Header

Michelle Giannella, chefe de esportes da TV Gazeta é acusada de pedir a repórteres que enviassem nudes em troca de matérias

Michelle Giannella, gerente do departamento de esportes da emissora, nega as acusações

Michelle Giannella, gerente do departamento de esportes da TV Gazeta, está sendo acusada de ter pedido para que repórteres enviassem fotos seminuas a assessores de imprensa ou atletas. De acordo com o UOL, em reportagem publicada nesta quinta (6), a solicitação da chefe seria para que as funcionárias conseguissem fazer entrevistas em troca destas imagens.

Duas ex-funcionárias da emissora dizem ter recebido o pedido diretamente em duas oportunidades. Outras cinco pessoas que estavam nas reuniões nas quais a solicitação teria sido feita também foram ouvidas. As fontes afirmaram que os pedidos ficaram mais recorrentes quando a jornalista foi promovida a gerente do departamento de esportes, em 2019. Michelle Giannella nega as acusações.

“Já vivi muito machismo na Gazeta, e entrava na brincadeira para conseguir espaço. Foi melhorando, e, quando finalmente já estava fora de moda esse tipo de coisa, tive que ouvir um absurdo desse de uma mulher. Ela falava com sorriso no rosto. Me senti uma incompetente que só conseguiria trabalhar se mostrasse o corpo”, contou uma das repórteres ao UOL. A profissional se negou a atender o pedido da chefia.

Guilherme Camarda, repórter da Gazeta entre 2010 e 2022, disse que testemunhou uma das vezes em que a situação teria ocorrido: “Ela disse para a jornalista enviar uma foto de biquíni para conseguir entrevista. E o mais inacreditável é que ela fala na frente de todo mundo, como se fosse natural”.

Giannella negou as denúncias. “Isso não existe, isso é mentira. Eu sou mulher, eu estou há 24 anos neste trabalho e eu nunca usei o meu corpo pra me expor ou pra eu conseguir alguma coisa com algum atleta. E falar para uma mulher mandar foto de biquíni para um assessor? Pelo amor de Deus, gente, não tem isso”, afirmou.

Continua depois da Publicidade

Outros tipos de relatos também foram citados pelas fontes. Cinco pessoas descreveram que, uma vez, um repórter apresentou um atestado médico e Michelle disse, em reunião aberta, que o documento era falso. Um jornalista afirmou que adquiriu um quadro de depressão por conta do comportamento da chefe e, com isso, foi demitido. A gerente de esportes da Gazeta alegou que não se lembra de mandar embora um funcionário com a doença. Contudo, o exame demissional do ex-funcionário apontou a existência da depressão.

Chico Lang, comentarista esportivo que já foi chefe de reportagem da emissora, defendeu Michelle e afirmou que nunca presenciou tais atitudes por parte da colega. Celso Cardoso, também comentarista e atual chefe de reportagem da empresa, ouviu as acusações e preferiu não se pronunciar. A jornalista de 43 anos alegou que é vítima de um complô formado por funcionários “que não aceitaram as demissões“.

“Estou galgando posições no meu trabalho. Sou uma pessoa — por Deus que está me ouvindo —, sou falha, sou mãe, erro pra caramba, mas busco muito melhorar como ser humano. A coisa de que mais gosto é ter um bom ambiente de trabalho. Ganhei uma mesa de futebol de botão para os meus filhos e levei essa mesa para a nossa redação, para as pessoas brincarem, porque eu gosto de ter um ambiente legal”, declarou Michelle.

Header (1)
Michelle Giannella está sendo acusada por ex-funcionárias da TV Gazeta. (Foto: Reprodução/TV Gazeta)

Formada em Jornalismo pela Cásper Líbero, Michelle iniciou sua carreira como estagiária na TV Gazeta. Desde dezembro de 2000, ela passou a apresentar o Gazeta Esportiva. Em 2003, integrou o Mesa Redonda, exibido aos domingos, mais tradicional programa de debate esportivo do Brasil. Em agosto de 2015, Michelle assumiu a editoria executiva do site Gazeta Esportiva. A partir de 2019, tornou-se gerente do departamento de esportes da emissora.

A Gazeta negou que existam reclamações no RH contra Michelle. Contudo, duas fontes afirmaram terem feito tais contestações. A emissora se pronunciou por meio de uma nota. “São infundadas as acusações de assédio moral no departamento de esportes. Não há registros internos e no âmbito jurídico sobre o tema, que chegaram ao nosso conhecimento apenas por intermédio da imprensa. No entanto, com base nessas sinalizações, informamos que a gestão de pessoal do departamento de esportes está sendo acompanhada de perto com o objetivo de garantir a manutenção do bom ambiente profissional da equipe”, declarou.