Apresentador australiano relembra experiência desagradável que teve com Ellen DeGeneres, e revela orientações bizarras que recebeu da equipe dela

As coisas não estão muito promissoras para Ellen DeGeneres. Em meio às acusações de que o programa dela mantém um ambiente de trabalho tóxico, intolerante e racista, o apresentador australiano Neil Breen revelou uma experiência bem desagradável que teve com a estrela em 2013.

Durante seu programa matutino na rádio 4BC, ele comentou sobre a polêmica em que o “The Ellen Show” estava envolvido atualmente e relembrou seu encontro com a apresentadora. Na época, ele era um executivo sênior do “Today Show Australia”.

Ellen viajou o país para promover seu trabalho e, inicialmente, iria co-apresentar o programa. No entanto, Neil revelou que o plano foi constantemente adaptado até ser descartado pela equipe dela. Eventualmente, por sorte, foi combinado que Ellen faria uma entrevista para o Today Show.

Mas as coisas teriam ficado ainda mais difíceis. A entrevista teve que ser feita em Melbourne, mesmo que toda a equipe do show ficasse em Sydney. “Então nós levamos todo o Today Show para Melbourne, custeando tudo por conta própria”, destacou Breen.

No dia da entrevista, apenas ele e o repórter de entretenimento Richard Wilkins foram ao hotel. “Claro, como é o The Ellen Show, eles ficaram a cargo de tudo: os assentos pra entrevista, as luzes, como tudo ia funcionar. Quando nós entramos, havia muitas pessoas lá e o produtor me chamou de lado e disse: ‘Olha, é assim que vai funcionar. Ellen vai chegar às 10h15 e se sentar nesta cadeira. Richard, você vai se sentar naquela'”, contou o apresentador.

Recentemente, funcionários e ex-funcionários reclamaram de como eram tratados no trabalho com Ellen (Foto: Reprodução/Youtube)

Ele continuou, revelando o que ouviu do produtor do programa. “‘Agora, Neil, ninguém deve falar com a Ellen. Você não fala com ela, você não a aborda, você não olha pra ela. Ela vai chegar, sentar, ela vai falar com o Richardson e, então, a Ellen vai sair'”, chocou-se o radialista. “Eu meio que disse: ‘Você está falando sério? Eu não posso olhar pra ela?’ Eu achei o negócio todo bizarro”, julgou.

Neil ainda estranhou o comportamento de toda a equipe de DeGeneres. “Toda a palavra que ela dizia, todo mundo presente dava risadas tão altas que eu tive que pedir para eles ficarem quietos porque estávamos gravando a entrevista. Eles riam de tudo que ela dizia”, declarou. “Mas, assim, eu não estou culpando a Ellen, porque eu nem cheguei a falar com ela”, admitiu ele.

“Eu não tenho ideia se ela era uma pessoa legal ou não, eu não teria como saber. Mas eu posso te dizer que as pessoas que trabalhavam com ela andavam pisando em ovos o tempo todo. Nós estamos lá para uma entrevista para promover o que ela está fazendo e nem podemos olhar pra ela? Alguém precisa cair na real”, concluiu Breen. Ouça abaixo:

No dia 16 de julho, um artigo do “Buzzfeed News” expôs acusações de mais de dez funcionários e ex-funcionários sobre as condições de trabalho que enfrentavam no “The Ellen DeGeneres Show”. Entre os entrevistados, alguns foram demitidos após tirarem licenças médicas ou dias de luto para ir a funerais de família. Uma mulher decidiu sair do emprego depois de levar uma bronca por reclamar sobre racismo nos bastidores. Para a publicação, mais membros da equipe ainda disseram que foram instruídos por seus chefes diretos para não falar com a apresentadora se a vissem pela empresa.

Desde então, executivos da produtora do programa, Telepictures, e da distribuidora, Warner Bros Television, mandaram um memorando para toda a equipe na última semana, dizendo que eles envolveram o grupo de relações com funcionários da Warner Media e também uma empresa terceirizada para entrevistar membros antigos e atuais do time sobre suas experiências no estúdio. A intenção é investigar o ambiente de trabalho no estúdio, de acordo com a “Variety”.

Leia mais sobre o caso, clicando aqui.