BBB20: Em conversa com Babu, Rafa relembra perrengues antes da fama: “Não estava chegando a lugar nenhum”

Todo mundo passa por perrengues… inclusive Rafa Kalimann! Mesmo sendo bem-sucedida atualmente, a digital influencer já passou por situações complicadas na vida. De acordo com o portal UOL, a sister teve um bate-papo com Babu na tarde de hoje (23) e contou das dificuldades que passou antes da fama, incluindo empregos que pagavam pouco e tinham rotinas exaustivas.

“Trabalhei em parque, distribui panfleto de imobiliária no semáforo, fazia evento que ficava em pé o dia inteiro… Eu ia para o parque, ganhava R$ 40 por dia, fazia evento, ficava no salto o dia inteiro e ganhava R$ 70”, relembrou sobre os momentos de luta. “Eu pedia comida no supermercado. Eles já me conheciam. Deus honra. Passaram-se 12 anos, 10 anos mais ou menos, mas veio a glória. Toda aquela luta, aquele sufoco, valeu a pena”, garantiu.

Rafa no confinamento do “BBB20”. (Foto: Reprodução/Globo)

Rafa referia-se ao período em que morou em São Paulo, tentando a carreira de modelo. “Meu pai ganhava R$ 1000 e pouquinho e me dava R$ 120 por mês, era o que ele podia me dar. E eu passava o dia indo para casting, gastava meu dinheiro com isso. A conta não fechava, tinha dia que não tinha o que comer. Eu falava ‘não vou embora, vou chegar lá'”, afirmou. E acrescentou: “O que tinha de modelo que voltava para casa porque via que não era nada daquilo… Até que um dia eu falei ‘também não estou dando conta’. Foi meu extremo, não estava chegando a lugar nenhum e voltei para casa dos meus pais, chorando, fazer faculdade de psicologia”.

Foi só quando Rafa encontrou seu lugar nas redes sociais, que sua vida começou a andar para frente. “Com 19 anos eu tinha que pedir R$ 5 para o meu pai para comer um lanche na faculdade. Eu sabia que para ele era suado. Eu estava muito mal, até que veio o Instagram e as coisas começaram a acontecer”, disse. No entanto, seu início na plataforma também não foi fácil. “No meu começo no Instagram, penei muito. Fiz muita coisa e não recebi. Depois montei uma equipe que briga por mim, porque eu não consigo. Falavam ‘só tenho isso’, eu ia. Não me valorizava”, concluiu.