Que susto! Repórter da CNN Brasil é assaltada e ameaçada com faca ao vivo; assista ao vídeo e saiba detalhes!

Que situação… Na manhã deste sábado (27), a repórter Bruna Macedo foi assaltada ao vivo, durante uma transmissão na CNN Brasil. A jornalista falava sobre o aumento no fluxo do Rio Tietê, após as chuvas em São Paulo, até que um homem a abordou com uma faca, levando dois celulares dela.

Bruna estava na região da Ponte das Bandeiras, quando o homem surgiu no canto de sua imagem. Rapidamente, a repórter entregou um celular ao assaltante, no entanto, ele seguiu avançando sobre ela, até que ela entregou outro aparelho. Neste momento, a transmissão dela foi cortada e o telejornal passou a mostrar apenas a Avenida Paulista. Assista ao vídeo aqui:

Continua depois da Publicidade

Após o assalto, o âncora do telejornal, Rafael Colombo, deu mais detalhes do caso. “A Bruna Macedo estava entrando no ar, num quadro dividido. Na imagem do meio, a Bruna é vista sendo abordada por um rapaz. Não deu para entender na hora o que estava acontecendo, se era um morador de rua passando. Mas depois do que aconteceu, cortamos a imagem e ela explicou que foi roubada”, disse ele.

Rafael Colombo informou posteriormente que Bruna havia sido abordada com uma faca. (Foto: Reprodução/CNN Brasil)

De acordo com Colombo, o homem usou uma faca e a ameaçou para que entregasse os aparelhos. “Esse indivíduo a abordou com uma faca e levou os dois celulares dela embora. Ele fez ameaças e ela entregou um celular. Mas ele sabia que ela tinha dois celulares, porque ela tem um particular e um corporativo”, completou o apresentador.

Continua depois da Publicidade

Bruna foi levada de volta à emissora e, então, dispensada do trabalho para se recuperar do ocorrido. “Ela está bem, já está aqui na redação. Tomou um susto danado, mas está bem, não sofreu nenhum tipo de ferimento. Ela vai prestar queixa na polícia e é vida que segue”, concluiu o âncora. Olha só:

Procurada pelo hugogloss.com, a CNN Brasil informou que Bruna estava sozinha na ocasião. Segundo a emissora, a jornalista estava em campo como videorrepórter – que atua sem uma equipe, ao contrário de outros repórteres que saem acompanhados de mais profissionais. O canal reforçou que ela não sofreu nenhuma agressão física e que foi liberada do expediente.