na postagem da deputada, os seguidores destacam a “naturalidade” com a qual o apresentador disse aquelas palavras, e o “absurdo” da situação.

Racismo no programa Alterosa Alerta | 09/07/2019

⚠ DENÚNCIA: RACISMO NO PROGRAMA ALTEROSA ALERTA 🚫Em 2017, a Record foi notificada pelo Ministério Público Federal após um apresentador chamar a cantora Ludmilla de "macaca" ao vivo no Balanço Geral. A mesma emissora foi condenada e obrigada a exibir programas educativos sobre religiões de matriz africana, após perder uma ação judicial movida pelo Intecab e pelo CEERT, motivada pela veiculação de programas que ofendiam religiões de matriz africana. Mesmo com esses casos recentes e tantas outras campanhas educativas e oficinas sobre comunicação não-violenta, alguns apresentadores da TV aberta não se sentem constrangidos em fazer comentários racistas ao vivo. Este vídeo é do Alterosa Alerta de hoje, exibido na hora do almoço na TV Alterosa. Vamos encaminhar um ofício para que o MPF e a Comissão de Igualdade Racial da OAB MG estejam cientes e possam tomar as devidas providências em relação ao caso. Não passarão!

Publicado por Andréia de Jesus em Terça-feira, 9 de julho de 2019

Confira mais comentários e reações sobre a fala de Gusman: