Fotojet (16)

BBB21: Karol Conká fala sobre processo de redenção após o reality, rebate acusações de “fingimento” e lamenta: “Quis desistir de viver”

[AVISO: ESSE POST PODE DESPERTAR GATILHOS EMOCIONAIS]

Karol Conká vem buscando sua redenção, após uma passagem turbulenta e problemática pelo “BBB 21”. A sister, que ainda no confinamento chegou a perseguir e humilhar alguns dos colegas de programa, participou do “É de Casa” deste sábado (8) e respondeu a perguntas do público, que está curioso para saber como anda a vida da cantora pós-reality.

Sem fugir de nenhuma das questões, a curitibana disse que mal conseguiu dormir após ver as próprias falas dentro da casa e chegou até mesmo a considerar desistir da vida. “Eu falava na casa: ‘uma das coisas que eu gosto de fazer é deitar a cabeça no travesseiro e saber que eu não tenho nenhum problema’. Não, eu não consegui dormir direito. Hoje, já consigo dormir melhor, mas já passei muito mal. Fiquei muito tensa, muito decepcionada comigo, triste para caramba, querendo desistir até de viver”, lamentou.

Continua depois da Publicidade

A rapper então explicou que, para sair dessa angústia, precisou aceitar a verdade. “E a verdade é que eu tive essa atitude feia e fui uma pessoa péssima na casa mesmo. A partir dessa noção, eu comecei a entender as camadas que me levaram a ter esse tipo de atitude e entender como posso dissolver essas feridas, para que eu não machuque mais ninguém. A minha intenção não é machucar as pessoas. Eu tenho trabalhado muito bem isso com muita terapia e tenho conseguido dormir melhor agora”, afirmou.

“Como eu tenho certeza que sua lágrima é de verdade e você não está mentindo?”

A veracidade dos sentimentos de Karol também foi colocada em xeque, e a artista reforçou que está muito arrependida das atitudes que tomou na competição. Entretanto, disse não entender as cobranças que anda sofrendo por parte do público, que não acredita em sua sinceridade. “Eu fico muito triste… As pessoas cobram que a gente reconheça o erro e quando isso acontece, quando exponho minha vulnerabilidade, elas falam que é fingimento. E aí, nesse caso, isso diz mais sobre as pessoas do que sobre mim, porque o papel de reconhecer meu erro, de deixar a soberba de lado e entender tudo o que aconteceu, eu estou fazendo de coração”, garantiu.

“O meu choro é verdadeiro, eu passei muitos anos segurando o choro ou usando uma carcaça só do poder, da força, mas a verdade é que eu sempre chorei escondido. Agora, no documentário é possível me ver aos frangalhos porque é muito remorso, muita culpa. Mas as pessoas precisam entender que assumir meu erro não quer dizer que eu deva mudar minha personalidade, ou não sorrir nunca mais, para que elas possam entender. Eu já caí no chão, eu já fiquei mal, eu já quis desistir de viver”, mencionou, mais uma vez.

Angustiada, Conká continuou, deixando uma reflexão ao público: “O que mais eu preciso fazer para que as pessoas entenderem que sou ser humano e que também sei reconhecer quando erro? O que mais eu preciso fazer pras pessoas acreditarem? Não vou me humilhar, eu represento uma mulher, uma mulher preta e não seria certo definhar para que as pessoas pisem em mim. As pessoas estão passando dos limites que eu passei dentro casa. É uma reflexão para todo mundo, será que a justiça já não foi feita com minha eliminação e ataques que eu sofri?”.

“Depois de tudo o que aconteceu, você teria coragem de entrar novamente no BBB?”

A cantora, por fim, ponderou se participaria novamente do “BBB”, mesmo após tudo o que aconteceu. “Eu tenho recebido muito essa pergunta entre amigos e fãs, mas gente… Eu não me arrependo de ter entrado no BBB. Eu me arrependo de não ter cuidado de mim antes, de não ter olhado mais para dentro de mim. Eu entrei totalmente despreparada psicologicamente. Então, eu iria novamente, mas sem os problemas e as feridas que me transformaram em uma vilã”, avaliou.

“Eu passei muito tempo ignorando minha saúde mental e eu vejo isso como um convite para que eu chame atenção de mim mesma a algo que eu não estava ouvindo. Participar do BBB foi a experiência mais louca e especial da minha vida, porque eu olhei para mim. Foi o programa que proporcionou me entender. O que mais me magoou não foram nem os xingamentos que eu recebi (aqui fora), foi realmente a decepção que eu tive comigo mesma”, encerrou. Assista:

IMPORTANTE: Se você ou alguém que você conhece está passando por dificuldades emocionais ou considerando o suicídio, ligue para o ‘Centro de Valorização da Vida’ pelo número 188. O CVV realiza apoio emocional, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email e chat 24 horas todos os dias. Para mais informações, clique aqui.